Explicação fácil e rápida sobre a ação de petição de herança, você vai adorar!

Sabemos que a Ação de Petição de Herança é um tema recorrente no universo jurídico das sucessões, e muita vezes é alvo de imensas dúvidas e confusões na cabeça do estudantes de graduação, como já foi o meu caso. Por tal motivo, apresentamos o tema numa proposta simplificada, fácil e rápida à aqueles que carecem de esclarecimentos com urgência.

CONCEITO:

 A ação de petição de herança (petitio hereditatis) é um instrumento processual específico que permite ao herdeiro reclamar a sua quota-parte em uma sucessão hereditária já terminada, contra quem a recebeu na qualidade de herdeiro ou não (art. 1824 CC).

 Conforme aponta Maria Berenice Dias (2008, p.592) tal ação possui dupla carga de eficácia, pois a sentença declara a alguém a qualidade de herdeiro em determinada sucessão hereditária e condena à devolução dos bens os sujeitos que estão em posse dos bens (art. 1826 CC). A procedência da ação de petição de herança culmina com a nulidade da partilha, pois só assim terá o autor da ação assegurado os direitos reclamados.

 Aplica-se a fungibilidade processual nos casos em que erroneamente o autor ajuíza ação anulatória de inventário ou ação possessória quando tratar-se de Petição de Herança. Tal ação também pode ser cumulada com outra como no caso da ação investigatória de paternidade.

NATUREZA JURÍDICA:

1. Real: exercitável contra todos e oponível a terceiros;

2. Real Imobiliária: indispensabilidade da participação de ambos os conjugês;

3. Universal: visa a totalidade do patrimônio do de cujus se diferenciando da ação reivindicatória. Maria Berenice Dias (2008, p.592) classifica tal ação como:

“universal, eis que o autor não pretende a devolução de coisas destacadas, mas sim o patrimônio hereditário: por inteiro, por se tratar de herdeiro de uma classe mais privilegiada; de quota-parte, por ser herdeiro da mesma classe de quem recebeu a herança. [...] Além de universal, a ação é real, pois impõe a devolução do acervo hereditário, que é considerado bem imóvel.”

COMPETÊNCIA:

Caso a ação de Petição de Herança seja proposta antes do fim da partilha a ação será atraída para o juízo universal do inventário. Já se o autor houver sido excluído da sucessão e estiver terminada a partilha, não haverá prevenção de juízo, se observará a competência territorial.

PRESCRIÇÃO:

Outrora a prescritibilidade da ação petitória de herança já foi questão de imensas discussões, principalmente pelo fato da investigação de paternidade ter caráter imprescritível, no entanto, atualmente se reconhecesse que tal demanda é perfeitamente prescritível.

 A inteligência da súmula 149 do STF assevera que “É imprescritível a ação de investigação de paternidade, mas não o é a de petição de herança”, logo, como há o silencio da lei, adota-se o prazo de 10 anos previsto no artigo 205do Código Civil.

LEGITIMIDADE:

  Aqui é necessário levar em conta a legitimidade ativa e passiva, tal como veremos

Legitimidade ATIVA:

 É legitimo qualquer herdeiro (seja legítimo seja testamentário), bem como cessionários e adquirentes dos bens hereditários. O substituto ou fideicomissário do herdeiro testamentário também têm legitimidade.

 O herdeiro gerado “post mortem” através de técnicas de reprodução assistida, e o sobrevivente de uma união estável não reconhecida possuem legitimidade para propositura da ação petitória.

 Entes públicos também possuem a legitimidade nos casos de herança jacente para afastar o herdeiro aparente.

Legitimidade PASSIVA:

 Figuram no pólo passivo desta ação detentores da herança sejam, ou não, herdeiros, bem como terceiros alheio a sucessão ou quem adquiriu um bem da sucessão (art. 1827 CC). Não é possível mover a petição de herança contra inventariantes, mas somente em face de herdeiros, mesmo em andamento o inventário.

 O herdeiro indigno, deserdado, ou que perdeu tal qualidade por conta de anulação do testamento, também podem figurar como réu na ação nos casos que não devolvam os bens recebidos.

 Para a legitimação passiva, não importa o fato de ser herdeiro ou possuidor, nem estar de má ou boa-fé uma vez que a citação válida confere responsabilidade pela má-fé e mora (1826parágrafo único, CC).

HERDEIRO APARENTE:

 Conforme aponta Arnaldo Rizzardo (2008, p.138-139) trata-se de alguém que recebe a herança sem estar na qualidade de herdeiro, sem ter propriedade legítima de direitos hereditários. Essa transmissão decorre de erro comum e invencível, tal como é o caso de herdeiro indigno, anulação de testamento, desconhecimento de herdeiro testamentário, ou atribuir patrimônio a herdeiros colaterais.

 Nesse diapasão, terceiro de boa-fé adquirentes de bens do espólio transferidos pelo herdeiro aparente não podem ser prejudicados, ou seja, não devolve o bem, aplicando-se o principio da aparência, desde que o ato seja realizado a titulo oneroso e singular.

 Ao mover-se ação petitória de herança contra o herdeiro aparente dependerá da natureza da sua posse.

 Reconhecida a boa-fé, o possuidor tem direito a indenização por benfeitorias, frutos percebidos, e restituição dos frutos pendentes, sem responder por deterioração. Reconhecida a má-fé, o possuidor só tem indenizado as benfeitorias necessárias, devendo restituir todos os frutos com reembolso das despesas.

REFERÊNCIAS

DIAS, Maria Berenice. Manual das Sucessões. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.

RIZZARDO, Arnaldo. Direito das Sucessões. Rio de Janeiro: Forenze, 2007.

MEDEIROS, Celso. Direito Sucessório Descomplicado. Curitiba: Universo, 2014.


Por Walmor Augusto Salgueiro, advogado militante na área cível, Pós-Graduando em Direito civil e Processual Civil pela Faculdade Estácio de Sá, Graduado pela Faculdade de Ensino Superior Dom Bosco.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

1

  • 0

    Neuza fantichel

    Construir uma casa em cima da da minha mas primeirobati Lage que não tinha E gostaria de sabecsevsou herdeira da casa de baixo