RESUMO: O presente estudo expõe a problemática existente, diante da qual se deparam os operadores do Direito, frente a situações, in thesi, amparadas pela Lei nº 11.340/06, denominada Lei Maria da Penha, que tão somente incide na legislação penal comum, quando envolvam a mulher militar da ativa, vítima de violência de gênero, e o(a) agressor(a) também militar da ativa, ensejando discussões homéricas quanto à sua aplicação no caso concreto, frente à legislação penal militar. Buscou-se, através de pesquisas bibliográficas, analisar as concepções de estudiosos, doutrinadores e juristas acerca deste delicado tema, a fim de elucidá-lo, sob o ponto de vista da família, proteção da mulher e da regularidade das instituições militares. O que se coloca em questão são direitos fundamentais, porém, de um lado, relacionados à violência de gênero e, de outro, à regularidade das instituições militares. Dessa forma, enumeram-se três teorias: Teoria do Crime Comum, na medida em que a ofensa restringe-se ao âmbito doméstico-familiar ou às relações íntimas de afeto; Teoria do Crime Militar, quando essa ofensa extrapola esses domínios, afetando a regularidade das instituições militares, cujos princípios fundamentais são a hierarquia e a disciplina e; Teoria Mista ou Teoria Conciliadora, que tipifica a conduta como crime militar, aplicando-se os institutos protetivos da Lei Maria da Penha. Portanto, tal entendimento não é pacífico, entretanto, com argumentos sólidos, demonstra-se que atualmente esta última teoria (Conciliadora) remedeia a problemática de maneira mais acertada. O avanço social, que promoveu o acesso das mulheres aos quadros das Forças Armadas e Auxiliares, não fora previsto ou fora negligenciado pelo legislador, que não contemplou o Direito Penal Militar, como sempre olvidado, fomentando tais discussões acerca do assunto, dessa forma, conclui-se que para a exata resolução do problema, faz-se extremamente necessário e urgente uma reforma da legislação penal castrense.

Palavras-chave: Família. Mulher. Instituições Militares. Lei Maria da Penha. Direito Penal Militar.

SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO ..2 DIREITO PENAL MILITAR .2.1   REGIME CONSTITUCIONAL DOS MILITARES .2.2   CARACTERIZAÇÃO DE UM DELITO MILITAR .2.3   ASCENSÃO DA MULHER NA CARREIRA MILITAR .3 LEI MARIA DA PENHA (L. Nº 11.340/06) .3.1VIOLÊNCIA DE GÊNERO ..3.2.ASPECTOS CONSTITUCIONAIS .3.3   ASPECTOS PENAIS, PROCESSUAIS E TUTELARES .4.CRIME COMUM OU CRIME MILITAR?.4.1. TEORIA DO CRIME COMUM .4.2.TEORIA DO CRIME MILITAR .4.3.TEORIA MISTA OU CONCILIADORA .5.CONCLUSÃO . REFERÊNCIAS .


1 INTRODUÇÃO

A família, instituição mater, base fundamental da sociedade, com a evolução dos tempos e a globalização, também sofreu mudanças em sua constituição e finalidade, influenciadas por hábitos e costumes que, consequentemente, repercutiram no Direito, criando situações inovadoras perante a real necessidade da sociedade, dessa forma, a definição de “entidade familiar” prevista em nossa Carta Magna tornou-se ultrapassada:

Art. 226. A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado.

[...]

§ 3º Para efeito da proteção do Estado, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em casamento.

§ 4º Entende-se, também, como entidade familiar a comunidade formada por qualquer dos pais e seus descendentes. (BRASIL, 1988, grifo nosso).

Nesse sentido, a instituição família passou e vem passando por mudanças, das quais precisamos nos adaptar, pois vivemos em um Estado Democrático de Direito e a nossa Constituição Federal, em seu artigo 3º, tratou dos objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil, destacando-se, respectivamente, os incisos I e IV, a saber, “construir uma sociedade livre, justa e solidária” e “promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação”.

Dessa forma, aquele padrão preestabelecido pela sociedade e consolidado nas leis sofreu modificações, as concepções a respeito do tema foram alterando-se, sendo comum encontrarmos, atualmente, a família monoparental - constituída pelo pai ou mãe e o filho; a família formada apenas por irmãos; por primos; por tios e sobrinhos; por avós e netos; a família formada por homossexuais, sem filhos, com filhos de um deles ou até com filhos adotados conjuntamente etc.. Portanto, hoje, a finalidade dessa união chamada Família não mais se resume na geração de filhos, mas sim na construção de uma relação de afeto:

A liberação sexual, sem dúvida, em muito contribuiu para a formação desse novo perfil de família. Não há mais necessidade do casamento para uma vida sexual plena. (...) O objetivo dessa união não é mais a geração de filhos, mas o amor, o afeto, o prazer sexual. Ora, se a base da constituição da família deixou de ser a procriação, a geração de filhos, para se concentrar na troca de afeto, de amor, é natural que mudanças ocorressem na composição dessas famílias. Se biológica-mente é impossível duas pessoas do mesmo sexo gerarem filhos, agora, como o novo paradigma para a formação da família – o amor, em vez da prole – os “casais” não necessariamente precisam ser formados por pessoas de sexo diferentes. (MASCHIO, 2002, p. 1).

Entretanto, essa união baseada no afeto, no amor, por motivações diversas, às vezes transforma-se no ódio, gerando discussões e violência, o que frequentemente observamos em nosso cotidiano e na mídia, ocasionando, quando se torna insustentável, a desestruturação da entidade familiar.

O Estado, através de seu ordenamento jurídico, que deve evoluir com a sociedade, regulando as mudanças que ocorrem em seu meio, visando a preservar a Instituição Família, garantiu no § 8º do art. 226 da CF/88 assistência, bem como a criação de mecanismos para combate à violência: “O Estado assegurará a assistência à família na pessoa de cada um dos que a integram, criando mecanismos para coibir a violência no âmbito de suas relações.”.

Destarte, atualmente, como instrumento de maior importância no combate à violência familiar, temos a Lei 11.340/06, a famigerada “Lei Maria da Penha” (LMP), cuja finalidade é coibir e prevenir a violência de gênero, isto é, proteger a mulher, que normalmente figura no polo passivo da relação, em uma condição vulnerável de hipossuficiência, de ordem física e/ou econômica, sendo subjulgada pelo(a) agressor(a).

A LMP apresenta-se de forma extremamente ampla, no que se refere ao seu alcance, atinge o seio familiar, que compreende a comunidade de pessoas que são ou se consideram aparentadas, unidas por laços naturais, por afinidade ou vontade expressa; a unidade doméstica, caracterizada por um espaço físico de convívio permanente de pessoas; além de qualquer relação íntima de afeto, sendo indiferente a existência de coabitação, com o(a) agressor(a) que conviva ou tenha convivido. Outrossim, com relação à violência, exemplifica as seguintes formas: física, psicológica, sexual, patrimonial e moral.

Nesse contexto, sua atuação se dá por meio de uma série de mecanismos protetivos à mulher vítima de agressão: de cunho preventivo; assistencial; disciplinando a atuação de órgãos policiais, Ministério Público, Judiciário, Defensoria Pública e; através da aplicação de medidas protetivas de urgência, que obrigam o(a) agressor(a) ou, aplicáveis à ofendida.

Trata-se, portanto, de uma lei mista, que tão somente incide no Direito Penal Comum (DPC), abordando aspectos penais (majorando a pena na legislação penal comum), processuais (estabelecendo ritos em processos) e tutelares (determinando medidas protetivas).  Dessa forma, este diploma legal configura-se de maneira bastante completa, exceto por um detalhe: o Direito Penal Militar (DPM), ramo autônomo do Direito, foi relegado pelo legislador (como sempre), não sendo contemplado pela LMP.

Qual o prejuízo disso? Voltemos a dizer, a legislação deve acompanhar a evolução da sociedade, pois que o nosso legislador olvidou-se da existência do outro ramo do Direito – o Direito Penal Militar –, ao qual se submetem, essencialmente, os militares (homens e MULHERES) que, em dado momento de suas vidas, podem vir a se relacionar entre si, constituir uma família e ter filhos e/ou FILHAS, que também poderão escolher a profissão militar.

Nesse cenário, esses homens e mulheres militares, unidos entre si por relações doméstico-familiares ou íntimas de afeto, assim como qualquer ser humano, também estarão suscetíveis aos males dessa sociedade, entre eles a violência, que poderá acometer a mulher militar aos moldes da LMP, caracterizando, em tese, um crime comum, portanto previsto no Código Penal Comum (CPC), no entanto, tal conduta também poderá estar tipificada com igual definição no Código Penal Militar (CPM), tratando-se, atendidas certas condições, em tese, de crime impropriamente militar[1], desse modo, chegamos a nosso impasse:

Pela conduta praticada (única), poderia o(a) agente militar responder penalmente pelos crimes previstos, em ambos os Códigos? Por exemplo, responderia por lesão corporal no CPC (§ 9º do art. 129) e, também, no CPM (art. 209)? Até um leigo concordaria ser uma imposição excessivamente injusta. Pois bem, obviamente, em virtude do principio non bis in idem.

Diante desse problema, surgem três teorias a respeito da natureza jurídica do fato: Teria do Crime Comum, Teoria do Crime Militar e Teoria Mista ou Conciliadora. Esta última tipifica a conduta como crime militar, mas aplica os institutos protetivos da Lei Maria da Penha, revelando-se, atualmente, como a mais indicada para remediar a questão, enquanto aguardamos uma reforma na legislação penal castrense, conforme será demonstrado ao longo deste trabalho.


2 DIREITO PENAL MILITAR

O Direito Penal Militar trata-se de um ramo autônomo do Direito, desconhecido por muitos operadores desta ciência, pois é olvidado desde os bancos escolares. Antigamente, o estudo das normas penais castrenses possuía caráter obrigatório nas faculdades de Direito, porém, atualmente, é renegado, destinando-se àqueles que, notoriamente, buscam uma especialização, apreciam e, de alguma forma, identificam-se com a profissão militar.

Esse ramo é de grande importância no cenário jurídico, pois regula não simplesmente uma atividade profissional, mas sim a vida de uma classe distinta de indivíduos, que se obrigam a enfrentar o perigo, entregando suas vidas, caso a situação assim o exija, denominando-se “tributo de sangue” (tributus sanguinis). Tal circunstância específica traduz-se em um juramento realizado pelo militar quando ingressa na corporação.

Essa “atividade”, em virtude de sua previsão e extrema relevância constitucional (assunto a ser abordado adiante), entre outras atribuições, versa  a respeito da – defesa da Pátria, de sua soberania, Instituições, da lei e da ordem, bem como da polícia ostensiva e preservação da ordem pública, além da execução de atividades de defesa civil –, elevando-se à categoria de missão.

As Instituições Militares, que dispõe de grande efetivo e aparato bélico, agem em nome do Estado, a fim de cumprir sua missão constitucional, inclusive com o uso da força (proporcional, moderada e necessária), dessa forma, faz-se necessário a existência de mecanismos de controle rígidos, evitando-se dissidências, rebeliões, revoltas, entre outros atos de indisciplina, que venham afrontar o regime ou o Estado Democrático de Direito.

Nesse sentido, as bases fundamentais do diploma repressor castrense são a “hierarquia” e a “disciplina”, conforme podemos verificar nos arts. 42 e 142 da CF/88:

 Art. 42 Os membros das Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares, instituições organizadas com base na hierarquia e disciplina, são militares dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 18, de 1998).

[...]

Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem. (BRASIL, 1988, grifo nosso).

Portanto, dentre os bens jurídicos a serem protegidos na vida castrense, a “hierarquia” e a “disciplina” destacam-se como os de maior relevância, pois são os pilares do militarismo, assim, elevados a bem jurídico constitucionalmente tutelado. Dessa forma, esses valores sustentam a regularidade das instituições militares, isto é, das Forças Armadas (FA) e Forças Auxiliares (FAux).

Essa regularidade caracteriza-se por um modo de vida singular, com um ordenamento jurídico próprio, ao qual se submetem os militares, consubstanciando-se pelo fiel cumprimento de leis, estatutos, códigos, regulamentos, instruções, ordens de superiores (verbais ou escritas) etc., rotinas regradas, comportamento adequado..., evidenciando uma identidade coletiva:

O militar (federal ou estadual) no exercício de suas atividades constitucionais fica sujeito às leis especiais, entre elas o Código Penal Militar, o Código de Processo Penal Militar, o Estatuto dos Militares, e os regulamentos disciplinares, estaduais ou federais. O Código Penal Militar traz os crimes militares em tempo paz, e em tempo de guerra. O regulamento disciplinar é o diploma castrense que trata das transgressões disciplinares, às quais estão sujeitos os militares pela inobservância dos princípios de hierarquia, disciplina e ética. (ROSA, 2007, p. 10).

Dessa forma, além dos bens da vida, tendo em vista a missão constitucional desempenhada pelas Forças Armadas e Auxiliares, destinadas a garantir a segurança externa do Estado e a ordem interna, direta ou indiretamente, sempre estará sendo tutelada a regularidade das instituições militares, de maneira que o bem jurídico penal militar poderá ser composto, integrando-se à tutela dos direitos fundamentais.

Assim, acerca da eventual complexidade do bem jurídico penal militar, assevera Neves e Streifinger (2005, p. 16) que:

[...] qualquer que seja o bem jurídico evidentemente protegido pela norma, sempre haverá, de forma direta ou indireta, a tutela da regularidade das instituições militares, o que permite asseverar que, ao menos ela, sempre estará no escopo de proteção dos tipos penais militares, levando-nos a concluir que em alguns casos teremos um bem jurídico composto como objeto de proteção do diploma penal castrense. (NEVES; STREIFINGER, 2005, p.16).

Ainda, conforme Santos (2009), o Direito Penal Militar trata-se de uma ordem normativa especial, porque se aplica essencialmente a militares, em virtude da natureza do bem jurídico tutelado:

[...] trata-se de uma ordem normativa especial, com princípios e diretrizes próprias, na qual a maioria das disposições é aplicável somente aos militares e, excepcionalmente, a civis que cometem crimes contra as instituições militares, diferentemente do que ocorre no Direito Penal comum, em que as normas aplicam-se a todos os cidadãos, indistintamente. O Direito Penal Militar é especial não só porque se aplica, em princípio, a uma classe ou categoria de indivíduos, mas também pela natureza do bem jurídico tutelado, as instituições militares, com princípios rígidos de hierarquia e disciplina, armadas e encarregadas de cuidar da defesa territorial, da ordem interna e da segurança das pessoas, em situações adversas ou que gerem conflitos. (SANTOS, 2009, p. 19).

Todas essas peculiaridades inerentes ao DPM tornam-no, portanto, um ramo especial e autônomo do Direito que, igualmente, exige uma justiça especializada, dada a importância da missão constitucional realizada pelas FA e FAux, habituada e conhecedora das normas castrenses, da vida militar, da estrutura e funcionamento das Organizações Militares, características fundamentais para termos um julgamento isento e justo.

É necessário que os diversos fatores intrínsecos e extrínsecos (influenciadores de conduta), tais como elementos psicológicos e culturais, riscos, aspectos técnicos, operacionais, criminológicos, sejam plenamente analisados e considerados durante o processo, a fim de incutir no indivíduo o temor da pena, caso viole os limites legais, bem como garantir-lhe segurança e uma retaguarda jurídica no desempenho de suas funções, refletindo em bons serviços prestados à sociedade.

Assim, de acordo com Silva (2009):

[...] a finalidade das Justiças Militares é garantir, no âmbito de sua competência especializada, a efetiva prestação jurisdicional, com celeridade e independência, protegendo os bens jurídicos tutelados pela lei penal militar, controlando as ações e atos disciplinares, visando a manutenção da ordem, da disciplina e da hierarquia das instituições militares. (SILVA, 2009, p. 13).

Conforme veremos adiante, a Justiça Militar possui previsão expressa na Constituição Federal e competência para processar e julgar os crimes militares, próprios ou impróprios, previstos no Código Penal Militar. Divide-se em Justiça Militar Federal e Justiça Militar Estadual: a primeira, competente para processar e julgar militares (federais e estaduais) e civis; enquanto, a segunda, competente para processar e julgar os policiais militares e bombeiros militares (militares dos Estados).

Ainda, em relação à Justiça Militar Estadual, a CF/88, em seu art. 125, § 3º, autorizou a sua criação, por meio de lei estadual, mediante proposta do Tribunal de Justiça:

Art. 125. Os Estados organizarão sua Justiça, observados os princípios estabelecidos nesta Constituição.

[...]

§ 3º A lei estadual poderá criar, mediante proposta do Tribunal de Justiça, a Justiça Militar estadual, constituída, em primeiro grau, pelos juízes de direito e pelos Conselhos de Justiça e, em segundo grau, pelo próprio Tribunal de Justiça, ou por Tribunal de Justiça Militar nos Estados em que o efetivo militar seja superior a vinte mil integrantes. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004). (BRASIL, 1988, grifo nosso).

Portanto, em destaque, o segundo grau será constituído pelo “próprio Tribunal de Justiça” ou, somente nos Estados cujo efetivo militar for superior a vinte mil integrantes, “por  Tribunal de Justiça Militar”. Atualmente, embora todas as unidades da federação possuam Justiça Militar Estadual, apenas três Estados possuem Tribunal de Justiça Militar (Minas Gerais, Rio Grande do Sul e São Paulo).

Quanto ao Ministério Público, em âmbito federal, temos a previsão constitucional no art. 128, inc. I, “c”, que define um órgão próprio, especializado no DPM, “o Ministério Público Militar”, porém  nos Estados não existe a especialização do órgão, isto é, os promotores e procuradores de justiça, pertencem à carreira do Ministério Público Estadual e são designados para atuarem junto a Corte Castrense.

No DPM, o sujeito passivo de todos os crimes militares, direta ou indiretamente, será o Estado, representado pela Administração Pública Militar, Federal ou Estadual, em decorrência da relevância do bem jurídico tutelado (regularidade das instituições militares), nesse sentido, a ação penal é pública, sendo promovida, privativamente, pelo Ministério Público (Militar ou Estadual).

Em regra, a ação penal militar é pública incondicionada, contudo o CPM também prevê a possibilidade da ação penal pública condicionada, que dependerá de requisição do Ministério Militar, então “ Ministérios da Marinha de Guerra, do Exército e da Aeronáutica Militar”, atualmente, Ministério da Defesa, ou do Ministério da Justiça, nos casos expressamente estabelecidos, conforme arts. 121 e 122 do CPM c.c. art. 29 do Código de Processo Penal Militar (CPPM):

Art. 121. A ação penal sòmente [sic] pode ser promovida por denúncia do Ministério Público da Justiça Militar.

Art. 122. Nos crimes previstos nos arts. 136 a 141, a ação penal, quando o agente for militar ou assemelhado, depende da requisição do Ministério Militar a que aquêle [sic]  estiver subordinado; no caso do art. 141, quando o agente fôr [sic] civil e não houver co-autor [sic] militar, a requisição será do Ministério da Justiça. (BRASIL, 1969b).

Art. 29. A ação penal é pública e sòmente [sic] pode ser promovida por denúncia do Ministério Público Militar. (BRASIL, 1969c).

Caso o particular também figure no polo passivo, existe a possibilidade da propositura de queixa, através da “ação penal privada subsidiária da pública”, quando esta não for intentada no prazo legal, pois apesar de não prevista na legislação militar, a CF/88, em seu art. 5º, inc. LIX, não faz nenhuma distinção entre o DPC e o DPM. Se o Ministério Público não oferecer a ação no prazo estabelecido em lei, o particular ofendido ou o seu representante legal poderá fazê-lo: “LIX - será admitida ação privada nos crimes de ação pública, se esta não for intentada no prazo legal;” (BRASIL, 1988).

Destarte, por se tratar de norma constitucional de eficácia plena, nesse aspecto modificou o CPM e o CPPM, afastando a exclusividade da ação penal militar do Ministério Público no caso de inércia. Por exemplo, em um caso de homicídio, no qual os envolvidos (autor e réu) sejam militares, se o Ministério Público não propuser a ação penal no prazo previsto, a família da vítima poderá constituir um advogado para que este proceda ao oferecimento de uma queixa-crime, conforme art. 3º, “a”, do CPPM c.c. art. 30 do Código de Processo Penal Comum (CPPC):

Art. 3º Os casos omissos neste Código serão supridos:

a) pela legislação de processo penal comum, quando aplicável ao caso concreto e sem prejuízo da índole do processo penal militar; (BRASIL, 1969c).

Art. 30.  Ao ofendido ou a quem tenha qualidade para representá-lo caberá intentar a ação privada. (BRASIL, 1941).

Essa hipótese assegurada pela CF/88 permite uma efetividade à ação penal, cuja interessada também é a vítima, que pode, inclusive, recorrer à Justiça, a fim de receber uma indenização por danos morais e materiais. Além disso, o Ministério Público não perde a titularidade da ação penal, podendo a qualquer momento com fundamento nas normas processuais, aditar a queixa, repudiá-la e oferecer denúncia substitutiva (art. 29 do CPPC).

Em virtude desse regime jurídico rigoroso, cabe salientar que os institutos despenalizadores presentes na Lei 9.099/1995, têm sua aplicação expressamente proibida no âmbito da Justiça Militar, de acordo com o art. 90-A do referido diploma: “As disposições desta Lei não se aplicam no âmbito da Justiça Militar. (Artigo incluído pela Lei nº 9.839, de 27.9.1999)” (BRASIL, 1995).

A Lei nº 9.099/1995, através dos critérios processuais da oralidade, simplicidade, informalidade, economia processual e celeridade, tem como objetivo a conciliação ou a transação, sempre que possível, visando a evitar uma pena privativa de liberdade, sendo este o espírito da Lei, conforme seu art. 2º.

Dessa forma, verifica-se claramente a incompatibilidade da Lei com a Justiça Castrense, que trás em seu bojo os valores da hierarquia, disciplina e ordem, constitutivos do DPM, nesse sentido, segundo Assis (1996, p. 37-44), acerca da inaplicação das medidas despenalizadoras, depreendemos o seguinte:

a) pela leitura dos arts. 29, 31 e 33 do CPPM, a regra da ação penal militar é que ela seja    pública incondicionada, sendo incoerente a exigência de representação nas lesões culposas e nas lesões leves dolosas;

b) a suspensão condicional do processo enfraquece os valores das instituições militares na medida em que a impunidade gerada pela sua propositura certamente incentivaria a quebra da disciplina;

c) a composição civil já é um dos efeitos da sentença penal condenatória, conforme preceitua o art. 109, I, do CPM;

d) as penas restritivas de direitos e de multa, prescritas no art. 76 da Lei 9.099/1995, não possuem previsão na legislação penal castrense.

Alguns doutrinadores e juristas entendem que o art. 90-A é inconstitucional, com base no Princípio da Igualdade, estabelecido no art. 5º da CF/88, que veda a “distinção de qualquer natureza”. Logo, a norma jurídica não poderia diferenciar o indivíduo militar do civil, quando se tratam de situações idênticas, como, por exemplo, em uma operação conjunta entre a Polícia Militar e a Polícia Civil, na qual um agente militar e outro civil, ambos praticam lesão corporal dolosa leve, ao conter um cidadão agressivo. O militar responderá no CPM, enquanto o civil (caso a vítima represente) responderá no CPC. Portanto, os que seguem esse posicionamento defendem a aplicação da Lei 9.099/1995, quanto aos crimes militares impróprios.

As penas previstas no CPM são divididas em duas espécies, principais e acessórias, sendo previstas, respectivamente, nos arts. 55 e 98, in verbis:

Penas principais

Art. 55. As penas principais são:

a) morte;

b) reclusão;

c) detenção;

d) prisão;

e) impedimento;

f) suspensão do exercício do pôsto [sic], graduação, cargo ou função;

g) reforma.

Penas Acessórias

Art. 98. São penas acessórias:

I - a perda de pôsto [sic] e patente;

II - a indignidade para o oficialato;

III - a incompatibilidade com o oficialato;

IV - a exclusão das fôrças [sic] armadas;

V - a perda da função pública, ainda que eletiva;

VI - a inabilitação para o exercício de função pública;

VII - a suspensão do pátrio poder, tutela ou curatela;

VIII - a suspensão dos direitos políticos. (BRASIL, 1969b, grifo do autor).

Ademais, entre outras peculiaridades do DPM, a Lei nº 12.403/2011 somente alterou a legislação processual penal comum, quanto às medidas cautelares, não se aplicando ao DPM, a exemplo da prisão temporária (Lei nº 7.960/1989), bem como do instituto da fiança, dos quais inexiste qualquer menção no Direito Penal Castrense, não obstante, o CPPC veda expressamente sua concessão, conforme o inciso II do art. 324: “Não será, igualmente, concedida fiança: [...] II - em caso de prisão civil ou militar;” (BRASIL, 1941).

A legislação processual penal castrense prevê o instituto da “menagem” (art. 263 – 269 do CPPM), que poderá ser concedido pelo juiz, nos delitos cuja pena privativa de liberdade máxima não supere a quatro anos, consideradas a natureza do crime e os antecedentes do acusado. Consiste em uma prisão-liberdade, isto é, revela dupla natureza jurídica, pois, enquanto forma de prisão provisória (menagem-prisão), não existem os rigores do cárcere, assemelhando-se a uma prisão especial e; enquanto forma de liberdade provisória (menagem-liberdade), assemelha-se à fiança no DPC, sendo uma alternativa ao cárcere.

Diante do exposto, procurou-se apresentar um panorama geral do DPM, que embora possua um caráter especial, suas normas integram-se ao ordenamento jurídico pátrio, que deve estar em conformidade com a Carta Magna, sujeitando-se aos seus princípios fundamentais estabelecidos, dentre os quais, destacam-se os seguintes:

O Princípio da Dignidade da Pessoa Humana (inc. III do art. 1º, da CF/88), valor absoluto inerente ao ser humano, constituindo-se o princípio máximo do Estado Democrático de Direito; Princípio da Legalidade (inc. II do art. 5º, da CF/88), que visa a combater o poder arbitrário do Estado, uma vez que o cidadão somente será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa por força de normas devidamente elaboradas num processo legislativo constitucional; Princípio da Inocência (inc. LVII do art. 5º, da CF/88), que confere ao militar os mesmos direitos que são assegurados ao civil, quando é levado a julgamento perante seus pares, em decorrência da prática de ato ilícito penal, administrativo ou civil; Princípio do Contraditório e Ampla Defesa (inc. LV do art. 5º, da CF/88) e Princípio do Devido Processo Legal (inc. LIV do art. 5º, da CF/88), a respeito dos quais, Rosa (2007) afirma que:

         [...] no Direito Penal Militar, assim como no Direito Penal, ninguém pode ser condenado sem a existência de provas concretas que demonstrem a autoria e a culpabilidade. O jus libertatis é um direito fundamental do cidadão, não admitindo meras ficções para ser cerceado. A prova é feita de forma dialética, devendo existir igualdade entre defesa e acusação na busca da verdade dos fatos. No campo disciplinar, assim como ocorre no Direito Penal, vige o princípio da verdade real, e não formal, como ocorre no processo civil. (ROSA, 2007, p. 4).

2.1           

Conforme verificamos, os militares estão sujeitos a um regime jurídico peculiar,  cujos pilares fundamentais são a hierarquia e a disciplina e, exercem atividades excepcionais, elevadas a categoria de missão constitucional. Dividem-se em Forças Armadas e Forças Auxiliares, sendo Instituições permanentes e regulares, isto é, servem à Nação e integram o Estado Brasileiro, portanto, são vitalícias e essenciais à manutenção do Estado Democrático de Direito.

As Forças Armadas têm seu regime constitucional, essencialmente, previsto no Capítulo II (“Das Forças Armadas”) do Título V (“Da Defesa do Estado e Das Instituições Democráticas”), nos arts. 142 e 143 da CF/88, transcritos abaixo, sendo constituídas pela Marinha, Exército e Aeronáutica, cuja autoridade suprema é o Presidente da República. Seus membros são denominados “militares” e sua área de atuação abrange todo território nacional (além de missões no exterior), caracterizando-se, tipicamente, pela “defesa da pátria” e “garantia dos poderes constitucionais” e, atipicamente, por iniciativa de quaisquer dos poderes constitucionais, pela “garantia da lei e da ordem”:

Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem.

§ 1º Lei complementar estabelecerá as normas gerais a serem adotadas na organização, no preparo e no emprego das Forças Armadas.

§ 2º Não caberá habeas corpus em relação a punições disciplinares militares.

§ 3º Os membros das Forças Armadas são denominados militares, aplicando-se-lhes, além das que vierem a ser fixadas em lei, as seguintes disposições:

I - as patentes, com prerrogativas, direitos e deveres a elas inerentes, são conferidas pelo Presidente da República e asseguradas em plenitude aos oficiais da ativa, da reserva ou reformados, sendo-lhes privativos os títulos e postos militares e, juntamente com os demais membros, o uso dos uniformes das Forças Armadas;

II - o militar em atividade que tomar posse em cargo ou emprego público civil permanente, ressalvada a hipótese prevista no art. 37, inciso XVI, alínea "c", será transferido para a reserva, nos termos da lei;

III - o militar da ativa que, de acordo com a lei, tomar posse em cargo, emprego ou função pública civil temporária, não eletiva, ainda que da administração indireta, ressalvada a hipótese prevista no art. 37, inciso XVI, alínea "c", ficará agregado ao respectivo quadro e somente poderá, enquanto permanecer nessa situação, ser promovido por antiguidade, contando-se-lhe o tempo de serviço apenas para aquela promoção e transferência para a reserva, sendo depois de dois anos de afastamento, contínuos ou não, transferido para a reserva, nos termos da lei;

IV - ao militar são proibidas a sindicalização e a greve;

V - o militar, enquanto em serviço ativo, não pode estar filiado a partidos políticos;

VI - o oficial só perderá o posto e a patente se for julgado indigno do oficialato ou com ele incompatível, por decisão de tribunal militar de caráter permanente, em tempo de paz, ou de tribunal especial, em tempo de guerra;

VII - o oficial condenado na justiça comum ou militar a pena privativa de liberdade superior a dois anos, por sentença transitada em julgado, será submetido ao julgamento previsto no inciso anterior;

VIII - aplica-se aos militares o disposto no art. 7º, incisos VIII, XII, XVII, XVIII, XIX e XXV, e no art. 37, incisos XI, XIII, XIV e XV, bem como, na forma da lei e com prevalência da atividade militar, no art. 37, inciso XVI, alínea "c";

IX -  (Revogado pela Emenda Constitucional nº 41, de 19.12.2003)

X - a lei disporá sobre o ingresso nas Forças Armadas, os limites de idade, a estabilidade e outras condições de transferência do militar para a inatividade, os direitos, os deveres, a remuneração, as prerrogativas e outras situações especiais dos militares, consideradas as peculiaridades de suas atividades, inclusive aquelas cumpridas por força de compromissos internacionais e de guerra.

Art. 143. O serviço militar é obrigatório nos termos da lei.

§ 1º Às Forças Armadas compete, na forma da lei, atribuir serviço alternativo aos que, em tempo de paz, após alistados, alegarem imperativo de consciência, entendendo-se como tal o decorrente de crença religiosa e de convicção filosófica ou política, para se eximirem de atividades de caráter essencialmente militar.

§ 2º As mulheres e os eclesiásticos ficam isentos do serviço militar obrigatório em tempo de paz, sujeitos, porém, a outros encargos que a lei lhes atribuir. (BRASIL, 1988, grifo nosso).

Quanto às Forças Auxiliares, são constituídas pelos membros das Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios (abolidos pela CF/88), tendo como comandante supremo, de forma similar à esfera federal, o respectivo governador. Seu regime constitucional está previsto na CF/88, no art. 42, da Seção III (“Dos Militares Dos Estados, Do Distrito Federal e Dos Territórios”), do Capítulo VII (“Da Administração Pública”), do Título III (“Da Organização Do Estado”), onde são denominados “militares dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios”:

Art. 42 Os membros das Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares, instituições organizadas com base na hierarquia e disciplina, são militares dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios.

§ 1º Aplicam-se aos militares dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios, além do que vier a ser fixado em lei, as disposições do art. 14, § 8º; do art. 40, § 9º; e do art. 142, §§ 2º e 3º, cabendo a lei estadual específica dispor sobre as matérias do art. 142, § 3º, inciso X, sendo as patentes dos oficiais conferidas pelos respectivos governadores.

§ 2º Aos pensionistas dos militares dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios aplica-se o que for fixado em lei específica do respectivo ente estatal. (BRASIL, 1988, grifo nosso).

Realizam sua missão constitucional na área que compreende o ente federativo determinado (à exceção de missões específicas noutros territórios). De forma típica, quando as Polícias Militares exercem a atividade de polícia ostensiva e a preservação da ordem pública e, os Corpos de Bombeiros Militares, além das atribuições definidas em lei, as atividades de defesa civil; de forma atípica, quando convocados para incorporação, a fim de servirem junto ao Exército, conforme §§ 5º e 6º do art. 144 da CF/88:

Art. 144. A segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, através dos seguintes órgãos:

§ 5º Às polícias militares cabem a polícia ostensiva e a preservação da ordem pública; aos corpos de bombeiros militares, além das atribuições definidas em lei, incumbe a execução de atividades de defesa civil.

§ 6º As polícias militares e corpos de bombeiros militares, forças auxiliares e reserva do Exército, subordinam-se, juntamente com as polícias civis, aos Governadores dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios. (BRASIL, 1988, grifo nosso).

2.2.O crime militar pode ser analisado sob o aspecto formal, material e analítico:

a) formal: refere-se ao princípio da reserva legal, nullum crimen, nulla poena sine praevia lege (não há crime, nem pena sem lei anterior que os defina);

b) material: refere-se ao bem jurídico a ser protegido, que em se tratando de crime militar é, direta ou indiretamente, a regularidade das instituições militares;

c) analítico: Segundo a Teoria Causalista Neoclássica (Neokantista), adotada no DPM, crime militar é todo fato típico, ilícito e culpável.

Não existe uma definição legal do que venha a ser crime militar, mas sim conceitos doutrinários a respeito do tema e, por vezes, decisões jurisprudenciais contraditórias, acerca das circunstâncias decisivas para se identificar um delito militar. Segundo Toledo (1994, p. 17), o CPM “não define o que seja crime militar, nem é pacífica, entre os doutrinadores, essa conceituação, fazendo com que os estudiosos da ciência criminal adotem vários critérios para a fim de suplantar essa dificuldade”. Para Assis (2012, p. 44): “Crime militar é toda violação acentuada ao dever militar e aos valores das instituições militares”.

 A necessidade de se compreender o significado de um crime militar originou-se da Carta Magna, quando se refere a “crime propriamente militar” no inciso LXI do art. 5º, que trata da prisão, apontando essa espécie de delito, assim como a transgressão militar, como exceções à regra: “LXI - ninguém será preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada de autoridade judiciária competente, salvo nos casos de transgressão militar ou crime propriamente militar, definidos em lei;” (BRASIL, 1988). Além da CF/88, o CPC, em seu art. 64, II, quando trata da reincidência, desconsidera para tal efeito os crimes militares próprios e os políticos: “II - não se consideram os crimes militares próprios e políticos” (BRASIL, 1940).

Nesse sentido, por oposição ao crime militar próprio ou crime propriamente militar, existirá, então, o impróprio ou impropriamente militar, motivo pelo qual se faz necessário distingui-los da maneira mais clara e exata possível, assim, nas palavras de Assis (2008):

Em uma definição bem simples poderíamos dizer que crime propriamente militar é aquele que só está previsto no Código Penal Militar, e que só poderá ser cometido por militar, como aqueles contra a autoridade ou disciplina militar ou contra o serviço militar e o dever militar. Já o crime impropriamente militar está previsto ao mesmo tempo, tanto no Código Penal Militar como na legislação penal comum, ainda que de forma um pouco diversa (roubo, homicídio, estelionato, estupro, etc.) e via de regra, poderá ser cometido por civil. (ASSIS, 2008, p. 3).

Assim, crime propriamente militar é aquele somente previsto no CPM, cujo bem tutelado é, diretamente, a regularidade das instituições militares, ou seja, diz respeito ao meio militar (autoridade, dever, serviço, hierarquia, disciplina etc.), portanto, um conjunto de valores, obrigações, deveres intrínsecos ao militar, sujeito ativo essencial do tipo. Exceção aplica-se ao crime de Insubmissão, que apesar de estar previsto exclusivamente no Código Penal Militar (art.183), só pode ser cometido por civil.

Além disso, não nos esqueçamos, porém, de que no caso de bem jurídico composto, haverá uma objetividade jurídica indireta, a exemplo do art. 157 (Violência contra superior) do CPM, que apesar de tutelar em primeiro plano a autoridade e disciplina militar, indiretamente, protege também a integridade física do indivíduo.

Já o crime impropriamente militar, por afetar bens jurídicos comuns às esferas militar e civil (vida, integridade física, patrimônio etc.), tem previsão legal tanto no CPM, quanto no CPC, ainda que de maneira diversa, não importando o agente (militar ou civil), desde que atendidas determinadas condições expressas no Código Penal Castrense. Nesta espécie, para caracterização do crime militar, também se exige a efetiva ofensa à regularidade das instituições militares, contudo aqui indiretamente.

Os arts. 9° e 10 do CPM elencam as hipóteses para caracterização dos crimes militares, por meio dos critérios doutrinários ratione personae, ratione loci, ratione materiae ou ratione temporis, que apesar de não estarem expressos, analisando-se esses dispositivos, constata-se que neles estão contidos. A seguir, Assis (2008) especifica cada um deles:

O critério ratione materiae exige que se verifique a dupla qualidade militar – no ato e no agente.

São delitos militares ratione personae aqueles cujo sujeito ativo é militar, atendendo exclusivamente à qualidade militar do agente.

O critério ratione loci leva em conta o lugar do crime, bastando, portanto, que o delito ocorra em lugar sob administração militar.

São delitos militares ratione temporis os praticados em determinada época, como por exemplo, os ocorridos em tempo de guerra ou durante o período de manobras ou exercícios. (ASSIS, 2008, p. 5).

Todavia, o doutrinador assevera: “[...] a classificação do crime em militar se faz pelo critério ratione legis, ou seja, é crime militar aquele que o Código Penal Militar diz que é[...]” (ASSIS, 2008, p. 5). Em consonância, afirma Romeiro (1994, p. 66): “crime militar é o que a lei define como tal”.

Diante do exposto, para correta identificação de um crime militar, devemos responder, positivamente, todas as seguintes questões:

1º - a conduta amolda-se perfeitamente em algum tipo penal existente na Parte Especial do CPM?

2º - as circunstâncias do fato analisado encontram subsunção em alguma das hipóteses elencadas no art. 9º do CPM?

3º - considerando a inexistência de excludentes de ilicitude do fato: houve efetiva ofensa à regularidade da instituição militar considerada?

4º - a justiça militar ofendida é competente para processar e julgar o agente?

Em relação a estas duas últimas questões em destaque, importa-nos discorrer um pouco mais a respeito. Comecemos ressaltando a competência constitucional da Justiça Militar da União e dos Estados:

A Justiça Militar Federal ocupa-se em processar e julgar os crimes militares definidos em lei, independentemente do agente (militar ou civil), conforme o art. 124 da CF/88: “à Justiça Militar compete processar e julgar os crimes militares definidos em lei.” (BRASIL, 1988).

A competência da Justiça Militar estadual está descrita claramente no § 4º do art. 125 da CF/88 que, in verbis, restringe-se a processar e julgar os militares dos Estados:

§ 4º Compete à Justiça Militar estadual processar e julgar os militares dos Estados, nos crimes militares definidos em lei e as ações judiciais contra atos disciplinares militares, ressalvada a competência do júri quando a vítima for civil, cabendo ao tribunal competente decidir sobre a perda do posto e da patente dos oficiais e da graduação das praças. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004) (BRASIL, 1988, grifo nosso).

Nesse sentido, um civil que cometa um crime, em tese militar impróprio, ofensivo à regularidade de uma instituição militar estadual, será processado e julgado perante a justiça comum pelo crime comum correspondente. Por exemplo, um civil que desacata um policial militar em serviço de policiamento ostensivo, em tese, estaria cometendo o crime militar previsto no art. 299 (Desacato a militar) c.c. a alínea “d”, inc. III do art. 9º do CPM, com efetiva ofensa à administração militar estadual, no entanto, no caso concreto, em atenção ao princípio do juiz natural, a justiça militar estadual é incompetente para processar e julgar civis ou militares federais, dessa forma responderá o civil pelo respectivo crime comum de Desacato (art. 331 do CPC).

Quando a situação envolve em um polo militar federal e no outro estadual, o caso é mais complexo e merece uma análise mais cuidadosa, em virtude de uma discussão que se estabelece e, ainda hoje se tem estabelecido, quanto à exata natureza jurídica dos membros das Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares, em relação à aplicação da legislação penal militar, considerando o disposto no art. 22 (“Pessoa considerada militar”) do CPM: “É considerada militar, para efeito da aplicação dêste [sic] Código, qualquer pessoa que, em tempo de paz ou de guerra, seja incorporada às fôrças [sic] armadas, para nelas servir em pôsto [sic], graduação, ou sujeição à disciplina militar.” (BRASIL, 1969b).

Destarte, em conformidade com esse dispositivo, havia um entendimento comum, até o final da década de 90, entre o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Superior Tribunal Militar (STM), no sentido de restringir-se a aplicação do CPM aos militares estaduais, apenas interna corporis, de modo que em questões criminais envolvendo militar federal e estadual, seja no polo passivo ou ativo, este último (estadual) seria equiparado a um servidor público civil. Portanto na situação prática narrada acima, o militar federal que desacatasse o militar estadual em serviço de natureza militar, responderia perante a justiça comum.

A partir da promulgação da Emenda Constitucional nº 18, de 5 de fevereiro de 1998 (dispõe sobre o regime constitucional dos militares), que alterou o art. 42 da CF/88, – retirando os “servidores militares federais”, inserindo-os no § 3º do art. 142, com a denominação de “militares” e, por outro lado, também modificou a figura dos “servidores militares dos Estados, Territórios e Distrito Federal”, que passaram a denominar-se “militares dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios”, conforme abordado na seção anterior – o entendimento acerca do tema modificou-se, pois o conceito de “militar” ganhou amplitude constitucional, assim, existindo duas categorias distintas de militares: federal e estadual (ou distrital). Portanto, o art. 22 do CPM não foi recepcionado pela Lei Maior.

O STM, então, mudou sua visão com relação ao problema, passando também a considerar o membro das FAux como militar em sentido estrito, para efeito de aplicação da legislação penal castrense, estando no outro polo o militar das FA, logo, sendo possível a caracterização de crime militar, outrossim, na hipótese da alínea “a”, inc. II, art. 9º do CPM (ratione personae). Abaixo, transcreve-se Ementa, referente ao julgamento do Recurso Criminal (FO) nº 2002.01.007044-9-RS, na qual o STM decidiu, por maioria, dar provimento ao recurso interposto pelo Ministério Público, contra decisão de Juiz-Auditor que rejeitara denúncia em desfavor de militar federal, acusado de praticar crime militar contra militares estaduais em serviço, determinando o recebimento daquela:

Ementa: RECURSO CRIMINAL. REJEIÇÃO DA DENÚNCIA COM FUNDAMENTO NA INCOMPETÊNCIA DA JUSTIÇA MILITAR PARA JULGAR ILÍCITO PENAL PRATICADO POR SARGENTO DO EXÉRCITO CONTRA SOLDADOS E CABO DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO, EM SITUAÇÃO DE SERVIÇO. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA COMUM AFASTADA. MODIFICAÇÃO DO ENTENDIMENTO JURISPRUDENCIAL A PARTIR DA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 18, QUE DEU NOVA REDAÇÃO AO ART. 42 DA CARTA FEDERAL DE 1988.

I – A conjugação do art. 9º, inc. II, alínea ‘a’, do CPM, com os arts. 42, 125, § 4º, e 142, todos da Constituição Federal, conduz a concluir-se pela competência da Justiça Militar para processar e julgar crime militar, em tese, praticado por militar contra militar, todos em situação de atividade por definição constitucional.

II – A Constituição Federal de 1988 não recepcionou o art. 22 do CPM. Do mesmo modo, a orientação contida no enunciado da Súmula 297, do Supremo Tribunal Federal, editada em 16.12.1963, encontra-se superada ante o novo texto constitucional;

III – O crime que envolve militar federal e militar estadual desperta o interesse da União, já que a Justiça Militar Federal tutela os interesses da Federação, como a manutenção da ordem, disciplina e hierarquia nas Corporações Militares estaduais e nas FFAA.

IV – Apelo ministerial provido, por maioria. (BRASIL, 2003, p. 1).

Em oposição, o STF manteve sua ideologia de acordo com o art. 22 do CPM, não reconhecendo os militares estaduais (ou distritais), para fins de aplicação da legislação penal militar, nos termos da alínea “a”, inc. II, art. 9º do CPM (ratione personae), quando a situação envolver militar federal versus estadual, no polo passivo ou ativo, em consequência, invalidou o acórdão proferido pelo STM, determinando a imediata extinção do processo penal militar, conforme HC nº 83.003/STF, Rel. Min. Celso de Mello, de 16.08.2005 (BRASIL, 2008).

Posto isto, conclui-se que essa discussão (militar federal X militar estadual) ainda não é pacífica, entretanto, alicerçando-nos na sutil, mas profunda mudança constitucional, promovida pela EC nº 18/1998, podemos concluir, acertadamente, em favor da posição adotada pelo Egrégio STM, no que se refere ao reconhecido dos integrantes das Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares como militares em sentido estrito. Entretanto, discordemos quanto à competência da Justiça Militar da União no caso em tela, uma vez que esta não tutela a regularidade das instituições militares estaduais. Nesse sentido, assevera Assis (2012):

Em verdade, não só a condição de os agentes, ativo e passivo, serem militares, e o fato de estar previsto na legislação castrense, são suficientes para firmar a competência da Justiça Militar da União.

Há que se considerar que a Justiça Militar – tanto a estadual quanto a federal – tem em vista a natureza dos bens juridicamente tutelados.

Quem protege a instituição policial militar, nos casos em que ela é ofendida, é a Justiça Militar estadual, que tem competência restrita, somente julgando policiais e bombeiros militares. (CF, art. 125, § 4º).

A Justiça Militar da União, por sua vez, tutela as instituições das Forças Armadas, julgando os crimes contra ela cometidos e dela (Justiça Militar federal) escapando os crimes contra os valores das Corporações estaduais.

Logo, é a Justiça Comum a competente para julgar militar federal que, de folga, cometa crime contra policial militar em serviço, ou contra a instituição militar estadual, ocasião em que se coloca o agente militar federal na mesma condição do civil. (ASSIS, 2012, p. 52-53).

2.3 ASCENSÃO DA MULHER NA CARREIRA MILITAR

A Marinha foi a primeira Força militar a admitir mulheres em seus quadros, o que ocorreu no ano de 1980, a seguir, em 1981, a Força Aérea Brasileira cria o Corpo Feminino da Reserva e, somente dez anos mais trade (1991) inicia-se o ingresso de mulheres no Exército brasileiro.

Inicialmente, as atividades exercidas por essas mulheres eram tão somente de cunho administrativo, o que com o passar dos anos foi modificando-se, em decorrência de uma série de avanços sociais em favor dos direitos da mulher, especialmente quanto à igualdade de condições no mercado de trabalho. Atualmente, verifica-se, de forma crescente, a existência de mulheres nas FA ocupando cargos de comando, direção ou chefia, participando das Operações de Garantia da Lei e da Ordem, bem como integrando missões internacionais nas Forças de Paz da ONU.

Ainda, segundo Assis (2016), em relação às Polícias Militares e aos Corpos de Bombeiros Militares, esse panorama desenvolve-se de maneira semelhante. O Estado de São Paulo foi o pioneiro a empregar mulheres em sua Milícia Bandeirante, criando o Corpo de Policiamento Feminino em 1955, por ato do então Governador Jânio Quadros. Em 1979, na PM do Paraná, cria-se o Pelotão de Polícia Feminina, seguido por Minas Gerais, em 1981.

Apenas em 1984, com o advento do Decreto-lei nº 2.106/84, fundamenta-se o embasamento legal para inserção do efetivo feminino nas fileiras das Corporações militares estaduais, de acordo com a alínea “a”, § 2º, art. 8º do Decreto-lei nº 667/69 alterado, de maneira que entre o início da década de 1980 e o final da década de 1990 as demais corporações militares estaduais admitiram o ingresso de mulheres em seus quadros:

2º Os Estados, Territórios e o Distrito Federal poderão, se convier às respectivas Polícias Militares:  (Redação dada pelo Del 2.106, de 6.2.1984).

a) admitir o ingresso de pessoal feminino em seus efetivos de oficiais e praças, para atender necessidades da respectiva Corporação em atividades específicas, mediante prévia autorização do Ministério do Exército; (Redação dada pelo Del 2.106, de 6.2.1984) (BRASIL, 1969a).

Apesar desse “toque feminino” inovador, não nos olvidemos de que em uma Instituição Militar os valores morais de rigidez, ordem, hierarquia e disciplina aplicam-se a todos componentes, independentemente de gênero, assim, o diferencial em uma organização militar constitui-se por uma identidade coletiva.

Naturalmente, após a efetiva incorporação das mulheres na profissão militar, observou-se, ao longo dos anos, em virtude da convivência, um aumento das relações íntimas de afeto entre militares, das mais variadas possíveis – diferentes patentes, FA, FAux, orientações sexuais – fomentando a formação de casais, que passaram a conviver em união estável, constituindo uma família.

Nesse cenário, o casal de militares, mesmo doutrinados e submetidos a uma vida regrada, que é a da caserna, não estarão imunes a possíveis atritos e desentendimentos comuns na vida a dois. E, mais além, como seres humanos que são,  aquela pequena discussão poderá, lamentavelmente, evoluir e transformar-se em uma forma de violência doméstica e familiar, sobretudo contra a mulher, como veremos a seguir.


Autor

  • Claudio Pereira

    Oficial da Polícia Militar do Estado de São Paulo. Ex-militar das Forças Armadas. Bacharel em Direito e Especialista em Direito Civil e Processo Civil - Universidade Cidade de São Paulo. Bacharel em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública - Academia de Polícia Militar do Barro Branco. Bacharelando em Letras - Universidade de São Paulo.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor


Informações sobre o texto

Trabalho anterior às alterações promovidas no Código Penal Militar, pela Lei nº 13.491, de 13 de outubro de 2017.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria