O presente artigo tem a finalidade de ressaltar as características de especularização no caso Goleiro Bruno a partir da abordagem fática da utilização excessiva dos meios de comunicação diante dos casos criminais.

A LIBERDADE DE IMPRENSA, DIANTE DO CASO DO GOLEIRO BRUNO, CONFRONTADA COM O PRINCÍPIO DA PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA.

RESUMO

O presente artigo tem a finalidade de ressaltar as características de especularização no caso Goleiro Bruno a partir da abordagem fática da utilização excessiva dos meios de comunicação diante dos casos criminais, bem como o desrespeito à Presunção de Inocência, princípio primordial do Sistema Acusatório e sustento de todas as garantias inerentes ao acusado, haja vista, o inegável fato de que os casos criminais cobertos pela imprensa funcionam como uma espécie de espetáculo, onde o principal objetivo é atrair a massa popular e, obter lucro com a informação transmitida. Ao se refletir sobre até que ponto a linguagem jornalística é trabalhada nas reportagens e onde inicia o espetáculo jornalístico, capaz de produzir efeitos parciais nos julgamentos que tomam a linha de frente dos programas sensacionalistas, nota-se uma troca de paradigmas entre os operadores do Direito e o povo descoberto do princípio base de compreender o fato como algo que deva ser analisado metodologicamente. Para solucionar o confronto entre estes princípios, será trazida a teoria da ponderação, com o escopo de demonstrar a necessidade de se impor limites ao exercício da Liberdade de Imprensa e, assegurar a efetiva garantia da Presunção de Inocência em todo o procedimento criminal.

PALAVRAS CHAVE: Liberdade de Imprensa; Casos Criminais; Presunção de Inocência; Teoria da Ponderação.

LIBERDADE DE IMPRENSA X PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA

A imprensa constitui uma espécie de veículo de comunicação, do qual a mídia é gênero. Apresentar temas que despertem a atenção do público e que tragam informações de qualidade é um desafio constante para todos os veículos de comunicação, entretanto é necessário o discernimento e a interação dos constantes legais, antes de lançar a linha tênue entre noticiar e espetacularizar, algo que não se domina, que não se conhece em busca de uma justiça, sem respaldos no devido processo legal. Assim, a valorização de certos acontecimentos em alguns meios de comunicação faz com que se pare e pense por que dos excessos de abordagem, do sensacionalismo, de uma mídia sem limites.

Nesse sentido cabe ao jornalista e ao veículo de comunicação buscar a verdade, buscar o agente entendedor para que possa expressar a real condição do fato cometido, bem como a interpretação da lei a cerca deste. Afinal, um mesmo fato pode ser contado de diversas maneiras, com focos distintos.

Atualmente, a mídia é conhecida como “o quarto poder”, expressão trazida pelo filme: Mad  City, em alusão aos três poderes típicos de um Estado Democrático: executivo, legislativo e judiciário. Um poder que se torna jurado, advogado, acusador, formador de opinião, que condena sem ter o processo penal como base para suas exposições efêmeras.

A discussão a cerca do Caso do goleiro Bruno é um exemplo da espetucalirazação promovida por uma mídia que a todo custo quer um culpado, sem levar em conta a metodologia do ato ou sequer analisar a materialidade da existência do crime.

O caso foi e é analisado e abordado exaustivamente na mídia, com uma imprensa investigativa e opinativa acompanhando passo a passo dos acontecimentos; um agendamento midiático que, na maioria das vezes, não significou necessariamente um incremento informativo, mas colaborou para que os personagens da história fossem construídos dia a dia, na forma de heróis ou vilões.

Vários meios de comunicação noticiaram este episódio, enaltecidos de fervor, pois nele estava envolvido Bruno Fernandes das Dores de Souza, na época goleiro e capitão de um dos maiores times do Brasil, o Flamengo e prestes a ser convocado para a seleção brasileira. O ex-atleta foi acusado de com a ajuda de amigos, ser responsável pelo sumiço de sua ex-amante Eliza Samudio, com quem supostamente teria um filho cuja paternidade não teria sido assumida. Estavam reunidos todos os elementos necessários para uma prolífera midiatização do caso.

Eis que surge a colisão da atuação da imprensa com a Presunção de Inocência, apontadas na fase pré-processual, conversas sendo divulgadas como se fossem confissões, uma mídia que investigava pessoas que tornava público atos sigilosos de um processo que por vias de fato deveria ser analisado a luz dos preceitos legais e da justiça.

A consequência foi o Júri popular do goleiro e muitas mortes, júri esse que decide por sua consciência, interpretação, sobre a culpabilidade ou não do acusado de crimes dolosos contra a vida, tentados ou consumados. O fato julgado se torna parcial do clamor público, visto que cada um dos sete jurados serem pessoas do povo, muitas vezes sem qualquer conhecimento sobre a área jurídica, munidos, apenas, da sua convicção interna de o que é “certo” ou “errado” para avaliar as provas trazidas até então, munidos das informações que leram ou ouviram, da metodologia traçada pelos programas de televisão a respeito do crime cometido. Nesse julgamento prévio, existe uma tendência para a aplicação da pena privativa de liberdade, exteriorizada através de afirmações como: “o lugar desse sujeito é na cadeia”.

Os efeitos dessa espetacularização da imprensa sobre casos penais podem ser claramente notados na constância de um processo, ou, antes mesmo deste existir, quando a imprensa já apresenta um condenado para a sociedade, sem ter respaldos técnicos para tal afirmação. Nesse sentido, questiona-se a liberdade de impressa abusiva de se tornar parte em um processo legal. Não se pode esquecer que a Constituição assegura como Princípio Fundamental, que norteia o Direito Penal, o Estado de Inocência, que deve ser respeitado até que a sentença transite em julgado em última instância. Entretanto, a imprensa anula este princípio, realiza uma espécie de inversão do ônus da prova, onde o acusado  necessita provar  sua inocência, quebrando-se a regra geral do processo penal, na qual cabe à acusação o ônus da prova e pior ainda esquece-se de respaldar a consonância da existência da materialidade para que exista crime de fato.

É nesse sentido que o confronto entre a Liberdade de Imprensa e a Presunção de Inocência, se faz necessária, a fim de se estabelecer limites a esta prática.

Por fim, é de relevante interesse que se pleiteie uma imprensa que exerça sua função de forma que seus limites de acusadora e condenadora sejam freados e que o povo seja cerceado de informações técnicas e respaldadas a respeito dos fatos, que se posicionem sim, mas munidos de conhecimentos verídicos, para que a justiça seja aplicada de fato e com imparcialidade na prolatação de sentenças condenatórias ou de cunho  absolutórios com base nos preceitos do contraditório e da ampla defesa.

Sandra Mara Dobjenski

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANDRADE, Fábio Martins de. Mídia e Poder Judiciário. A influência dos Órgãos da Mídia no Processo Penal Brasileiro. São Paulo: Lúmen Júris, 2007.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Ed. Paulus. São Paulo, SP. 2003.

WEB REFERÊNCIAS

 VILLALVA, Ticiana Dantas. A Liberdade de Imprensa opressiva, diante de casos criminais, confrontada com o Princípio da Presunção de Inocência. Disponível em: http://investidura.com.br/biblioteca-juridica/artigos/direito-penal/328985-a-liberdade-de-imprensa-opressiva-diante-de-casos-criminais-confrontada-com-o-principio-da-presuncao-de-inocencia. Acesso em 26/11/17.

 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso