A personalidade é inerente a todos, desde seu nascimento, de modo que para se reconhecer a personalidade não é mister indagar do sexo, da idade ou do discernimento mental, sendo, desse modo, a qualidade do ente que se considera pessoa.

Todo ser humano é dotado de personalidade, do mesmo modo que a pessoa jurídica, sendo desde o nascimento com vida. Deveras, é importante fixar que não se deve confundir a personalidade com a pessoa, uma vez que aquela é o atributo desta.

Oportunamente destaco, em breve síntese, que os direitos da personalidade são aqueles estabelecidos, essenciais à pessoa, que a lei disciplina, a fim de resguardar a sua dignidade.

São os direitos psíquicos da personalidade: a integridade psíquica, a liberdade, a convivência, a intimidade e o sigilo.

Inicialmente, quanto ao direito à integridade psíquica, é imperioso que o direito proteja o desenvolvimento normal das faculdades mentais. Isto porque, tal proteção evita que seu titular sofra interferências irregulares ou inibitórias de sua vontade.

Explica Roberto Senise Lisboa que:

"Proibi-se, sob tal fundamento, em defesa da incolumidade ou higidez psíquica do indivíduo, a prática da tortura mental, a psicoterapia, a narcoanálise, o uso de polígrafo, a “lavagem cerebral” e as técnicas de indução de comportamento." [1]

No que se refere ao direito à liberdade a “autodeterminação de se conduzir nas relações sociais. Sua natureza é de poder, que se encontra limitado como forma de viabilização da coexistência social ordenada e harmônica” [2].

Estabeleço, aqui, os ensinamentos de Paulo Gustavo Gonet Branco:

"As liberdades são proclamadas partindo-se da perspectiva da pessoa humana como ser em busca da autorrealização, responsável pela escolha dos meios aptos para realizar as suas potencialidades." [3]

Desta feita, o Estado democrático de direito se justifica ao proteger e estimular as liberdades, através de medidas, assegurando a igualdade e prevenindo que as liberdades se tornem meramente formais.

Excepcionalmente, restringe-se o direito da liberdade corporal, em caso de guerra oficialmente declarada ou de decisão judicial que decorra do julgamento de uma prática criminosa.

Já o direito à convivência social, cuida-se de direito personalíssimo que “impede a marginalização da pessoa em uma comunidade, sem conferir-lhe qualquer relacionamento de comunicação pessoal”. [4]

Destarte, tal direito tem forte ligação com o direito à liberdade e igualdade, constitucionalmente previstos, na medida em que o sujeito titular do direito personalíssimo tem livre escolha a escolher seu meio social, incumbindo ao poder público adotar políticas de integração comunitária, viabilizando a convivência social da pessoa com os demais, observando suas qualidades pessoais.

No tocante ao direito à intimidade, entende-se como o direito personalíssimo que visa a proteção da privacidade da pessoa, tendo, de modo geral, como característica básica a pretensão de estar só, mantendo-se livre da observação de outras pessoas. Num sentido mais estrito, “conduz à pretensão do indivíduo de não ser foco da observação por terceiros, de não ter os seus assuntos, informações pessoais e características particulares expostas a terceiros ou ao público em geral.” [5]

Nesse sentido explica Roberto Senise Lisboa:

"O direito à intimidade, também conhecido como direito ao reguardo, possui como característica básica a não exposição de elementos ou informações da esfera íntima ou reservada do seu titular." [6]

O Código Civil estabelece no art. 21 que a vida privada das pessoas é inviolável, in verbis:

“Art. 21. A vida privada da pessoa natural é inviolável, e o juiz, a requerimento do interessado, adotará as providências necessárias para impedir ou fazer cessar ato contrário a esta norma.” [7]

Desse modo, o direito visa a resguardar o direito das pessoas de interferências indevidas em sua vida particular, desde questões do seio familiar até sua economia, dentre outros. Faz-se salutar que, tal dispositivo encontra consonância com o disposto no art. 5º, X, da Constituição federal, ao qual protege todos os aspectos da intimidade da pessoa, “concedendo ao prejudicado a prerrogativa de pleitear que cesse o ao abusivo ou ilegal”. [8]

direito ao sigilo cuida-se do direito personalíssimo que visa à proteção das informações que o titular pretende manter sem quaisquer divulgações, perante aquele que as obteve diretamente ou de pessoa autorizada por ele. Assim, “aquele que detém a informação de interesse personalíssimo do titular assume a obrigação de se abster de divulgá-las a terceiros.” [9]

Aqui, é evidente o Código de Ética Médica, em seus arts. 73 a 79, a vedação dada ao profissional da saúde quanto divulgação das informações daquele que esta sob tratamento a terceiros.

No entanto, tal sigilo não se restringe apenas aos profissionais da área da saúde, como também se estende a toda atividade profissional que dela possa se ter informações sigilosas de outrem.

E ainda, o direito também protege o sigilo pessoal, que independe da relação jurídica de confidente, bem como o sigilo comercial, que decorre do conteúdo dos livros mercantis, que, em caráter excepcional, pode ser quebrado através de determinação fiscal ou judicial.

Assim, os direitos psíquicos da personalidade visam à proteção ao desenvolvimento ordinário das faculdades mentais da pessoa, sendo assegurados à criança e ao adolescente a dignidade, o respeito e a liberdade.

 

  • [1] LISBOA, Roberto Senise. Manual de Direito Civil. Teoria Geral do Direito Civil. v. 1. 8. ed., São Paulo: Saraiva, 2013, p. 230.
  • [2] LISBOA, Roberto Senise. Manual de Direito Civil. Teoria Geral do Direito Civil. v. 1. 8. ed., São Paulo: Saraiva, 2013, p. 230.
  • [3] MENDES, Gilmar Ferreira; BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de Direito Constitucional. 9. ed., São Paulo: Saraiva, 2014, p.271.
  • [4] LISBOA, Roberto Senise. Manual de Direito Civil. Teoria Geral do Direito Civil. v. 1. 8. ed., São Paulo: Saraiva, 2013, p. 231.
  • [5] MENDES, Gilmar Ferreira; BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de Direito Constitucional. 9. ed., São Paulo: Saraiva, 2014, p.284.
  • [6] LISBOA, Roberto Senise. Manual de Direito Civil. Teoria Geral do Direito Civil. v. 1. 8. ed., São Paulo: Saraiva, 2013, p. 232.
  • [7] BRASIL. Código Civil. ed. especial. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2016.
  • [8] GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro. v. 1. 10. ed., São Paulo: Saraiva, 2012, p. 141.
  • [9] LISBOA, Roberto Senise. Manual de Direito Civil. Teoria Geral do Direito Civil. v. 1. 8. ed., São Paulo: Saraiva, 2013, p. 232.

Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria