O presente artigo discute a recente decisão do STJ que considerou o valor máximo de vinte mil reais para incidência do princípio do descaminho nos casos de crimes tributários federais e de descaminho.

Novo entendimento do STJ na aplicação do princípio da insignificância no crime de descaminho e crimes tributários federais.

A Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), por maioria dos votos, decidiu revisar o Tema 157 dos recursos repetitivos e fixou em R$ 20.000,00 (vinte mil reais) o valor máximo para incidência do princípio da insignificância nos casos de crimes tributários federais e de descaminho.

Pontua-se que, a revisão do tema tornou-se necessária, haja vista que o Supremo Tribunal Federal (STF) já tinha alterado o valor máximo para aplicação do princípio da insignificância considerando os novos parâmetros fixados pelas Portarias 75 e 130 do Ministério da Fazenda.

A Lei nº 10.522/2002 no seu art. 20 estabeleceu o arquivamento das execuções fiscais cujo valor fosse igual ou inferior a R$ 10.000,00 (dez mil reais), ou seja, os débitos inscritos na Dívida Ativa da União que não ultrapassassem dez mil reais não seriam executados. Portanto, os Tribunais Superiores entenderam que se a pessoa não seria cobrado judicialmente para recolher o tributo, não seria razoável processá-lo criminalmente.

Nessa diapasão, o Ministério da Fazenda públicou a Portaria MF nº 75, de 29/03/2012, na qual determinou, em seu art. 1º, inciso II, “o não ajuizamento de execuções fiscais de débitos com a Fazenda Nacional, cujo valor consolidado seja igual ou inferior a R$ 20.000,00 (vinte mil reais).” Portanto, o Poder Executivo majorou o valor considerado insignificante de dez mil reais para vinte mil reais, deixando de ajuizar execuções fiscais para débitos inferiores a tal montante.

Após o reajuste do valor considerado insignificante para Fazenda Nacional, o STF passou a acolher a tese da aplicação do princípio da insignificância nos tributos sonegados até ou inferior a 20 mil reais, conforme precedentes no HC 120617, HC 120620/RS e HC 121322/PR. Apesar da Suprema Corte ter modificado seu entendimento, o STJ continuava aplicando o princípio da insignificância apenas nos casos de impostos federais sonegados até 10 mil reais sob o fundamento que a autoridade fazendária não teria competência para determinar o que deve ser objeto de execução fiscal e o exercício da jurisdição penal, e da impossibilidade de majorar o parâmetro previsto no art. 20 da Lei nº 10.522/2002 por meio de uma portaria do Ministro da Fazenda. Ademais, a portaria emanada do Poder Executivo não possui força normativa passível de revogar ou modificar lei em sentido estrito, conforme alguns julgados: AgRg no AREsp 331.852/PR, AgRg no AREsp 303.906/RS.

É preciso deixar claro que a Lei 10.522/2002 trata apenas de tributos federais, logo crimes de sonegação fiscal que envolvam tributos estaduais ou municipais é preciso analisar se na legislação do ente público respectivo há previsão acerca do não ajuizamento de execução fiscal considerando determinado montante sonegado.

Para concluir, a Terceira Seção do STJ, por sua maioria, entendeu que incide o princípio da insignificância aos crimes tributários federais e de descaminho quando o débito tributário verificado não ultrapassar o limite de R$ 20.000,00 (vinte mil reais), a teor do disposto no art. 20 da Lei n. 10.522/2002, com as atualizações efetivadas pelas Portarias n. 75 e 130, ambas do Ministério da Fazenda. Dessa forma, o entedimento do Supremo Tribunal Federal e Superior Tribunal de Justiça estão em sintonia prevendo o limite para acolhimento do principio da insignificância o valor até vinte mil reais atinente aos crimes tributários federais e de descaminho.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0