A propaganda de empresas nocivas que prestam serviços advocatícios, sejam com advogados terceirizados ou através de vínculo efetivo de emprego, é proibida pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que impede a adoção de denominação fantasia e utilização de propaganda para a captação de clientes.

A propaganda de empresas nocivas que prestam serviços advocatícios, sejam com advogados terceirizados ou através de vínculo efetivo de emprego, é proibida pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

A proibição está contida no Artigo 16 do Estatuto da Ordem que determina que “não são admitidas a registro, nem podem funcionar, as sociedades de advogados que apresentem forma ou características mercantis, que adotem denominação de fantasia, que realizem atividades estranhas à advocacia, que incluam sócio não inscrito como advogado ou totalmente proibido de advogar”.

Entretanto, diversas empresas localizadas na região metropolitana de Campinas utilizam-se de nomes disfarçados e fazem uso da propaganda e marketing nos meios impressos e emissoras de rádio e televisão para atrair e captar clientes, oferecendo serviços privativos de advogado.

Em recente decisão, o Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5) suspendeu a veiculação de qualquer propaganda de serviços prestados por advogados. A sentença foi proferida no dia 28 de abril de 2015 em uma ação civil pública contra uma empresa de Alagoas que presta serviços de ações revisionais.

De acordo com o relator do processo, desembargador Manoel de Oliveira Erhardt, “os fatos apresentados demonstram a existência de indícios suficientes para configurar a necessidade de se suspender a veiculação de tal propaganda, de maneira a evitar que haja lesão a direitos dos consumidores e dos advogados”.

Para o advogado Renato Savy, proprietário do escritório Ferraz Sampaio Consultoria e Assessoria Jurídica, a decisão do TRF-5 deve valer para que a Ordem dos Advogados do Brasil fique mais atenta e tome as medidas necessárias para impedir a ilegalidade praticada por essas empresas que estão espalhadas por todo o país e que, através da utilização de nomes mercadológicos, oferecem serviços exclusivos de advogado.


Autor

  • Renato Savy

    Advogado formado pela Universidade São Francisco. Pós-graduado em Direito do Trabalho e Processo do Trabalho pela Metrocamp; e em Direito Civil e Processo Civil na Escola Superior de Direito - Proordem.<br>Mestrado em Direito na Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep).<br>Titular do escritório Ferraz Sampaio, em Campinas/SP

    Textos publicados pelo autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria