Conclusão

Conjugando o princípio da função social do processo com o ativismo judicial, percebe-se que o magistrado recebe verdadeiro instrumento proativo, com capacidade efetiva de concretizar a função social do processo civil e, via de conseqüência, concretizando a efetividade das garantias fundamentais constitucionais.

O juiz já pode optar – e assim desejável é que proceda – por não mais ficar adstrito ao formalismo da norma, podendo – e devendo, crêem os autores – adentrar ao conteúdo material, perseguindo o objetivo, a finalidade do dispositivo de lei, dando corpo à sua decisão, de forma a contemplar o intuito primordial do legislador.

A norma não mais se apresenta imutável, ela sofre alterações, seja na sua interpretação, na sua aplicação, ou ainda, em sua adequação ao conteúdo principiológico constitucional.

A função social do processo também se constrói por meio do ativismo judicial, desde que este não se furte aos princípios constitucionais que devem lhe dar sustentação.

Portanto, não só é possível como também é finalidade do ativismo judicial buscar a função social do processo, e ainda dando pacífico atendimento à legitimidade democrática.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BARROZO, Luiz Roberto. Judicialização, Ativismo Judicial e Legitimidade Democrática. Revista nº 04 da Ordem dos Advogados do Brasil. Janeiro/Fevereiro de 2009, disponível em http://www.oab.org.br/oabeditora/users/revista/1235066670174218181901.pdf, acessado em 20 de agosto de 2010.

BOBBIO, Norberto. Da estrutura à função: novos estudos da teoria do direito. Tradução de Danieal Beccacia Versiani; revisão técnica de Orlando Seixas Barbosa e Renata Nagamine. – Barueri, SP, Manole, 2007.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. AgRg no Ag 1225829/PR, Rel. Ministro LUIZ FUX, PRIMEIRA TURMA, julgado em 11/05/2010, DJe 24/05/2010.

CAMBI, Eduardo. Função Social do Processo Civil. Tutela Jurisdicional Coletiva. Coordenadores Fredie Didier Jr. e José Henrique Mouta, editora Jus Podivm, Salvador, 2009.

CAPELLETTI, Mauro. Juízes Legisladores?, Trad. Carlos Alberto A de Oliveira, Sérgio Antônio Fabris Editor, Porto Alegre, 1999.

CARVALHO, AMILTON BUENO DE. Teoria e Prática do Direito Alternativo. Porto Alegre : Síntese Editora, 1998. 8.5 –

__________. Direito Alternativo na Jurisprudência. São Paulo : Editora Acadêmica, 1993

COELHO, Inocêncio Mártires. Repensando a interpretação constitucional. Revista Diálogo Jurídico, Ano I, Vol. I, nº 05, Salvador-BA, disponível em http://www.direitopublico.com.br/pdf_5/DIALOGO-JURIDICO-05-AGOSTO-2001-INOCENCIO-MARTIRES-COELHO.pdf; acesso 20 de agosto de 2010

DELGADO, José Augusto. Ativismo Judicial. O papel político do poder judiciário na sociedade contemporânea, in Processo Civil Novas Tendências: estudos em homenagem ao Professor Humberto Theodoro Júnior. Belo Horizonte, Del Rey, 2008;

DWORKIN, Ronald. O Império do Direito. São Paulo : Livraria Martins Fontes. 1999.

JORGE Junior, Alberto Gasson. Cláusulas Gerais no novo Código Civil (Coleção professor Agostinho Alvim/ Coordenação Renan Lotufo). São Paulo . Saraiva, 2004

KELSEN, Hans. Teoria pura do direito; tradução João Baptista Machado. 7ª Edição. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

LEITE, Gueiros Evandro. Ativismo Judicial. Disponível em: http://bdjur.stj.gov.br/xmlui/bitstream/handle/2011/16980/Ativismo_Judicial.pdf?sequence=1. Acesso em: 20 de agosto de 2010.

LORENZETTI, Ricardo Luis. Teoria da Decisão Judicial, Fundamentos de Direito, Tradução Bruno Miragem e Notas e Claudia Lima Marques, Editora Revista dos Tribunais, São Paulo, 2009;

MOREIRA, José Carlos Barbosa. La igualdad de las partes em el processo civil. Temas de Direito processual; quarta série. São Paulo: Saraiva, 1989.

MÜLLER, Friedrich. O novo paradigma do direito: introdução à teoria e metódica estruturantes. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2007;

PARODI, Ana Cecília de Paula-Soares. Função Social da responsabilização civil consumerista e desenvolvimento sustentável; Dissertação de Mestrado – Pontifícia Universidade Católica do Paraná, orientador Carlyle Popp; co-orientadora, Fabiane Lopes Bueno Netto Bessa. 2009. Disponível em: http://www.biblioteca.pucpr.br/tede/tde_arquivos/1/TDE-2009-05-13T122822Z-1143/Publico/Ana%20Cecilia.pdf. Acesso em: 20 de agosto de 2010.

PASSOS, J. J. Calmon de. Função social do processo. Disponível em: http://jus.com.br/revista/texto/3198. Acesso em: 20 de agosto de 2010.

POPP, Carlyle. Responsabilidade civil pré-negocial: o rompimento das tratativas. 2. ed. Curitiba: Juruá, 2002.

_____. Liberdade negocial e dignidade da pessoa humana: Aspectos relevantes. In: Paulo Nalin e Guilherme Vianna. (Org.). Direito em Movimento. Curitiba: Juruá, 2006.


Notas

  1. As cláusulas abertas consistem em técnica legiferante similar à das "normas penais em branco", sendo instrumento relevante para a democracia e para a manutenção de um refrigerado Direito aplicado. De acordo com Alberto Gasson Jorge Junior (2004, p. 10): "Transitando entre a generalidade, a vagueza e os valores, inseridas numa roupagem de proposição prescritiva escrita, as cláusulas gerais afirmam o objetivo de dotar o sistema de normas com características de mobilidade, que propiciem abertura ao ordenamento jurídico, evitando-se a tensão entre preceitos normativos rígidos e valores em mutação a implicar um indesejável mal-estar decorrente de um embate sem solução sistêmica. Seria, ademais, o alto teor valorativo nas cláusulas gerais o elemento caracteristicamente diferenciador destas normas perante o ordenamento jurídico, o nódulo essencial que faria com que as cláusulas gerais fossem aquilo que são".
  2. LEITE, Gueiros Evandro. Ativismo Judicial. Disponível em: http://bdjur.stj.gov.br/xmlui/bitstream/handle/2011/16980/Ativismo_Judicial.pdf?sequence=1. Acesso em: 20 de agosto de 2010.
  3. Acerca do ativismo judicial, no âmbito histórico, leia-se: "As origens do ativismo judicial remontam à jurisprudência norte-americana. Registre-se que o ativismo foi, em um primeiro momento, de natureza conservadora. Foi na atuação proativa da Suprema Corte que os setores mais reacionários encontraram amparo para a segregação racial (Dred Scott v. Sanford, 1857) e para a invalidação das leis sociais em geral (Era Lochner, 1905-1937), culminando no confronto entre o Presidente Roosevelt e a Corte, com a mudança da orientação jurisprudencial contrária ao intervencionismo estatal (West Coast v. Parrish, 1937). A situação se inverteu completamente a partir da década de 50, quando a Suprema Corte, sob a presidência de Warren (1953-1969) e nos primeiros anos da Corte Burger (até 1973), produziu jurisprudência progressista em matéria de direitos fundamentais, sobretudo envolvendo negros (Brown v. Board of Education, 1954), acusados em processo criminal (Miranda v. Arizona, 1966) e mulheres (Richardson v. Frontiero, 1973), assim como no tocante ao direito de privacidade (Griswold v. Connecticut, 1965) e de interrupção da gestação (Roe v. Wade, 1973) (BARROSO, 2009, p. 7)".
  4. De acordo com Amilton Bueno de Carvalho (apudDiniz, 1998:141), "direito alternativo é o movimento voltado à busca de um instrumental prático-teórico a ser utilizado pelos aplicadores do direito, que visam colocar seu saber ou sua atuação sob a perspectiva de uma sociedade democrática, libertando-a da dominação injusta".
  5. COELHO, Inocêncio Mártires. Repensando a interpretação constitucional. Revista Diálogo Jurídico, Ano I, Vol. I, nº 05, Salvador-BA, disponível em http://www.direitopublico.com.br/pdf_5/DIALOGO-JURIDICO-05-AGOSTO-2001-INOCENCIO-MARTIRES-COELHO.pdf
  6. PASSOS, J. J. Calmon de. Função social do processo. Disponível em: http://jus.com.br/revista/texto/3198. Acesso em: 20 de agosto de 2010.
  7. Em livre tradução: Sem embargo, a experiência histórica mostra quão ilusório se mostra a proclamação solene da igualdade em abstrato. Hoje é uma verdade corrente a distinção entre a igualdade de direitos e deveres conferidos pelo texto legal aos membros da comunidade e a igualdade material, que leva em conta as condições específicas em que, hic et nunc, se exercem os direitos e se cumprem os deveres. Em muitas legislações modernas, com o objetivo de promover a igualdade material se serve de exceções impostas à igualdade formal. Isto é evidente em algumas regras conhecidas para proteger interesses de certas pessoas, em razão de sua posição econômica ou social, corre o risco de um tratamento injusto (trabalhadores, inquilinos, etc).
  8. Art. 593. Considera-se em fraude de execução a alienação ou oneração de bens: I - quando sobre eles pender ação fundada em direito real; II - quando, ao tempo da alienação ou oneração, corria contra o devedor demanda capaz de reduzi-lo à insolvência; III - nos demais casos expressos em lei.

Autores

  • Neimar Batista

    Neimar Batista

    Advogado, Graduado em Direito Pela PUC-PR; Especialista em Direito Processual Civil pelo IBEJ-PR; Especialista em Direito Civil Empresarial pela PUC-PR; Mestrando em Direito Empresarial pela UNICURITIBA

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor

  • Ana Cecília Parodi

    Ana Cecília Parodi

    Mestre em Direito Econômico e Socioambiental (PUCPR). Especialista em Direito Civil e Empresarial (PUCPR). Especialista em Direito Aplicado (Escola da Magistratura do Paraná). Advogada. Conferencista. Professora, com atuação precípua em cursos de pós-graduação no âmbito nacional; líder II do Projeto de Pesquisa CAPES

    "Livre Iniciativa e Dignidade Humana - Ano III"; editora científica da Revista Diálogos pelo Desenvolvimento; co-editora da coluna jurídica "Livre Iniciativa e Dignidade Humana" do Jornal O Estado do Paraná. Autora de diversas obras jurídicas.

    Textos publicados pela autora

    Fale com a autora


Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2018 ABNT)

BATISTA, Neimar; PARODI, Ana Cecília. O ativismo judicial como meio para efetivação da função social do processo. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 16, n. 2778, 8 fev. 2011. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/18428. Acesso em: 5 dez. 2020.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso