A transferência do processo de habilitação terrestre é possível, contudo, em alguns casos, há cobrança de multa contratual. Este artigo demonstra que nem sempre a multa contratual pode ser aplicada.

O processo para obtenção da habilitação de trânsito terrestre tem duração de doze meses (resolução, consolidada, nº 168, do CONTRAN).

Quando é possível a transferência do processo de habilitação?

"Art. 28. O candidato a ACC e a CNH, cadastrado no RENACH, que transferir seu domicilio ou residência para outra Unidade da Federação, terá assegurado o seu direito de continuar o processo de habilitação na Unidade da Federação do seu novo domicílio ou residência, sem prejuízo dos exames nos quais tenha sido aprovado". (Resolução número 168, do CONTRAN)

Pelo artigo 28 é possível fazer a transferência do processo de obtenção da CNH quando da mudança de Unidade de Federação, ou seja, o aluno, por quaisquer motivos, pode escolher outra autoescola que queira ingressar. Contudo, mesmo que seja para a mesma Unidade da Federação é possível fazer transferência.
Multa contratual

A multa contratual tem sido prática usual em muitos estabelecimentos de ensino. Em geral, as decisões dos tribunais consideram abusivas as multas contratuais acima de 20% (vinte por cento).

E quais são os casos possíveis em que a multa contratual pode não ser aplicada?

1) Má prestação de serviço - Na má prestação de serviço podemos destacar: a) Instrutores de trânsito - sem qualificação profissional, ou seja, má didática para ensinar os alunos - que pode ser má vontade, desconhecimento de matéria (s), exclusivismo para ensinar certos alunos, faltas constantes ou atrasos para começar a (s) aula (s);

2) Propaganda enganosa - Tudo é passado ao consumidor de forma que se sinta no paraíso, mas, quando começam as aulas, o aluno se depara com outra realidade: vídeo aula de má qualidade (som e/ou imagem nos quais não dá para ouvir ou ver as imagens perfeitamente); veículos constantemente com defeitos, que provocam retardamento no planejamento do aluno quanto ao processo e obtenção da habilitação; material didático desatualizado ou com erros quanto às leis de trânsito; superlotação nas salas de aulas; cadeiras em má estado de conservação, que possam acarretar acidentes; iluminação ambiente fraca; salas cujas temperaturas podem ser excessivamente frias ou quentes. Nos casos acima, pelos artigos 20 e 35, todos do CDC, o consumidor pode reincidir o contrato sem pagar a multa contratual.

Como visto acima, a multa contratual não se aplica quando há culpa do fornecedor de serviço. Bem diferente, quando o aluno reincide o contrato sem qualquer justificativa concreta para anulação da multa contratual.

Importante ressaltar que, na maioria dos casos, a multa contratual é omitida aos consumidores. No ato da contratação de serviço, o fornecedor não menciona sobre a multa contratual ao consumidor. É direito de o consumidor saber, antecipadamente, antes de assinar o contrato de adesão e no ato de matrícula (mais sensato, pois mostra a boa-fé do curso ao consumidor), sobre taxas, tarifas, multa contratual, juros e mora quando em atraso de pagamento ou qualquer informação relevante ao consumidor. A multa contratual, por exemplo, é informação relevante ao consumidor, pois, quando ciente do fato, dificilmente logo assinaria qualquer contrato, sem antes verificar as reais possibilidades, econômicas, para suportar encargos futuros advindo da multa contratual.

O ilustre Rizzato Nunes (2011. P. 555) demonstra o que essencial na informação ao consumidor:

“Constrói-se um conceito de essencial naquilo que importa à publicidade. E, nessa linha, é de dizer que essencial será aquela informação ou dado cuja ausência influencie o consumidor na sua decisão de comprar, bem como não gere um conhecimento adequado do uso e consumo do produto ou serviço 'realmente', tal como são".

No próprio CDC é possível constatar a importância e responsabilidade do fornecedor de serviço pelas informações precisas ao consumidor:

“Art. 31. A oferta e apresentação de produtos ou serviços devem assegurar informações corretas, claras, precisas, ostensivas e em língua portuguesa sobre suas características, qualidades, quantidade, composição, preço, garantia, prazos de validade e origem, entre outros dados, bem como sobre os riscos que apresentam à saúde e segurança dos consumidores”.

A omissão de informação ao consumidor é considerada publicidade enganosa ou abusiva. Como se depreende no artigo 37, do CDC:

§ 1" É enganosa qualquer modalidade de informação ou comunicação de caráter publicitário, inteira ou parcialmente falsa, ou, por qualquer outro modo, mesmo por omissão, capaz de induzir em erro o consumidor a respeito da natureza, características, qualidade, quantidade, propriedades, origem, preço e quaisquer outros dados sobre produtos e serviços".


Autor


Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2002 ABNT)

HENRIQUE, Sérgio Henrique da Silva Pereira. Transferência do processo de habilitação e multa contratual. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 19, n. 4057, 10 ago. 2014. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/29220>. Acesso em: 21 fev. 2018.

Comentários

19

  • 0

    antonia sales

    estou tendo problemas com a auto escola. o dodo e o instrutor, ele e muito ignorante e fica me tratando mal, alem disso o carro e muito ruim. queria saber se ele deve me devolver uma parte do dinheiro que já paguei, pois não peguei todas as aulas.

  • 0

    André Sales Mota

    Pode me ajudar?Eu vou mudar de estado.Estou ciente de entrar em contato com o Detran de cidade onde resíduo para a cidade onde vou morar,porém tenho dúvidas sobre os valores,pois paguei a carteira a vista.Vou ter que pagar tudo de novo?Como proceder?

  • 0

    Eliane Reis Rios

    Contratei uma auto escola que após o cadastro no Detran me encaminhou para o CFC, nesse, o professor é mal educado, fala palavrões e frases preconceituosas a respeito de pedestre e caminhoneiros. Faz brincadeirinha com todos, mas ao ser questionado, abusa de autoridade. Me chamou fora da sala para dizer que se eu não estiver gostando das aulas e metodologia dele, que mude de turma.
    Quero mudar de escola não de turma.
    Procurei a auto escola para falar do assunto e falaram que iriam se informar e retornariam até hoje espero.
    Talvez os donos do CFC ou da Auto Escola, são também funcionários no Detran, senão, eles não tratariam os clientes/alunos com tanta má vontade.
    Também fui ameaçada quando o professor e um "cara que aplica prova no Detran" (foi assim que foi identificado) falaram: "sabe porque tartaruga vive 200 anos? porque não cuida da vida dos outros" ou "minha vó já dizia: CUIDA DA SUA VIDA".
    Cheguei atrasada em uma aula (marcada para as 19Hs, mas que só começam as 19:40Hs 20:00Hs), e fui impedida de assistir a aula, o professor disse, ainda na recepção, que eu não poderia assistir a aula, pois já tinha fechado o sistema da biometria. mas e por que as aulas não começam no horário? ou porquer o contrato omite essa tolerância da biometria? a recepcionista disse que eu procurasse meus "direitos" e que voltasse lá para pagar outra taxa da aula e a fizesse.
    Gente, o que devo fazer?

  • 0

    Renato Ferreira

    Boa Tarde, se a transferência for por causa da demora que está prejudicando o tempo da pessoa e que precisa também por questões de saúde, poderá ser cobrada a multa?

  • 0

    Rogerio Fla

    boa noite
    a autoescola que eu estava fazendo o processo de habilitaçao a policia fechou e agora transferiram para outra autoescola mais na outro falaram que nois nao vamos fazer aula de direcao .que para fazer temos que paga extra ta certo.

Veja todos os comentários

Livraria