Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

Artigo

O delegado jurista: implicações e inovações decorrentes da Lei nº 12.830/2013

Defende-se a evolução do cargo de Delegado de Polícia, entendendo que o Delegado Jurista é aquele que exerce suas atribuições consciente de sua condição de servidor público, com experiência na militância da advocacia e defensor da ConstituiçãodaRepública.

 

A sociedade e suas demandas atuais exigem a transformação / evolução do cargo de delegado federal a fim de conferir maior tecnicidade jurista aos que exercerem tal múnus, bem como a consciência inafastável de sua condição de servidor público, cujo norte para guiar sua postura deve ser sempre o interesse público, o bem comum e a defesa inabalável da Constituição Federal.

O Delegado Jurista é a união do advogado, cujo dever maior é promover a defesa da Constituição, sendo esse essencial à administração da Justiça, nos termos do artigo 133 da CR de 1988, com o delegado técnico e consciente de sua condição de servidor público que tem o dever de promover a segurança pública e a defesa da sociedade, nos termos do artigo 144 da Constituição Federal.

Mas porque dizer que o Delegado Jurista seria a junção / a soma do delegado ao advogado?

É notório e expressamente exigido nos Editais que regulam os respectivos certames que para tomar posse e exercer o cargo de juiz (magistrado) ou membro do ministério público, após a devida aprovação em concurso público, o candidato deverá ter preenchido o requisito essencial de ter exercido a advocacia e ter sua regular inscrição na Ordem dos Advogados do Brasil pelo prazo de 03 (três) anos.

Assim, entendo que a advocacia é o início, o meio e o fim do jurista, seja qual for a sua especificidade ou modalidade, consultiva ou contenciosa. Acredito e defendo que esse requisito de ter exercido 03 (três) anos de advocacia deveria e provavelmente será aplicado aos concursos de delegado, é uma consequencia inevitável.

Assim, tal evolução do cargo de delegado exige novas armas. Exige-se, portanto, a paridade de armas, sendo uma delas a necessidade de conferir ao Delegado de Polícia Federal a garantia da independência funcional, o que foi instrumentalizado no Projeto de Emenda constitucional nº 293/2008, atualmente em trâmite perante a Câmara dos Deputados Federais, como adiante será exposto.

A Lei nº 12.830, de 20 de junho de 2013, conforme ensinamento do professor Elster Lamoia de Moraes[1], em seu artigo 2º[2], determinou que as funções de polícia judiciária e apuração de infrações penais exercidas pelo delegado de polícia são de natureza jurídica, essências e exclusivas de Estado.

Outrossim, a Lei nº 12.830/13, em seu artigo 2º, §5º, garantiu a remoção do Delegado dar-se-á apenas por ato fundamentado. O §6º determinou que o indiciamento será por ato privativo do Delegado mediante análise técnico-jurídico. Tais inovação são positivas, mas não são suficientes.

O artigo 2º de forma expressa que atividade em comento é essencial ao Estado, assim como o Ministério Público e a Defensoria Pública, nos termos dos artigos 127 a 135 da Constituição da República.

O Artigo 3º da mesma Lei nº 12.830/13 determinou que o cargo de delegado de polícia é privativo de bacharel em Direito, devendo-lhe ser dispensado o mesmo tratamento protocolar que recebem os magistrados, os membros da Defensoria Pública e do Ministério Público e os advogados.

Tratamento protocolar são as formalidades adotadas em atos oficiais e solenidades. A maquina legislativa federal não seria utilizada tão somente para assegurar que os Delegados recebessem em suas correspondências e expedientes a estes dirigidos o tratamento pronominal de Vossa Excelência. Entendo que o legislador quis e foi além disso, conferiu e assegurou aos Delegados garantias para o desempenho de suas atividades equivalentes aos dos magistrados, membros do ministério público, defensores públicos e advogados.

 Em relação ao presente, cabe colacionar as palavras do mencionado professor Elster Lamioa de Moraes:

Interpretendo-se de forma sistêmica os artigos 2º e 3º da Lei nº 12.830/2013, podemos concluir que a expressão “tratamento protocolar”, mais do que uma remissão ao pronome de tratamento que deve ser utilizado nos documentos e correspondências dirigidos aos Delegados de Polícia, busca nortear a forma como devem ser tratadas tais autoridades em outros atos oficiais ou solenes relativos às funções por eles desempenhadas, tendo como parâmetro a legislação relativa aos magistrados, promotores, defensores públicos e advogados.

Nesse diapasão, no que tange à convocação dos Delegados de Polícia para testemunhar em processos criminais, processos cíveis ou em outros processos ou procedimentos administrativos, deverá o juiz ou autoridade administrativa competente consultar os Delegados de Polícia previamente sobre o dia, hora e local em que poderão ser ouvidos (art. 33, I, da LC nº 35/79; art. 40, I, da Lei nº 8.625/93 e art. 44, XIV, da LC nº 80/94).

(...)

Não bastasse isso, é assegurado ao Delegado de Polícia o direito de utilizar privativamente as insígnias e símbolos privativos do seu cargo (art. 41, X, da Lei nº 8.625/93xii; art. 44, IV, da LC nº 80/94xiii e art. 7º, XVIII, da Lei nº 8.906/94xiv).

 

Por fim, a simples leitura do art. 3º aqui transcrito torna inequívoco que ao Delegado de Polícia, da mesma forma que aos membros do Ministério Público e da Defensoria Pública, deve ser dispensado idêntico tratamento pronominal ao dos magistrados.

 

Lei Orgânica Nacional do Ministério Público:

Art. 41. Constituem prerrogativas dos membros do Ministério Público, no exercício de sua função, além de outras previstas na Lei Orgânica:

I - receber o mesmo tratamento jurídico e protocolar dispensado aos membros do Poder Judiciário junto aos quais oficiem;

 

Em relação ao nivelamento do Delegado ao Advogado, e consequente aplicação da Lei nº 8.906/94 – Estatuto da Advocacia e da Ordem dos Advogados do Brasil, cabe colacionar os seguintes termos do artigo mencionado anteriormente do professor Lamoia[3]:

Quando ofendido no exercício da profissão ou em razão dela, é assegurado ao Delegado de Polícia o direito de ser publicamente desagravado (art. 7º, XVII, da Lei nº 8.906/94xi).

 

Ressalta-se, ainda, que nos termos do artigo 133 da Constituição da República o advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei.

Ainda, em relação à Defensoria Pública, cabe mencionar os termos do artigo 134 da CR de 1988 no qual determina que a Defensoria Pública é instituição essencial à função jurisdicional do Estado.

Essa evolução alcança seu ápice quando atribuído ao cargo de Delegado a independência funcional, composta pela vitaliciedade, inamovibilidade e irredutibilidade de subsídios, o que confere segurança e independência no desenvolvimento de suas atividades, e o mesmo a exerce de forma técnico jurídico, com a consciência de que é servidor público, no mais elementar conceito da palavra servidor, que deve ser inundada pela intenção e objetivo de promover e proporcionar o bem comum, bem estar da sociedade, de atender o interesse público e de prestar ao cidadão o serviço público que a Lei o atribuiu.

A evolução em comento se completa quando o cargo de Delegado passa a ser exercido por aquele concursado que, anteriormente, militou / exerceu o múnus da advocacia. Daquele que exerceu a advocacia pura, com a consciência de que tal função é essencial à administração da Justiça, nos termos do artigo 133 da Carta Maior, cujo norte é a defesa da Constituição da República.

Não resta dúvida de que o Delegado Federal deve possuir paridade de armas no exercício de seus encargos, munido da independência funcional, consciente de que é servidor público, de que deve proteger a Constituição da República Federativa do Brasil, como competência e conhecimentos jurídicos elevados, reputação ilibada e voltado à defesa e construção de uma sociedade justa, onde a Justiça deixe de ser um ideal utópico e passe a ser uma realidade concreta, comum e parte do cotidiano, sem a qual o cidadão não suporte estar desprovido da mesma, da mesma forma que não suporta ser usurpado de sua liberdade ou do próprio ar que respira.

Esse é o Delegado Jurista. É a união do delegado técnico jurídico consciente de sua condição e função de servidor público voltado à prestação do serviço público de qualidade e alto nível, preocupado em atender o cidadão e contribuir para construção de um Estado Democrático de Direito e proporcionar o bem comum e uma sociedade mais justa, aliado a sua experiência e vivência na militância e exercício da advocacia voltada à defesa da Carta da República de 1988, função maior do advogado, exercendo suas atribuições no combate ao crime, na luta por Justiça.


[1] MORAES, Elster Lamioa de. Artigo Tratamento protocolar dispensado ao Delegado de Polícia;

{C}[2]{C} Art. 2o As funções de polícia judiciária e a apuração de infrações penais exercidas pelo delegado de polícia são de natureza jurídica, essenciais e exclusivas de Estado. 

[3] MORAES, Elster Lamioa de. Artigo Tratamento protocolar dispensado ao Delegado de Polícia;

Página 1 de 1
Assuntos relacionados
Sobre o autor
Paulo Henrique Limeira Gordiano

Pós-Graduado em Direito Penal e Processo Penal pela Escola Superior de Advocacia Professor Ruy Antunes da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional de Pernambuco. 2014. Possui graduação em bacharelado em Direito - Faculdades Integradas Barros Melo (2006). Atualmente Assessor Jurídico do IRH - CPL - Governo do Estado de Pernambuco (2013/2014). Exerceu o cargo de Assessor Jurídico da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional de Pernambuco, 2007/2013. Realizou estágio no núcleo de ações relevantes da Procuradoria Regional da Quinta Região da Advocacia Geral da União - AGU / PRU5 e na Procuradoria Federal Especializada da Advocacia Geral da União junto ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA.

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!