A reação da torcedora do Grêmio ao perceber que fora flagrada pela ESPN Brasil revela que ela tinha, sim, exata noção do ato e de suas implicações

“Aquela palavra 'macaco' não foi racismo, foi no calor do jogo”, afirmou Patrícia Moreira, 23, que em coro com outros torcedores xingou o goleiro Aranha na partida em que o Grêmio perdeu de 2 a 0 para o Santos, na Copa do Brasil. “Desculpas para o Aranha, perdão”, pediu aos prantos em um hotel de Porto Alegre em um encontro com jornalistas.

Quero muito pedir desculpas para o goleiro Aranha. Perdão de coração porque não sou racista. Aquela palavra macaco não foi racismo. Foi no calor do jogo, o Grêmio estava perdendo, o Grêmio é minha paixão. Minha paixão mesmo. Eu vivia para ir ao jogo do Grêmio. Eu largava tudo. Peço desculpas para o Grêmio, para a nação tricolor. Não queria nunca prejudicar o Grêmio. Eu amo o Grêmio. Desculpas para o Aranha. Perdão, perdão, perdão mesmo.

“O termo ‘macaco’, usado dentro de um jogo de futebol, não configura ofensa”, reforçou o advogado de Patrícia. "É só mais um termo utilizado dentro do futebol". Vai ver no “calor do jogo” pode tudo, até arremessar das arquibancadas vasos sanitários para rachar a cabeça dos desavisados.

Mas a reação da jovem ao perceber que fora flagrada pela ESPN Brasil (choque e súbito silêncio, seguidos de nítida apreensão) não deixa dúvida de que ela tinha, sim, exata noção do ato e de suas implicações. Patrícia perdeu o emprego e sua casa foi apedrejada. Ela teme por sua segurança. Motivos para chorar não faltam.

O Código Penal prevê pena de até quatro anos de prisão quando a injúria qualificada é proferida na presença de várias pessoas. Embora a indignação tenha sido generalizada, entende-se que o insulto foi dirigido a um indivíduo apenas, não a todos os negros, não incidindo no caso a lei antirracismo, mais severa.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria