O presente artigo trata do Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT e sua aplicação no âmbito da empresa, principalmente na exclusão do benefício do vale alimentação.

O Programa de Alimentação do Trabalhador- PAT foi instituído pela Lei nº 6.321, de 14 de abril de 1976 e regulamentado pelo Decreto nº 5, de 14 de janeiro de 1991, buscando priorizar o atendimento aos trabalhadores de baixa renda, isto é, aqueles que ganham até cinco salários mínimos mensais.

Em 2003 o Tribunal Superior do Trabalho por meio da Súmula n.º 241 definiu que o vale refeição “fornecido por força do contrato de trabalho, tem caráter salarial, integrando a remuneração do empregado, para todos os efeitos legais”.

Súmula esta que foi editada em dissonância do artigo 458 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que é claro ao definir que além do pagamento em dinheiro serão compreendidos no salário: a alimentação, habitação, vestuário e outras prestações in natura que a Empresa conceder ao Empregado, seja por força de contrato ou até mesmo pelo costume, tendo reflexos no FGTS, na Contribuição Previdenciária e demais consectários legais.

Assim, Cumpre pontuar que para o direito do trabalho, seja o salário utilidade, entendido no artigo 458 da CLT, concedido sobre o título de vale refeição, vale alimentação ou qualquer outro nome, pouco importará, porquanto vale o princípio da primazia da realidade dos fatos, ou seja, os fatos prevalecem sobre a aparência, assim neste caso o fato é que o empregador está fornecendo a seu empregado valor para alimentação.

Desta forma os tribunais entenderam que a adesão da Empresa ao PAT exclui a natureza salarial da alimentação fornecida, não integrando a verba salarial para todos os efeitos, não constituindo base de incidência de Contribuição Previdenciária, nem do FGTS, ressalvando que o valor deverá ser uma ajuda e não o custeio integral pelo Empregador.

Porém, em recente decisão do Tribunal Superior do Trabalho, ampliou seu entendimento, pontuando que “não havendo norma coletiva que afaste a natureza salarial ou a empresa não integrar o PAT desde o início da concessão do benefício, pouca importa a intenção do empregador” – RR-33900-60.2009.5.09.0073.

Ainda, o Relator do processo apontou que “A alteração prejudicial ao contrato de trabalho daqueles empregados que já percebiam o auxílio-alimentação é vedada expressamente pelo artigo 468 da CLT e pela Súmula 51 do TST".

Portanto, conclui-se que é temerário que o Empregador suprima o salário utilidade que venha sendo concedido, seja a que título for, em especial, no caso do vale alimentação, caso não tenha aderido ao PAT desde o início da concessão do benefício, ou ainda, se não houver previsão em norma coletiva que exclua a natureza salarial.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria