O sistema prisional brasileiro impede a ressocialização do apenado

O ser humano busca tradicionalmente sempre o caminho mais simples para realizar suas aspirações. Apesar do denominado “pleno emprego” em que a sociedade brasileira se encontra atualmente, inspirando inclusive uma série de imigrantes na busca de atividade que não encontram em seus países de origem, muitos indivíduos optam por uma rotina de crime contra outras pessoas, nas suas mais diversas formas. Em geral iniciam por entender ser uma maneira mais fácil de obter objetos e atender suas necessidades, que são infladas diante de um já tradicional estímulo ao consumo não consciente, que abrange desde alimentação até perfumaria, incluindo vestuário e automóveis.

Sendo assim, o modelo de trabalho que se cercam, já é um modelo falido, que tradicionalmente traz vida curta aos indivíduos, seja encerrada pelo encarceramento ou mesmo pelo óbito.

Com relação ao encarceramento, esta é a forma que o Estado realiza para apartar da sociedade indivíduos por ele interpretados como excluídos, o que vem reforçado pelos sentimentos de impunidade que assola a população, eis que, quando da prisão de quaisquer destes indivíduos, a sociedade clama pela denominada “justiça”, que nada mais acaba sendo do que a exclusão maior ainda do indivíduo da sociedade em que vivemos.

O Estado, na busca de realizar o seu papel punitivo/repressivo, possui um sistema de justiça criminal que tão somente contribui para manter os indivíduos excluídos ainda mais da sociedade.

Ao “depositar” um indivíduo em quaisquer das suas unidades prisionais, seja em delegacias, presídios estaduais ou federais, o Estado aparta o indivíduo da sociedade, como que “afastando” o mesmo do convívio pacífico e social, em uma forma de punição, que acaba se demonstrando irreversível.

O sistema como um todo, de justiça criminal e penitenciário, não contribui para a ressocialização do apenado. O mesmo vai para dentro de uma instituição, onde acaba por se juntar com outros, muitas vezes até mesmo de uma periculosidade ainda maior, e convivendo em um ambiente de disputa permanente, que é o que ocorre nas cadeias e presídios país afora.

Apesar de constar no regramento jurídico a progressão de pena, que poderia vir a permitir uma ressocialização do apenado, na medida que o mesmo voltasse a se inserir na sociedade de forma produtiva e positiva, via de regra (salvo exceções), não é assim que funciona na prática. O apenado simplesmente fica “trancafiado” em “jaulas” junto com diversos outros, sem que haja um estímulo ao desenvolvimento social.

O regramento jurídico determina que haja uma conciliação entre o momento de trabalho, descanso e recreação (art. 41, V da Lei de Execucoes Penais - LEF), entretanto, há que se ressaltar inicialmente quanto ao trabalho que, apesar de ter a finalidade educativa e produtiva (art. 28 da LEF) e ser uma obrigação do apenado (art.31 da LEF), ele se demonstra impossível de ser realizado em meio a um contingente de presos que supera em muito a capacidade do sistema prisional brasileiro.

Portanto que, se não há momento de trabalho, sobra o tempo para descanso e recreação.

Como descansar em meio a tantas ameaças internas de um presídio? Evidentemente que o descanso é um tanto quanto impossível em meio a um sistema cheio de pessoas e, como dito antes, muitas das vezes (se não maioria) com pessoas muito mais perigosas do que o que ali se insere.

E por último a recreação, que é difícil de ocorrer em meio à conhecida “lei dos mais fortes” que impera dentro dos estabelecimentos prisionais.

Por outro lado, há que se ressaltar que o instituto da pena prevê que a mesma seja progressiva, isto é, na medida de seu cumprimento, o apenado passa a ter direito a um regime mais favorável, na medida de seu bom comportamento. O regime fechado passaria para o semi-aberto e até mesmo para o aberto, somado à liberdade condicional.

Ocorre que muito do previsto no regramento jurídico, especialmente na LEF, não é cumprido pela justiça, face o excesso de trabalhos mantido pelo mesmo, frente a um número insuficiente de profissionais ali envolvidos. Por exemplo que anualmente o apenado tem o direito de saber (é dever do juízo) o tempo que cumpriu e ainda lhe resta. Qual comarca efetivamente pode apresentar isto atualmente a todos os seus jurisdicionados?

Frente a morosidade do judiciário, muitas das vezes os apenados acabam por cumprir penas acima daquelas em que foram responsabilizados, além de não poderem se beneficiar de sistemas mais benéficos.

Sem direito a um tratamento digno, sem qualquer tipo de benefício concedido, no geral, o apenado acaba cumprindo sua pena e não tendo a oportunidade de se ressocializar, tendo tão somente formas de aumentar sua agressividade e sua insatisfação com o sistema, gerando uma maior revolta no mesmo, o que vai refletir na sociedade quando de sua saída e volta para o meio social em que vivemos.

Desta forma, o ciclo se repete, com a formação do infrator, condenação a pena, cumprimento da pena e o regresso do mesmo ao crime, quando da sua saída, eis que o percentual de reincidência é bem elevado no país, para os egressos do sistema carcerário brasileiro.

Só criticar fica simples, entretanto, o falido sistema carcerário requer mudanças, e algumas delas são possíveis de ser aplicadas.

O regramento já possui muitos dos institutos que possam favorecer a reinserção do apenado. Inicia pela instituição da pena, que deve ser aplicada na medida da periculosidade dos condenados, devendo a sociedade buscar alternativas, como já existentes em alguns estados, especialmente em MG, tal e qual as pulseiras eletrônicas, a prestação de serviços à comunidade (serviços efetivos, como limpeza de praças e jardins, atuação em obras públicas, dentre outros e não o simples pagamento de cestas básicas) como formas alternativas de imposição de pena.

Há ainda a questão do trabalho interno nos presídios, eis que na medida de suas capacidades, ou seja, os deficientes para trabalhos adaptados e os debilitados após o seu tratamento passam a estar aptos, falta um estímulo do governo ao trabalho do apenado, como forma inicial de reinserção na sociedade.

Como falar em trabalho, por exemplo, em presídios federais, isolados do convívio social face ao nível de barbárie (geralmente) dos que ali se encontram? Mediante o trabalho, que é obrigatório segundo o regramento jurídico e o apenado não poderá se furtar de realizar. Há atividades no próprio presídio que podem ser realizadas por internos, bem como atividades que podem ser implantadas, como atividades manuais ou mesmo industriais, mediante acompanhamento.

São diversas obras sendo realizadas, ou seja, construção de presídios com adaptações para receber indústrias e empresas que possam conceder atividades aos apenados de forma permanente e não sejam alvo tão somente de políticas.

Por outro lado, no judiciário, a composição de uma força tarefa para a realização e revisão de penas cumpridas ou mesmo concessão de progressão de regime aos que assim podem se beneficiar. Tal força tarefa deveria se dar através de contratação temporária de serventuários, a fim de agilizar os procedimentos, bem como o aumento do quadro de magistrados, de forma maciça.

Desta forma, buscando uma efetiva ressocialização do preso, haveria a possibilidade de redução da criminalidade, em função do papel social do Estado em auxiliar o apenado a se reinserir na sociedade de forma produtiva e benéfica, tanto para si, quanto para a sociedade como um todo.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

1

  • 0

    Alzenir iriasMartins

    Acorda
    Sei que não sou nada mais sim cidadã . E todos nos temos nosso direito de entender certo e errado. Tenho visto Alguma coisa que tem me em plicado.Tive dando uma olhada nas leis da execução penal , e outras, se nem quem e formado vai guardar tantas leis, quanto mais preso que tem muitos formado, mais também tem muitos analfabetos i e desincriminado por não poder faze um curso já vi preso que se matriculou na escola e ela nunca apareceu .Eles e analfabeto e obrigado ficar preso porque não obrigar estudar pelo menos vai aprender o que presta e o presidio vai servir para alguma coisa . Outra não vi uma lei nem um artgo que fala que o preso que esta trabalhando na rua não pode ter um celular, fala crime e crime e matar roubar e traficar que nem usar droga e crime que se fosse crime não insistia clinica de recuperação. Insistia só prisão. A pesar que os presidio ta servindo de clinica que ta cheio de usuário tomando nome de traficante .Já pensou se telefone for crime na rua? Vocês vai ter presidio para por tanto criminoso? Quem ta cá fora se interessar fazer alguma coisa usando telefone, usa publico que esta em qualquer esquina na rua nos terminais eles fala em codico pode ser no meio de multadão ninguém entende sinais como na lei passada do presidio em silencio . E por que ser punido se tiver usando cá fora? Palhaçada meio de armadilha para segura preso para ter serviço para um monte de universitário. Gloria a tornozeleira eletrônica pelo que vi espero que de certo vai desempregar um monte de sem educação que estuda para tratar os pequeno mal . Se ta cá fora, por que não poder telefonar,não pode ter um dinheiro para tomar um café, não poder ter contato com família? E por que não ter liberdade de viver como cidadão? E deixar a escravidão durante o dia . E alembrar da senzala só anoite . Ai eles vai aproveitar de 2 personalidade de cidadão de bem, e de escravo vai ser 2 caminho eles segui o bom e o ruim. JESUS e o diabo. Acho e tenho certeza que neguem tem direito de trabalhar com fome .Os preso sai 5 horas do presidio vai comer na ora do almoço em algum lugar da cafe 9 horas outros não, e por que não ter dinheiro para tomar um cafe? Vocês como grande aguentaria ? . Primeiro Telefonar, ter um celular e um voto de confiança como cidadão, que e ate humilhante, quem anda nas ruas sem um celular se e para ressocializar porque não viver como gente sem humilhação para ser humilhado fica na prisão, que pelo menos la e luga reservado e eles vai entender que ta lá debaixo da humilhação não tem nada não e digino de nada.Se não tem celular tem orelhão todas as ruas se ta cá fora tem de ter vida diferenciada de la de dentro. Segundo o dinheiro e crime ? E por que não ter para tomar um cafe com pão numa padaria o terminal ? Se sai do presidio 5 horas ate as 7 sem tomar um cafe e entra no serviço que a maioria trabalha em serviço pesado tem lugar que da cafe as 9 hora otos não da, vai almoçar 11 horas , e certo passar fome? Isto para mim e tortura física epissilogística. Terceiro quem quer mais bem para uma pessoa? Eu tenho certeza que e afamilia, e por que não poder ter contato com quer bem? Os preso que trabalha cá fora tem de ta lavando oniforme as roupas deles ou pedindo alguém para vir em casa trazer a suja e mandar uma limpa na maior covardia isto e ressocializar? Já vi presidio que os preso sai 5 da manha passa em casa pega marmita vai trabalhar vem detarde traz a marmita toma banho janta evai para o presidio para dormir E lá já vi vários sai cidadão de bem e tenho prova. Que cada um da o que tem, se tem se tem amor ao pro cimo vai dar. E o amor apaga multidão de pecado. No momento que esta cá fora trabalhando honestamente por que não ser um cidadão ? Ou vai ter de trabalhar como os escravo do tempo passado sem regalia de nada? Assim vai ressocializar? As leis e a justiça colabora para ter erro pensa bem? Se eles viveu muito tempo como bicho, e tem de aprender viver em sociedade, tem de viver no mundo diferenciado de lá de dentro. Acho que o presidio tem a ver no momento que entra lá para dentro cá fora, desde que trabalha direito, não desobedeça as regras dos patão, nem falta com respeito, nem chega atrasado no trabalho, nem nas porta do boteco ou bar ou junto com troça que a onde ta o monte ta a merda e o presidio monitora se ta sendo bom funcionário.Por que no presidio tem muito preguiçoso para trabalhar e igual carrinho de a mão tem de empurra e patrão não e obrigado pagar chupau . Ter um celular cá fora pode invitar de um morre cá fora, se tem 10 que não gosta tem 15 a 20 que gosta e se o preso ver que ta correndo risco ele pedi o presidio que não pode sai Outra pobre não traz droga de fora por isto acaba com esta lei de judiar de preto e pobre aqui no ES e o que vê nos presidio que a qui veio avião de Minas cheio ta tudo solto e cade ajustiça para rico?

Livraria