Breve exposição sobre as alterações no Simples Nacional, no que diz respeito as atividade de advocacia e consultoria.

Conhecido por todos, o Simples Nacional criado pela Lei Complementar 123/06[1], estabeleceu um tratamento favorecido no campo tributário e não tributário destinado a sociedade empresária, a sociedade simples, a empresa individual de responsabilidade limitada e o empresário a que se refere o art. 966 do Código Civil, desde que, devidamente registrados.

O tratamento diferenciado trazido pela Lei em comento é universalmente conhecido em função da forma simplificada de recolhimento de tributos, tendo em vista e inexpressividade dos benefícios no campo não tributário.

A Lei do Simples, traz em seus seis anexos, tabelas com alíquotas progressivas sobre o faturamento bruto, aplicáveis a cada atividade empresarial permitida, bem como, a fixação das parcelas do valor recolhido correspondente a cada tributo incluído na sistemática.

As alíquotas para o Comércio variam entre 4,00% a 11,61%, para a Indústria, de 4,50% a 12,11%, para os Serviços, as alíquotas aplicáveis, estão dispostas nos anexos III, IV, V e VI da LC 123/06, de acordo com a atividade exercida.

Com efeito, não há como negar a diminuição da carga tributária para as atividades de comércio e indústria optantes do Simples Nacional, constantes dos anexos I e II a LC respectivamente, haja vista que as alíquotas incidentes não ultrapassam o percentual de 12,5% do faturamento bruto.

Todavia, o setor de serviços, recebeu muitas críticas desde a edição do Simples Nacional. Segundo o professor Ricardo Alexandre, a Lei enumerou um conjunto de serviços e atividades cujos prestadores podiam optar pelo Simples Nacional, deixando desarrazoadamente atividades congêneres fora da sistemática[2], como no caso dos escritórios de contabilidade, que podem se beneficiar, entretanto os escritórios de advocacia e consultoria, até a última alteração da lei, não estavam incluídos no regime.

A alteração trazida pela Lei Complementar 147/2014, que entrará em vigor a partir de Janeiro de 2015, prevê a inclusão de inúmeros serviços, dentre eles, a atividade de advocacia, tributada com base no anexo IV da LC 123/06, cujas alíquotas variam entre: 4,5% e 16,85% do faturamento bruto e a atividade de consultoria, tributada conforme anexo VI da LC 123/06, cujas alíquotas variam entre 16,93% e 22,45%. Excluída, nos dois casos, a Contribuição Patronal Previdenciária_ CPP.

A CPP corresponde a 20% sobre o montante pago a titulo de remunerações devidas ou creditadas a qualquer título durante o mês aos segurados empregados, trabalhadores avulsos e contribuintes individuais que lhe prestem serviços; 1%, 2% ou 3% para o financiamento do benefício previsto em razão do grau de incidência de incapacidade laborativa decorrente dos riscos ambientais do trabalho e, 15% sobre o valor bruto da nota fiscal ou fatura de prestação de serviços, relativamente a serviços que lhe são prestados por cooperados por intermédio de cooperativas de trabalho.[3]

Neste passo, se considerarmos que uma empresa tributada no lucro presumido paga 16,33% de tributos, a opção pelo Simples Nacional para aqueles que prestam serviços de consultoria pode não ser vantajosa, tendo em vista que a tributação mínima incidente, constante no anexo VI da LC 123/06, inicia-se com a alíquota de 16,93% e não inclui a Contribuição Patronal Previdenciária _CPP.

Para serviços de advocacia, as alíquotas são menores para prestadores com faturamento bruto anual até R$ 3.240.000,00, onde incidirá a alíquota de até 15,95% sobre o faturamento bruto, devendo ser considerada para fins de escolha do melhor regime de tributação o montante devido a titulo de CPP.

A legislação dispõe de alguns regimes de tributação, para fins de recolhimento dos tributos devidos aos cofres públicos. Dentre eles o Lucro Real, Lucro Presumido e o Simples Nacional.

Nesse sentido, o planejamento fiscal torna-se imperioso, a fim de conhecer e analisar os pontos positivos e negativos dos regimes fiscais para definir qual o tratamento tributário mais adequado para a empresa. Pois esta decisão influenciará diretamente na obtenção do resultado almejado.


[1]Lei Complementar 123/2006 – Acessado em 08/12/2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/lcp123.htm

[2]ALEXANDRE, Ricardo – Direito Tributário Esquematizado – 6. ed. rev. e atual. – Rio de Janeiro. Ed Forense; São Paulo: MÉTODO, 2012. P. 650.

[3]Lei. 8.212/91- Artigo 22, incisos I, II, III e IV - Acessado em 08/12/2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8212compilado.htm


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso