A prescrição na Lei n. 8.906/94 no tocante a cobrança de honorários advocatícios e prestação de contas.

Em consonância com a doutrina pátria que define o instituto da prescrição como a extinção de determinada ação ajuizável, em razão da inércia de seu titular durante um certo lapso temporal, e ante a ausência de causas preclusivas de seu curso.

Neste contexto, dispõe o art. 189 do Código Civil, “violado o direito nasce para o titular a pretensão, a qual se extingue, pela prescrição, nos prazos a que aludem os artigos 205 e 206”. Ou seja, a violação do direito que ocasiona dano ao titular do direito subjetivo, faz nascer o poder de exigir do devedor uma ação ou omissão.

Notadamente o instituto possui 03 requisitos caracterizadores:  a violação do direito, a inércia do titular e o decurso do lapso temporal fixado na norma vigente. O Estatuto da Advocacia estabelece regra de prescrição especial, no tocante a cobrança dos honorários de advogado e com relação a prestação de contas fundamentado no art. 25 e art. 25-A da Lei n. 8.906/94, acrescentado pela Lei n. 11.902/09.

O prazo estabelecido é de 05 (cinco) anos. O Estatuto da Advocacia refere-se à ação, repetindo um equivoco corriqueiro no ordenamento jurídico pátrio em vigência, porque não é a ação que é atingida pela prescrição, mas, a pretensão.

O atual Código Civil, em seu art. 206, § 5º, II, do Código Civil manteve idêntico prazo prescricional para “a pretensão dos profissionais liberais em geral, procuradores judiciais, curadores e professores pelo seus honorários, contado o prazo da conclusão dos serviços, da cessação dos respectivos contratos ou mandato”, contado a partir da conclusão dos serviços, da cessação dos respectivos contratos ou mandato.

Para a Lei n. 8.906/94, o termo inicial é o do dia útil seguinte a uma das hipóteses seguintes. Inicialmente, do termo final do contrato escrito como regra. A Lei n. 8.906/94 utiliza a expressão do “vencimento do contrato” que deverá ser entendido como pelo termo final do prazo de prestação pecuniária devida pelo cliente. Havendo um parcelamento de prestações  pecuniárias, o vencimento do contrato será correspondente ao da última.

Outra hipótese é do trânsito em julgado da decisão judicial que fixar os honorários de sucumbência ou por arbitramento. Outra situação é o  encerramento comprovado e efetivo dos serviços profissionais extrajudiciais contratados. Neste caso, se não houver contrato escrito, os honorários profissionais poderão ser  arbitrados judicialmente, reabrindo-se novo prazo prescricional, com fundamento no item anterior.

A quarta hipótese no Estatuto é a desistência da ação, considerada a data do trânsito em julgado da decisão que decretar a extinção da ação. Outra hipótese elencada é a transação amigável ou judicial entre o cliente e a parte contrária. Sendo no caso da transação extrajudicial, a partir da data do contrato de transação, e na seara judicial quando ocorrer a sentença de homologação.

As últimas hipóteses previstas são a renúncia e revogação do mandato. Na renúncia por ato do advogado, a partir do encerramento do prazo de dez dias seguintes à notificação expressa que fizer ao cliente, salvo se ocorrer a substituição antes do término desse prazo. Na  revogação do mandato, considerando-se a data da notificação do cliente da nomeação de outro mandatário.

O Estatuto da Advocacia não estabeleceu causas especiais interruptivas ou suspensivas da prescrição, prevalecendo o que foi fixado no Código Civil.  Por fim, a Lei n. 11.902/2009 introduziu o artigo 25-A no Estatuto da Advocacia, a modalidade de prescrição, que cuida da ação de prestação de contas pelas quantias recebidas pelo profissional da advocacia.  

Trata-se de prescrição de prestação de contas, cuja infração disciplinar é prevista no art. 43, XXI, da Lei n. 8.906/94 que reza “recusar-se, injustificadamente, a prestar contas ao cliente de quantias recebidas dele ou de terceiros por conta dele”. Desta forma, disciplinado o prazo de 05 (cinco) após o término do encargo a pretensão de pleitear a prestação de contas pelas quantias recebidas pelo profissional de seu cliente, ou de terceiros em razão deste ofício. 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria