Artigo aborda o instituto do desagravo público previsto no Estatuto da Advocacia, como instrumento de defesa dos direitos e prerrogativas da advocacia.

         Desagravo público (des+agravo). Ação de desagravar. Reparação de um agravo, ofensa, injúria que alguém pratica contra outrem pela forma escrita, verbal, vias de fato ou lesão corporal. Desafronta. O advogado que no exercício da atividade profissional ou razão dela for atingido por ofensas, arbitrariedades e violações de seus direitos faz jus ao direito consagrado no art. 7º, XVII, da Lei n. 8.906/94, o desagravo público, independentemente da responsabilidade do ofensor na esfera penal e civil, se for o caso.   

            O desagravo público surge a partir do primeiro Estatuto da OAB (Lei n° 4.215, 27.04.63, no artigo 89, inciso XXI, e no artigo 130). Atualmente, o instituto está previsto no inciso XVII, do artigo 7°, da Lei n° 8.906/94, “Ser publicamente desagravado, quando ofendido no exercício da profissão ou em razão dela” previsto também nos artigos 18 e 19 do Regulamento Geral do Estatuto da Advocacia e da Ordem dos Advogados do Brasil. Trata-se de uma prerrogativa, e não um privilégio inserido no conjunto de direitos estabelecidos em lei para o livre e pleno  exercício da advocacia em todo o território nacional.  

            A Ordem dos Advogados do Brasil, através de qualquer de seus órgãos deve fiscalizar e atuar para que nenhum advogado tenha suas prerrogativas profissionais violadas. Ressalte-se que o pedido pode ocorrer de ofício pela OAB, a pedido do próprio advogado ou qualquer cidadão.

            Neste contexto, o desagravo público encontra-se nos limites da dignidade da profissão, e acrescentamos que este instituto não corresponde a nenhum privilégio exclusivo da classe dos advogados. Uma vez que, as demais carreiras jurídicas (magistratura e ministério público) possuem como garantia de atuação profissional assemelhado instituto.

            O presente instituto deve analisado e aprovado com serenidade e parcimônia, com o fito de assegurar sua força simbólica e ética. O uso do desagravo deve ser fundamentado na defesa das prerrogativas profissionais elencadas no Estatuto da Advocacia.  O desagravo público não é mera manifestação de apoio ou solidariedade corporativista, mas defesa da dignidade da profissão. Necessário a apreciação com isenção e imparcialidade os fatos, e respeito ao contraditório e a ampla defesa do ofensor.

            O instituto deve ser objeto de deliberação prévia do Conselho Seccional competente, podendo o mesmo deliberar de ofício ou mediante representação de qualquer pessoa. Desta forma, após a sessão de desagravo, a nota é encaminhada para publicação na imprensa, outra encaminhada ao ofensor, e às autoridades em questão com o respectivo registro no cadastro do inscrito desagravado.  

            Por fim, compete ao Conselho Federal promover o desagravo público quando a ofensa for dirigida aos Conselheiros Federais ou ao Presidente de Conselho Seccional no exercício das suas atribuições, assim como nos casos de relevante repercussão e grave violação às prerrogativas profissionais com reflexos no cenário nacional. O desagravo público é instrumento de defesa dos direitos e prerrogativas da advocacia. 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria