Entenda o que é, como funciona e porque tese do Direito Penal do Inimigo (Direito Penal Bélico) é execrada pela esmagadora maioria dos doutrinadores.

Restaurado por Günther Jakobs em 1985, o Direito Penal do inimigo é a vertente do direito penal máximo[1] que tem como missão o combate de tipos determinados de criminalidade através adoção de políticas públicas voltadas para a de antevisão do crime, supressão de garantias e endurecimento de penas[2] e leis.

Inobstante Jakobs ser o responsável pela restauração da teoria, o Direito Penal bélico tem origem remota, na filosofia de Protágoras, São Tomás de Aguino, John Locke, Thomas Hobbes e Kant. Segundo Rogério Greco, até Adolf Hitler utilizou a teoria para justificar a morte de judeus nos campos de concentração nazistas. Na obra “Edmund Mezger e o Direito Penal do seu Tempo”, Francisco Muñoz Conde pesquisou sobre a existência de um nefasto projeto dirigido ao inimigo, que incluía desde prisão perpétua e esterilização de pessoas consideradas associais à castração de homossexuais.

Contraponto do garantismo, o direito penal bélico faz parte do direito penal de terceira velocidade. Segundo a doutrina, Direito penal de primeira velocidade se caracteriza pelo cárcere com as garantias plenamente respeitadas, da forma como ocorre no direito penal tradicional, atendidos os princípios constitucionais, penais e processuais. O Direito penal de segunda velocidade, por sua vez, tem como característica a adoção de penas alternativas (penas restritivas de direitos e penas pecuniárias), com a sucessiva flexibilização de garantias (a exemplo da transação penal da Lei n. 9099/95[3]). Por fim, direito penal de terceira velocidade – integrado pelo direito penal bélico, que possui traços de modalidade híbrida: mantém o cárcere presente na primeira velocidade, porém suprime as garantias da segunda velocidade. Em outros termos, o direito penal do inimigo condensa a severidade da primeira e segunda velocidade em uma terceira categoria.

O conceito de inimigo contrapõe-se ao de cidadão. Este faz jus a penas restritivas de direito, garantias no cumprimento da pena, entre outros. Aquele é tido como irrecuperável e perde seu caráter de pessoa. O direito penal do inimigo é a materialização no mundo jurídico da perda da fé em determinados tipos de seres humanos.

E quem é esse inimigo? Certamente se encontra no lado oposto de quem está no poder, pois o conceito de inimigo é demasiado vago e fluído, permitindo que varie de acordo com a ordem vigente e os interesses perquiridos pela gestão dominante. Na sociedade acidental atual os inimigos são os marginalizados, bêbados, prostitutas e demais pessoas que a sociedade, em sua maioria, não gosta de ver e se incomoda com a presença.

A doutrina critica severamente a teoria exumada por Jakobs. Ao descrever os crimes e penas de forma vaga fere de morte o princípio da legalidade. Pune pessoas, idéias e estilos em detrimento da punição de fatos e sem especificação concreta.

Em situações extremas o direito bélico é utilizado como manobra política para conceder uma falsa resposta aos anseios sociais quando crimes de maior gravidade são cometidos, para diminuir a sensação de medo, insegurança jurídica e desamparo. Tiram proveito de uma situação extrema gerada por graves violações de direitos e utilizam o sensacionalismo criado para se promoverem através de um tratamento mais rígido ao delinqüente. O direito penal de emergência, a política do medo teve como sua maior vertente o pós atentado terrorista de 11 de setembro, em que as leis de luta ou de combate suprimiram diversos direitos de imigrantes eleitos os inimigos.

De questionável constitucionalidade, por diversas vezes o direito penal bélico deixa de ser exceção destinada a grupos terroristas, organizações criminosas, traficantes de armas e de seres humanos para virar regra, afastando a subsidiariedade e fragmentariedade do direito penal, indispensáveis em um estado democrático de direito. Se distancia da finalidade retributiva da pena ao punir atos preparatórios como forma de antever e evitar a prática de atos executórios. Flexibiliza o iter criminis penalizando crimes formais e de mera conduta, ferindo de morte o princípio da lesividade.

Eugênio Raúl Zaffaroni sabiamente asseverou que:

A admissão jurídica do conceito de inimigo no Direito (que não seja estritamente no contexto de 'guerra') sempre foi lógica e historicamente o primeiro sintoma de destruição autoritária do Estado de Direito[4].

Em assim sendo, não há sentido em repetir os erros do passado e utilizar o direito penal como válvula de propulsora de domínio e subordinação de um grupo sobre outro, respectivamente.

O estado democrático de direito é avesso a punições estereotipadas e aplicação do direito como meio para legitimar uma ditadura penal direcionada para alguns grupos no afã de lhes dar invisibilidade social.

CUNHA, Rogério Sanches. Manual de Direito Penal: Parte Geral. Salvador: Jus Podivm, 2013.

Greco, Rogerio. Direito Penal do Inimigo. http://www.rogeriogreco.com.br/?p=1029 Acesso em 15 de abril de 2015.

Jakobs, Günter. Direito Penal do Inimido: Noções e críticas. Ponto Alegre. Livraria do Advogado, 2007.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Notas sobre a história jurídico social de Pasárgada. In:SOUTO, Cláudio e FALCÃO, Joaquim(Orgs.); Sociologia e Direito: textos básicos para a disciplina da sociologia jurídica. São Paulo: Pioneira, 1999.

Zaffaroni, Raúl. El Derecho Penal del enemigo. Dykinson, 2006.


[1] Corrente doutrinária oposta ao abolicionismo. Defende o direito penal como forma de controle social, o remédio para todos os males.

[2] O regime disciplinar diferenciado é um exemplo de direito penal bélico no sentido do empedernimento da execução da pena.

[3] Por prever pena alternativa algumas garantias são dispensadas na transação penal, são exemplos a presença de advogado e de denúncia. 

[4] El Derecho Penal del enemigo. Dykinson, 2006.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria