O regime tributário conhecido como SIMPLES NACIONAL decorreu de uma mini reforma tributária que culminou na redução de alguns tributos, unificando o pagamento de oito tributos federais, estaduais e municipais em uma única guia de recolhimento.

INTRODUÇÃO

O regime tributário conhecido como SIMPLES NACIONAL  quando da sua instituição, no ano de 2006, por meio da Lei Complementar 123 (Estatuto da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte),  significou uma mini reforma tributária que culminou na redução de alguns tributos, unificando o pagamento de oito tributos federais, estaduais e municipais em uma única guia de recolhimento. São eles: Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas — IRPJ; Imposto sobre Produtos Industrializados — IPI; Contribuição Social sobre o Lucro Líquido — CSLL; Contribuição para Financiamento da Seguridade Social — COFINS; Contribuição para os Programas de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público — PIS/PASEP; Contribuição para a Seguridade Social, a cargo da pessoa jurídica, de que trata o art. 22 da Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991, exceto no caso das  pessoas jurídicas que se dediquem às atividades de prestação de serviços previstas nos incisos XIII a XXVIII do § 1º e no § 2º do art.17 da Lei Complementar nº 123.

A aceitação da lei instituidora foi tão ampla que apelidou-se o novo regime  de Super Simples, a ideia inicial era abrir caminhos para a simplificação e unificação no recolhimento de tributos.

O marco fundamental nesse processo foi a criação da figura do microempreendedor individual, que permitiu a formalização da atividade econômica exercida por milhões de pessoas que agiam antes na informalidade, protegendo-as no âmbito previdenciário e garantido ingresso de receita aos cofres públicos.

Antes da publicação da LC 123, tentou-se  de diversas formas implementar sistemas de simplificação de arrecadação tributária, em obediência à regra do art. 170,IX  da Constituição da República Federativa do Brasil – CRFB/1988, cuja premissa básica é  o princípio constitucional de tratamento favorecido para as empresas de pequeno porte, constituídas sob as leis brasileiras  e que tenham a sua sede em administração no país.

Entende-se igualmente, o teor expresso no art. 179 da CRFB /88 a qual prevê tratamento jurídico diferenciado às microempresas e às empresas de pequeno porte, com o fim de incentivar a simplificação de suas obrigações administrativas, previdenciárias e tributárias. Vejamos:

Art. 170 da CRF/88:  A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre 

iniciativa, tem por fim assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da justiça social,

observados os seguintes princípios:

(...)

IX - tratamento favorecido para as empresas de pequeno porte constituídas sob as leis brasileiras e que

tenham sua sede e administração no País.

A respeito do tema, esclarece o ilustre doutrinador Alexandre  (2014, p. 669):

Com fundamento na autorização constitucional, foi editada a Lei Complementar 123/2006, instituindo, conforme afirma seu primeiro artigo, normas gerais relativas ao tratamento diferenciado e favorecido a ser dispensado às microempresas e empresas de pequeno porte no âmbito dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.

 Assim sendo, o ordenamento jurídico passou a prever o tratamento diferenciado na arrecadação tributária de microempresas e empresas de pequeno porte.

CONCEITOS INICIAIS

Sabe-se que o Simples Nacional é um regime tributário diferenciado criado para atender à Micro e Pequenas Empresas, e tem por objetivo  a junção de tributos federais, estaduais e municipais cobrados em um  documento único.

Esse regime foi elaborado e está previsto na LC 123 de 2006, cuja vigência iniciou-se em 2007. O Simples Nacional surgiu para desburocratizar o regime tributário anterior, Simples Federal, que não admitia a inclusão de tributos estaduais e municipais, apenas com previsão para os tributos federais.

O ilustre doutrinador  Eduardo Sabbag (2014, p. 569) faz breves comentários sobre o regime diferenciado, conforme cito a seguir:

 O SUPERSIMPLES não é um tipo de “imposto”, nem um tipo de “tributo”; também não é “isenção” ou “conjunto de benefícios”. Trata se, em verdade, de um sistema de pagamento unificado de vários tributos, em regra, mais benéfico do que a tributação convencional, em que a adesão é facultativa (ver art. 146, III, “d”, parágrafo único, I, CF), exceto no caso de empresas cuja opção esteja vedada (art. 17, I a XIV, da LC n. 123/2006).

Referenciando a doutrina quanto à matéria ora abordada, colhe-se fundamentada orientação neste sentido, conforme ilustra o insigne Mestre Carneiro (2012, p. 442), in litteris:

O Simples Nacional foi instituído pela LC n.  123/2006 trazendo um tratamento favorecido e diferenciado para as microempresas (ME) e empresas de pequeno porte  (EPP) e atualmente, com a edição da LC 128/2008, também para o microempreendedor individual (MEI). A aparente simplicidade do regime intitulado como Simples Nacional e as alíquotas relativamente baixas são o grande atrativo deste regime.

Trata-se de um regime inovador que inaugura uma junção entre os Fiscos, forçando todos os entes federados: União, Estados, DF e Municípios, à imposição de uma norma nacional, uma vez que esta prevê a substituição da pluralidade de regimes tributários especiais  existentes nos entes da federação.

Nas palavras de Sabbag (2010, p. 80):

Repise-se que o Sistema utiliza uma única base de cálculo – a receita bruta mensal da pessoa jurídica, sobre incidirá um percentual de alíquota, dependendo do enquadramento da ME ou EPP. O recolhimento é também mensal, utilizando-se o documento único de arrecadação (DARF).

As ME e EPP que estejam no Supersimples deverão apresentar à Secretaria da Receita Federal do Brasil, anualmente, uma Declaração única e simplificada de informações socioeconômicas e fiscais (art. 25 da Lei 123/ 2006).

Ademais, com o Simples Nacional busca-se evitar conflitos de competência tributária entre os entes federados e a complexidade legislativa decorrente de suas inúmeras legislações.

Para Elali,  Machado e Trennepohl (2011, p. 643)

A pessoa jurídica que optar por se inscrever no Simples Nacional, portanto,

ter, entre outros benefícios:

a) tributa..o com alíquotas mais favorecidas e progressivas, de acordo com a receita bruta auferida;

b) recolhimento unificado e centralizado de impostos e contribuições federais, com a utilização de um

único Darf, no qual estarão incluídos os impostos estaduais e municipais;

c) cálculo simplificado do valor a ser recolhido, apurado com base na aplicação de alíquotas unificadas e

progressivas, fixadas em lei, incidentes sobre uma única base, a receita bruta mensal;

d) possibilidade de adoção de livro caixa no qual ser.o escrituradas toda

a movimentação financeira e bancária;

e) parcelamento de débitos de forma favorecida;

f) dispensa de algumas obrigações trabalhistas, etc.

Não resta dúvidas, portanto, que a LC 123 desempenhou um papel fundamental no exercício da atividade empresarial no Brasil, libertando as ME e EPP que optem pelo regime do Super Simples de maiores entraves na consolidação de suas demonstrações contábeis e fiscais.

Dito isso, agora sim se pode entender por que as sociedades constituídas por ações não podem optar por tal regime unificado de arrecadação. Caracterizada por uma complexa sistemática contábil, a natureza das sociedades por ações simplesmente  é incompatível com o espírito do Super Simples, que não se resume apenas ao recolhimento unificado de tributos.

O Simples Nacional foi criado para facilitar a vida do contribuinte, não é tão “simples” assim para o Fisco, já que este deve recolher os diferentes  impostos dos três entes federados e proceder com a repartição para cada um, o que está em plena conformidade com a Constituição Brasileira, observando o princípio da unidade federativa e respeitando o pacto federativo.

O promissor regime não prejudica as competências tributárias dos entes, pois estes podem exercê-la normalmente mesmo quando da necessidade de mudanças de alíquotas.

Assim sendo, ocorre o nivelamento dos três entes da federação, ou seja, União, Estados, DF e Municípios compartilham o mesmo nível hierárquico, pois a Receita Federal e as Fazendas Estaduais e Municipais trabalham em parceria, utilizando os mesmos dados, recursos e informações em busca de uma justa tributação, visando o ingresso das receitas aos respectivos cofres públicos, uma vez que todos os Fiscos tem amplo acesso às informações, o que dificulta a sonegação e a burla à legislação.

A LEI COMPLEMENTAR 147/2014 E SUAS ALTERAÇÕES

A lei cria uma nova tabela de alíquotas e serviços que entrarão em vigência a partir de 1º de janeiro de 2015, com isso algumas mudanças irão acontecer na cobrança de imposto de microempresas e de profissionais liberais, como advogados e micro sociedades que prestam serviços advocatícios.

Algumas empresas que antes não poderiam ingressar no regime do Simples Nacional, poderão a partir do ano de 2015 optar pelo regime simplificado de tributação, o que facilita a arrecadação por parte dos advogados contribuintes.

Com a novidade, poderão optar pelo regime diferenciado e simplificado, mais de 140 serviços decorrentes de atividade intelectual, técnica, científica e desportiva, além da atividade advocatícia, também a atividade médica, odontológica e os profissionais da comunicação poderão ser beneficiados.

Assim sendo, a nova lei contempla a inclusão de uma série de profissionais do setor de serviços que antes eram impedidos de se beneficiar pelo Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, proporcionando a formalização de diversas atividades e a desburocratização da cobraça de tributos dos profissionais prestadores de serviços.

A INCLUSÃO DA ATIVIDADE ADVOCATÍCIA NO REGIME DO SIMPLES NACIONAL

Analisando a alteração legislativa da Lei Complementar nº 123/2006, decorrente da sanção da Lei Complementar 147 de 07 de agosto de 2014, pode-se notar a inovação de um processo de desburocratização das atividades que inclui os serviços advocatícios prestados por micro e pequenas sociedades de advogados e seu acesso ao sistema de tributação unificada.

A inclusão do advogado no rol do art. 18, § 5º- C,inciso VII da LC 147/2014, de profissionais liberais optantes pelo Simples nacional é resultado de uma longa batalha da Ordem dos Advogados do Brasil, que por meio de proposta legislativa junto à Câmara dos Deputados e após diversas reuniões e pedidos de urgência nas votações, pode ser analisada pelas Comissões responsáveis e encaminhada para votação onde foi aprovada com louvor.

É um grande marco resultante da iniciativa da Ordem dos Advogados do Brasil, e ressalta a importância da matéria  que resultará em uma melhoria financeira no exercício da atividade advocatícia pelo profissional liberal, bem como pelas Sociedades de Advogados.

Segundo a Receita Federal do Brasil,  o advogado que ganha até 180.000,00 (Cento e oitenta mil reais) por ano, antes teria que pagar 17% de impostos. Com a nova lei, inserindo-o no regime simplificado de tributação esse percentual cai para 4,5%, podendo chegar ao limite máximo de tributação de 16, 85%, ou seja, mesmo sendo tributado com o máximo, o advogado ainda assim será beneficiado.

Outro exemplo, se o advogado obtiver uma renda mensal de 5 (cinco) mil reais, passará a pagar a partir do próximo ano, o valor de R$ 225, 00 (Duzentos e vinte e cinco reais), ou seja, percentual de 4,5%. Antes da nova lei, o recolhimento era na monta de 850,00 (Oitocentos e cinquenta reais) com percentual de 17%.

Segundo a Ordem dos Advogados do Brasil,  a nova lei possibilitará a inclusão de cerca  90% (noventa por cento) das sociedades advocatícias no regime do Simples Nacional que antes não poderiam ser beneficiadas.

Atualmente, o advogado autônomo ao exercer a atividade advocatícia, prestando serviços,  cobra os honorários e tem por obrigação pagar o imposto sobre serviços, decorrente desta prestação, por conseguinte também paga o imposto de renda pessoa física, resultante do auferimento da renda, juntamente com a contribuição previdenciária. Ao final dessa somatória de tributação, a arrecadação representará quase 40% dos rendimentos a título de honorários.

Caso esse advogado venha a constituir  uma micro sociedade advocatícia, poderá optar pelo ingresso no sistema do Simples Nacional,    passando a  pagar  uma alíquota que pode ir de 4,5% ao percentual máximo de 16, 85%, que serão pagos em uma única guia de recolhimento. A opção de ingresso de acordo com a nova lei, deve ser feita ainda este ano de 2014  até o mês de dezembro, assim, em 2015, quando a lei entrar em vigor já poderá fazer jus ao benefício.

conclusão

A presente dissertação decorreu da reflexão sobre atualização legal que se faz necessária diante da publicação de uma nova  lei que modificou o ordenamento jurídico  e possibilitou aos microempreendedores e empresários de pequeno porte uma ampliação do rol de atuação.

Trata-se da Lei Complementar n. 147 de 2014 que,  ao alterar o Estatuto da Microempresa, a Lei Complementar n. 123 de 2006,  permitiu que diversas categorias profissionais pudessem optar pelo regime simplificado de tributação, o chamado Simples Nacional, que foi criado na busca de um processo desburocratizador,  na intenção de unificar o processo de arrecadação de tributos.

Com efeito, o presente regime visa unificar em uma única guia a arrecadação de alguns impostos, já mencionados ao longo da pesquisa e,  tem como objetivo, facilitar e organizar o cotidiano de micro e pequenos empreendedores, para tanto inova ao unir o Fisco Federal, Estadual e Municipal.  

Diante desse cenário, o foco dessa pesquisa, foi exatamente visualizar a inserção da figura do advogado como participante de um cenário econômico cujo ingresso possibilitará uma vasta arrecadação de receita aos cofres públicos.

Com isso, as micro e pequenas sociedades de advogados agora estão autorizadas a ingressar  no Regime Tributário Simples Nacional e poderão ter a  sua carga tributária reduzida, em significativo percentual, o que incentiva o profissional liberal a formalizar a prestação dos serviços advocatícios.

Por tudo o que foi exposto, concluímos que a inovação trazida pela Lei Complementar n. 147/2014 é bastante benéfica, não só no sentido de facilitar a prestação dos serviços advocatícios, mas também na busca de formalizar a existência de muitas sociedades de advogados, possibilitando o ingresso de receita aos cofres públicos de uma forma menos burocrática e mais organizada.

Referências

ALEXANDRE, Ricardo. Direito Tributário Esquematizado. 8ª. Ed. São Paulo: Editora Método, 2014.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>.   Acesso em  22/09/2014.

______. Lei  Complementar 123, de 14 de dezembro de 2006. Institui o Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF. 15 de dezembro de 2006. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LCP/Lcp123.htm >. Acesso em: 22/09/2014.

______. Lei  Complementar 147, de 07  de agosto de 2014. Altera a Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006,  e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF. 08 de agosto de 2014. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LCP/Lcp147.htm>. Acesso em: 22/09/2014

CARNEIRO. Claudio. Impostos federais, estaduais e municipais. 4ª. Ed. São Paulo: Saraiva 2012.

ELALI, André; MACHADO, Hugo de Brito. TRENNEPOHL, Terence.  Direito Tributário – Homenagem a Hugo de Brito Machado.   São Paulo: Quartier Latin, 2011.

SABBAG, Eduardo. Manual de Direito Tributário. 4ª. Ed. São Paulo: Saraiva 2014.

SABBAG, Eduardo. Elementos do  Direito Tributário. 12ª. Ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais 2010.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria