Fundamentação dos princípios ambientais da precaução e da prevenção, suas características e distinções.

Os princípios da precaução e da prevenção são aqueles que se antecipam à ocorrência do dano ambiental. Reforçam a regra de que as agressões do meio ambiente, uma vez consumadas, são normalmente de reparação incerta, difícil e custosa (Pilati e Dantas, 2011).

O princípio da precaução, especificamente, determina que os perigos ao meio ambiente sejam eliminados antes mesmo da comprovação científica do nexo de causalidade entre o risco e o dano ambiental.

O preceito recomenda um comportamento “in dúbio pro ambiente”.

Está previsto no art. 15 da Declaração do Rio-92, que diz: “De modo a proteger o meio ambiente, o princípio da precaução deve ser amplamente observado pelos Estados, de acordo com suas capacidades. Quando houver ameaça de danos sérios e irreversíveis, a ausência de absoluta certeza científica não deve ser utilizada como razão para postergar mediadas eficazes e economicamente viáveis para prevenira degradação ambiental”.

O princípio da precaução também conta expressamente na Convenção sobre Mudança de Clima (art. 3º, item 3) e do art. 1º da Lei de Biossegurança (Lei n. 11.105/2005). Na constituição Federal de 1988, o mesmo princípio é previsto de forma implícita (Pilati e Dantas, 2011).

Em síntese, o princípio da precaução é a prudência ou cautela para a intervenção, liberação ou plantio de espécies ou substâncias de que ainda não se conheçam as consequências para o meio ambiente e a saúde humana (Melo e Oliveira, 2012).

Já o princípio da prevenção assegura a eliminação dos perigo “cientificamente já comprovados” (diferente do princípio da precaução, que combate o perigo antes mesmo da elaboração de comprovação científica), isto é, risco concreto e conhecido pela ciência. O princípio da prevenção atua quando existe certeza científica quanto aos perigos e riscos ao meio ambiente, determinando obrigações de fazer e de não fazer. Ex: Licenciamento Ambiental e Gestão de Riscos; os impactos negativos ambientais são identificados, mitigados e compensados depois da avaliação (Pilati e Dantas, 2011).

Um instrumento importante  de efetivação do princípio da prevenção é o Estudo prévio de Impacto Ambiental (EPIA), previsto no inciso IV do § 1º do art. 225 da CRFB/1988.

O EPIA consiste no estudo de medidas de mitigação e/ou compensatórias e, no mesmo sentido, o licenciamento ambiental de atividades efetiva ou potencialmente poluidoras é igualmente decorrente do princípio da prevenção. Outra face do mesmo princípio é o poder de polícia ambiental (Melo e Oliveira, 2012).

Analisando o ADPF n. 101 – importação de pneus usados para o Brasil para reciclagem e reutilização na frota brasileira, no item 4 do acordão ressalta que:

4. Princípios Constitucionais (art. 225) a) do desenvolvimento sustentável e b) da equidade e responsabilidade intergerencial. Meio ambiente ecologicamente equilibrado: preservação para geração atual e para as gerações futuras. Desenvolvimento sustentável: crescimento econômico com garantia paralela e superiormente respeitada da saúde da população, cujos os direitos devem ser observados em face das necessidades atuais e daquelas previsíveis e a serem prevenidas para garantia e respeito às gerações futuras. Atendimento ao princípio da precaução, acolhido constitucionalmente, harmonizado com os demais princípios da ordem social e econômica”.

Concluindo, a ADPF n. 101 pode-se dizer que o tema é uma clara evidência de afronta a vários princípios, em especial o da precaução – “in dubio pro ambiente” – pois não podia afirmar com absoluta certeza científica qual seria o tamanho do dano ambiental para a presente e futuras gerações (art. 225, caput, da CRFB/1988), e também afronta o princípio da prevenção pois há dados cientificamente comprovados de que as carcaças de pneus causam graves danos ambientais devido a alta concentração de calor emitida na sua queima, conjuntamente a exalação de gases tóxicos poluidores, além de demonstrar um longo tempo de decomposição no meio ambiente – por volta de 600 anos, absurdamente desproporcional com a demanda de produção e consumo humano, em especial no Brasil.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria