Muitos consumidores têm enfrentado sérios problemas junto a companhias de telefonia e empresas de TV a cabo quando decidem cancelar a sua linha ou assinatura. Confira algumas dicas para protege-lo juridicamente.

Muitos consumidores têm enfrentado sérios problemas junto a companhias de telefonia e empresas de TV a cabo quando decidem cancelar a sua linha ou assinatura.

Causa estranheza em tempos de alta tecnologia, onde é possível fazer quase tudo através de um “clique”, que o consumidor tenha que enfrentar uma enorme burocracia, como despender horas com atendentes, call centers ou enviar formulários complexos, para conseguir se desvincular de planos contratados.

A Proteste - Associação Brasileira de Defesa do Consumidor divulgou, em agosto deste ano, um ranking com as empresas e os serviços mais reclamados por consumidores naquele mês (considerando serviços em geral). Um dado espantoso é que o direito ao cancelamento e à rescisão de contrato de telefonia e de TV a cabo estavam entre as TOP 10 reclamações.

É importante lembrar que o Código de Defesa do Consumidor estabelece em seu artigo 35, inciso III, que o consumidor tem direito à rescisão contratual caso o fornecedor descumpra a oferta acordada previamente.

Ademais, as normas da ANATEL, em especial a Resolução nº 632/14, também estabelecem que são direitos do consumidor a liberdade de escolha da sua prestadora e do plano de serviço, bem como a rescisão do contrato de prestação de serviços, a qualquer tempo e sem ônus, exceto quando aplicáveis condições de Contratos de Permanência (Fidelização).

Em outras palavras, a ANATEL entende que o consumidor pode se desvincular dos Contratos de Prestação de Serviços firmados a qualquer momento, pois possui liberdade de escolha. Por outro lado, também estabelece que a Prestadora pode oferecer benefícios ao consumidor (pacotes promocionais ou vantagens) e, em contrapartida, exigir que este permaneça vinculado ao Contrato por um prazo mínimo.

Contudo, importante que o consumidor saiba que o prazo limite para esta fidelização é de 1 (um) ano, devendo ser firmado um documento a parte entre o consumidor e a Prestadora, denominado “Contrato de Permanência”.

A Prestadora tem o direito de cobrar multa caso o consumidor cancele o Contrato de Permanência antes do prazo estipulado, mas esta deverá ser proporcional ao tempo restante da fidelização e ao valor do benefício oferecido (o cálculo deve integrar o Contrato). Além disso, a multa somente será exigível se tiver sido claramente informada ao consumidor, antes da contratação, e desde que a Prestadora não tenha descumprido com quaisquer de suas obrigações durante a prestação dos serviços. Em caso de inadimplência da Prestadora ou falta de informação ao consumidor, a multa não poderá ser cobrada!

Vale destacar que a fidelização só pode ser uma opção para o consumidor se a Prestadora oferecer algum benefício em troca, por exemplo, um desconto significativo no preço do serviço.

Quanto ao tempo para processamento da rescisão, as normas da ANATEL estabelecem que, caso a Prestadora possua um espaço reservado em seu website para processar rescisão de contratos, referida rescisão deverá ser feita de forma automática, sem intervenção de atendente, e em até 02 (dois) dias úteis. Caso a rescisão seja feita pelo telefone, através de atendente, a rescisão deve ser imediata.

Em síntese, os consumidores devem exigir das companhias de telefonia e de TV por assinatura que respeitem o seu direito ao cancelamento e à rescisão do contrato. O consumidor apenas será obrigado a pagar multa se estiver vinculado a um Contrato de Permanência, e desde que esta condição tenha sido prévia e claramente informada pela Prestadora. 

------

(*) Consulte sempre seu advogado ou profissional habilitado para analisar o seu caso em específico e orientar-lhe quanto às melhores alternativas.  Todos direitos reservados. Este material não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem autorização.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0