Apesar de polêmica, a Lei n.° 13.188/2015 já está em vigor. Assim sendo, para um melhor entendimento, segue lista com 14 itens sobre como e quando esse direito poderá ser exercido.

  1. A lei disciplina o exercício do direito de reposta ou retificação do ofendido em matéria divulgada, pública ou transmitida por veículo de comunicação;
  2. O Direito de Reposta será gratuito e proporcional ao agravo;
  3. O exercício do Direito de Resposta não prejudicará eventual ação de reparação por danos morais;
  4. prazo decadencial é de 60 (sessenta) dias, contados da data de cada divulgação, publicação ou transmissão da matéria ofensiva;
  5. O Direito de Resposta deverá ser exercido, mediante aviso de recebimento, encaminhado diretamente ao veículo de comunicação ofensor;
  6. A resposta ou retificação deverá ser feita no mesmo veículo de comunicação em que se deu a ofensa, bem como terá o mesmo destaque, alcance, publicidade e periodicidade de duração da matéria que a ensejou;
  7. O ofendido, seu cônjuge, descendentes, ascendentes ou irmãos são os legitimados a exercerem o direito de reposta;
  8. Somente se poderá ingressar na justiça quando o ofensor não divulgar a resposta ou retificação no prazo de 07 (sete) dias, contados do recebimento do pedido;
  9. A lei previu um rito especial para o trâmite da ação judicial relativa ao direito de reposta, não sendo permitido cumulação de pedidos diversos, reconvenção, litisconsórcio e intervenção de terceiros;
  10. O prazo para apresentar contestação é de 03 (três) dias;
  11. A ação deverá ser processada no prazo máximo de 30 (trinta) dias;
  12. Não há admissão de prova/exceção da verdade nos casos de injúria;
  13. O prazo para prolação da sentença é de 30 (trinta) dias, contados do ajuizamento da ação;
  14. Não haverá a suspensão da tramitação processual durantes as férias forenses.


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0