Não se vê a vítima com a devida importância na resolução de conflitos no cenário jurídico brasileiro, sendo talvez, necessária reforma na legislação para abranger a vítima como parte maior no processo penal.

1. INTRODUÇÃO 

Vitimologia é o estudo da vítima, sobretudo sob seus variados aspectos. Inerente ao Direito Penal, fundamentando sua relação sob o ponto de vista da vítima em detrimento ao infrator. Em seu dicionário jurídico, Maria Helena Diniz (1998, p. 751) define vitimização como o ato de tornar alguém vítima, ação ou efeito de vitimar pessoa ou grupo. O instituto de estudo da vítima através da sua individualização e observação científica e aplicação na reparação do dano. 

VISÃO HISTÓRICA

O estudo da Vitimologia teve como fundador Benjamin Mendhelson, Advogado e Professor Emérito de Criminologia da Universidade Hebraica de Jerusalém, que no ano de 1947 apresentou sua conferência “Um novo Horizonte na ciência biopsicossocial – a Vitimologia” e em sua obra "A Vitimologia". Outros autores também tem importância na atribuição do que se entende por vitimologia, entre eles, alguns dos mais célebres sendo Marvin Wolfgang  (1924-1998). No Brasil, autores como Luiz Flávio Gomes e Antonio García-Pablos de Molina estudam a Vitimologia em suas diversas obras.

2.  o instituto da reparação NO DIREITO BRASILEIRO

A legislação brasileira está em consoante ao que tende no cenário internacional de cada vez mais dá mais valor ao vitimado. A reparação, entretanto, ainda é visto de forma mais tímida em nosso Código Penal e em seu Código de Processo Penal. Anterior à Lei 11.719/2008, a reparação ainda é vista de forma tímida no Direito no Brasil. a reparação, tendo como intuito reabsorção pela vítima do que atingiu seu status quo, é amplamente utilizada em outros países, como a Itália e Espanha. Há de se ressaltar que os códigos Penal e Processual Penal utilizados no Brasil datam de 1941, época que destoa completamente do atual cenário sociale; as políticas criminais adotadas por vezes não se valem de total aplicabilidade condizente com a atual realidade social e haja vista realidade econômico-social do Brasil. Há disposições sobre o tema de alguns autores brasileiros, como Dirle José Coelho Nunes. Dispõe Nunes acerca do tema:

Com o avanço de alguns estudos científicos da alta modernidade, percebe-se a impossibilidade da construção de procedimentos tomando-se por base tão somente a busca de seus resultados pragmáticos, mas, ganha importância uma estruturação que aplique as normas fundamentais processuais (modelo constitucional de processo) em perspectiva dinâmica e que procure a sua adaptação plena ao contexto de adequabilidade normativa de aplicação da tutela estatal. (NUNES, 2008, p. 40 e 41)

Nota-se que a tutela estatal para com a vítima é relativa. Haja vista que além da sociedade como um todo, o maior  interessado na obtenção do retorno ao supracitado "estado de normalidade" é a própria vítima. Sendo a norma meio de tutelar a regularidade social e a ordem jurídica, estranha-se não se dar maior destaque ao vitimado em leis mais específicas sobre o tema, não e tão somente em relação a reparação, mas também no sentido de estudo das diferentes relações que compreendem o que se entende como utilização do próprio Direito Penal no Brasil.

CONCLUSÃO

Observa-se pouca construção doutrinária  legislativa em relação à vítima. É necessário enxergar a vítima como parte atuante e atentar-se mais o que se tem por dano à vítima do que a punição de fato de quem comete o delito.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria