Defende o voto limpo, o uso das redes sociais de forma consciente e a legislação que permite a exposição da candidatura na fase que antecede ao calendário de campanha.

A eleição de vereador é uma das mais difíceis, pode acreditar. Primeiro que ela é resultado de vários fatores e alguns desses independem do número de votos que você tenha. Mas é possível vencer esse obstáculo e chegar lá.

Trabalhando com eleições há vários anos, chegamos a algumas conclusões sobre passos importantes que precisam ser dados para conquistar esse sonho que algumas pessoas têm. É possível ser eleito. E digo mais, o orçamento não é o mais importante.

1.  Primeiro é importante você se posicionar sobre que tipo de candidato é você. Ter em mente os motivos que levam você a acreditar que pode se eleger. Você é um líder nato? Você representa uma classe ou um movimento social? Para ganhar a eleição a dica número um é ter bem clara essa resposta. A partir dessa avaliação, que você mesmo pode fazer, traçará os seus objetivos e suas metas e a forma de ganhar a eleição. Um candidato ideológico, que tem liderança firmada num partido político onde constrói sua candidatura é diferente de um líder religioso, que é diferente de um empresário que representa uma entidade ou de um cidadão do povo que quer chegar no Legislativo Municipal, sem vínculos com entidades ou movimentos sociais.

2. Feito o diagnóstico do item 1, passe a construir o seu discurso. Esse discurso precisa estar em sintonia com a sua história política. Um discurso para uma candidatura com liderança numa entidade de classe, para um sindicato, para uma candidatura de um jovem político militante na universidade, não pode ser o mesmo de um empresário ou de um cidadão que resolve candidatar-se e filia-se a um partido político. Esse discurso você usará em todas as reuniões e encontros, adaptados ao público, mas deixando claro as metas do mandato e os propósitos da candidatura.

3. Nessa fase você não tem como trocar de partido, a escolha foi feita. Mas como filiado e pretenso candidato (ainda não existe candidatura), você pode acompanhar as coligações. Veja quem são os demais candidatos que integrarão a sua chapa, a sua nominata. Lembre que no Brasil a eleição se dá pelo sistema de legenda e quem vai te eleger é o número de votos da soma de todos os candidatos da legenda. Você precisa apenas estar entre os mais votados da coligação e precisa torcer para a coligação atingir o coeficiente eleitoral da sua cidade. Se a soma de todos os votos não atingir o coeficiente, você, nem ninguém de sua coligação, terão condições de ganhar uma vaga no Legislativo. Você sabe que pode ser o candidato mais votado da cidade e não eleger-se para a Câmara de Vereadores? O coeficiente é a soma de todos os votos dados a todos os vereadores, de todas as coligações, dividido pelo número de vagas na Câmara Municipal.

4. Atenção para as redes sociais. Essa é a primeira eleição em que as redes podem ser usadas na pré-campanha. Esteja treinado para usar suas redes e não desperdiçar uma oportunidade de ouro. Já lhe garanto uma coisa, poucos estão usando as redes como deveriam e poderiam. Busque um treinamento específico. As redes sociais vão decidir pelo menos 40% dos votos para as vagas no Poder Legislativo em 2016. A campanha nas redes é gratuita e tem um retorno totalmente garantido caso seja muito bem feita. Nas redes, lembre que você precisa falar sobre você e precisa ouvir, dialogar e conversar com o eleitor e com seus amigos.

Essa é a primeira eleição em que as redes podem ser usadas na pré-campanha. Esteja treinado para usar suas redes e não desperdiçar uma oportunidade de ouro.

5. O primeiro lugar que você deve fazer campanha é junto aos seus familiares. Ou seja, a campanha começa em casa. Discuta e ouça os familiares, amigos, vizinhos e pessoas que podem transformar-se em cabos eleitorais. As redes sociais podem ajudar nesse contato, mas nada, nada substitui o contato pessoal. Em todos os contatos a principal conversa deve ser a explicação sobre os motivos da candidatura.

6. Estudou o que faz um vereador, conheça as proposições dos vereadores da sua cidade. Veja o que você terá para discutir, apresente proposições aos eleitores. Lembre que há 20 anos, as campanhas eram feitas na base de promessas, mas hoje a maioria da população sabe o que faz um vereador. Buscar o eleitor com ilusões pode levar você a ouvir o que não quer.

7. Prepare-se para o fisiologismo, para os pedidos inusitados, desde o pagamento de uma conta de luz, até os pedidos de emprego e até de alimentos. Prepare-se também para as ofertas que são feitas em troca de doações e até do pagamento por votos. Esse é um caminho perigoso e sem volta. Se você aderir à compra de votos e a troca por empregos, sempre será dependente disso. E correrá riscos, pois comprar votos é crime. Essa política valia muito, mas hoje é uma realidade decrescente. Não direi a você que não existe, pois ela é mais comum do que imaginamos, mas se você é um político inexperiente, busque outras alternativas. O voto é secreto, quem lhe pede dinheiro, pede ao seu concorrente, pede ao partido e angaria muitos recursos ilicitamente nessa época do ano. A sugestão é: crie um discurso firme para afastar isso. Conquiste o voto com valores. O eleitor brasileiro está passando um momento de profunda transformação. A corrupção e o fisiologismo estão em discussão nas redes sociais e em todos os meios de comunicação. Há votos não fisiológicos e eles podem te eleger, vá atrás deles.

8. Trace metas de visitas. Acho que hoje, se você pretende eleger-se, nessa reta final, deve marcar pelo menos dois encontros por dia. Visite amigos, parentes, peça a eles que reúnam vizinhos, marque pequenas reuniões, com 4, 8 e no máximo 10 pessoas. Procure grupos homogêneos e leve esse discurso que você preparou para eles. Antes dessa reunião converse muito com o anfitrião, diga o que você pretende. Nas reuniões não precisa ter distribuição de alimentos ou brindes, busque o diálogo, a troca de informações, ouça muito e fale também.

9. A campanha não pode redundar-se apenas em autopromoção. Essa regra vale para as redes sociais e para as reuniões e encontros do dia a dia. Gaste o tempo na seguinte proporção, 20% falando de você, convencendo que você tem condições e está preparado para representar aquele eleitor e os 80% restantes do tempo, são dedicados a ouvir. Interaja, pergunte, responda, dialogue, mostre ao eleitor que ele é importante.

10. Acredite em você, confie na vitória, tenha certeza e firmeza nas proposições. Envolva um grupo, crie um grupo, transforme seus eleitores em amigos. Para ganhar é preciso confiar em sua capacidade e confiar no eleitor. Se o seu vizinho diz que vota em você, não discorde, isso é fundamental. Gaste sola de sapatos, andar é fundamental. Para isso, cuide de sua saúde, de seu bem-estar físico e mental. O eleitor quer ouvir um candidato com discurso positivo. Por pior que esteja o país e a situação da cidade, transmita positividade. Dica importante, faça uma lista dos votos que serão seguros, comece com a sua casa, depois vá para os amigos mais envolvidos, tenha essa lista em mãos. Você pode, você consegue.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria