Não é o Juiz que “solta”, mas sim, é o preso que tem o direito de responder em liberdade enquanto não houver o trânsito em julgado de decisão penal condenatória; cabendo ao juízo cumprir a lei, isto é, a justiça, em nome de um Estado LIVRE Constitucional.

De plano, diante da problemática e celeuma ventilada, a polícia prende e a justiça solta, respondo: NÃO É BEM ASSIM.

A epigrafada máxima popular é deflagrada cotidianamente de forma desacertada, calcificada pela imprensa “datenista”, a qual, por meio do “jurista” Luiz Datena, reitera várias vezes: “Me dá imagens”, “Me ajuda aí, ô”, “Essa é a grande realidade”, entre tantos outros bordões virais.

Destarte, transformando a legislação penal, como também o judiciário, merecedores de descréditos. Sendo anunciado pela imprensa apenas as prisões em flagrante, por seguinte as liberdades provisórias concedidas, jamais, acompanhando as instruções processuais, tampouco as sentenças, as quais, diga-se de passagem, a maioria possui final condenatório, por seguinte, cumprimento de pena nos regimes fechado, semiaberto ou aberto. ISSO A IMPRENSA NÃO NOTICIA.

Ora, nobres leitores, o caso não é tão simples, merecendo alguns esclarecimentos.

Funciona assim: vivemos em um Estado Democrático de Direito, estabelecido sobre a defesa dos direitos e garantias fundamentais, condição aquela adquirida por meio de duras lutas travadas por heróis do povo, tomando para exemplo a liberdade de expressão nas redes sociais; a oportunidade de votarmos, seja num representante de bairro, seja em um presidente da República, entre tantas outras liberdades ilustrando Direitos adquiridos.

Pois bem, se direitos foram conquistados, logo, infere-se: devem ser respeitados. Em seguida, oportuno haver deferência ao Devido Processo Legal, o qual, diga-se simploriamente, nada mais é do que a obediência a um caminho processual em direção a uma possível condenação; bem como, ao princípio da não-culpabilidade (presunção de inocência).

Avante. Imaginem a seguinte situação: o Estado é aquele que prende (Estado-polícia), investiga (Estado-Polícia Civil), denuncia (Estado-Ministério Público), processa (Estado-Ministério Público-Juiz) e, por final, julga (Estado-Juiz). Percebam, o Estado acusa e ao mesmo tempo julga (Sistema Acusatório). Seria como, por exemplo, Pedrão receber o valor de R$ 500,00 emprestado de Rubinho. Pedrão não devolver/pagar a quantia. Rubinho o acusa de apropriação indébita e mais outros tipos penais. Pedrão é condenado.

Desse modo, nota-se, Pedrão já nasceu sentenciado; pois, como ele irá defender-se de Rubinho, se este é o mesmo que acusa e julga?

É nesse sentido que faz-se necessária a presença do Devido Processual Legal, um rito a ser seguido, como também, em geral, o respeito aos direitos e garantias constitucionais.

É nesse raciocínio que coloca-se em xeque o título do presente texto: a polícia prende e a justiça solta.

Ora, é por essa e tantas outras razões, em cumprimento a direitos constitucionais, que o réu é colocado em liberdade, mesmo sendo de clareza solar ele ser o autor de suposto crime. Justifica-se tal medida, tendo em vista que a prisão antes do transito em julgado de decisão penal condenatória (decisão irrecorrível) é EXCEÇÃO, devendo, como regra, aplicar a liberdade, combinada, ou não, com outra medida menos drástica, o monitoramento eletrônico, por exemplo.

Por fim, não é o Juiz que “solta”, mas sim, é o preso que tem o direito de responder em liberdade enquanto não houver o trânsito em julgado de decisão penal condenatória; cabendo ao juízo cumprir a lei, isto é, a justiça, em nome de um Estado LIVRE Constitucional Democrático de Direito de FATO.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria