Nesse pequeno artigo, retrata-se a realidade vivenciada para acesso ao Judiciário no Estado de São Paulo, que resta inviabilizado, de início, pelo valor das custas processuais.

“Sobre o livre(?) acesso ao Poder Judiciário”

Era uma vez um jurisdicionado.

Participou de uma licitação em Santos, interior de São Paulo, para realização de obra pública no valor de R$ 50 milhões.

Foi ilegalmente inabilitado no certame. Recorreu administrativamente. Negado provimento ao recurso.

Inconformado, procurou o Poder Judiciário paulista para ver prevalecer, como deve mesmo ser, o império da Lei. O art. 5º, inciso XXXV, da Constituição Federal,[1] o ampara na situação.

Constituiu advogado para o intento. Orientado a respeito da necessidade de eventual necessidade de dilação probatória, anuiu com a propositura de ação ordinária em vez de mandado de segurança. Daí a surpresa!

A Tabela de Custas do Judiciário Paulista, gentilmente disponibilizada no sítio eletrônico da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional São Paulo,[2] traz a notícia: “Para petições iniciais, a Taxa Judiciária é de 1% (um por cento) sobre o valor da causa no momento da distribuição ou, na falta desta, antes do despacho inicial.”

O art. 292, inciso II, do Código de Processo Civil vigente, estipula que o valor da causa constará da petição inicial e será na ação que tiver por objeto a existência, a validade, o cumprimento, a modificação, a resolução, a resilição ou a rescisão de ato jurídico, o valor do ato ou o de sua parte controvertida”.

Entendido que o valor da causa, no caso concreto, seria o valor do contrato em disputa – R$ 50 milhões – o valor das custas seria, portanto, de R$ 500 mil! Esse mesmo. Imagine-se que, para ingressar com uma ação judicial, sabe-se lá que resultado terá, o autor deve desembolsar, de início, meio milhão de reais!

Mas (há sempre um mas), o Judiciário paulista, ciente de que tais situações poderiam ocorrer e, na prática, inviabilizar totalmente o acesso à Justiça, criou um limitador, na mesma Tabela de Custas:

“Deverá ser observado o valor mínimo de 5 (cinco) e máximo de 3.000 (três mil) UFESPs - Unidades Fiscais do Estado de São Paulo, segundo o valor de cada UFESP vigente no primeiro dia do mês em que deva ser feito o recolhimento.

Para o exercício de 2018, o valor da UFESP é de R$ 25,70.”

Feitas as contas, considerando que o valor máximo da Taxa Judiciária foi atingido, o pagamento inicial, afora outras taxas e cobranças feitas naquela Instância,[3] seria de R$ 77.100,00! Esse mesmo.

Imagine-se, agora, o jurisdicionado que procura o Poder Judiciário para não ver desrespeitado direito seu, tomar conhecimento desta notícia:

“- o senhor deve pagar, apenas para a ação começar, o valor inicial de R$ 77.100,00. Afora honorários advocatícios e outras despesas. Daí é só aguardar alguns anos e, se tudo correr bem, terá seu direito assegurado ao final.”

Por óbvio, o jurisdicionado desistiu da ação e de corrigir o ato ilegal, que foi, por vias transversas, perpetuado no seio da Administração, dando azo a contrato viciado fruto de procedimento licitatório com igual pecha.

Uma obra pública no valor de R$ 50 milhões não é uma obra pequena. Mas também não é grande, haja vista algumas delas chegarem à casa dos bilhões de reais. O jurisdicionado deve sempre sopesar estes aspectos na hora de tomar a decisão de seguir adiante ou não.

No caso vertente, o jurisdicionado, caso se sagrasse vencedor na lide judiciária, ainda correria o risco de não celebrar o contrato, pois o objeto da obra poderia até já ter sido executado por outra empresa, pois a Administração não aguardaria o desfecho da lide para adotar as providências protetivas ao interesse público que lhe cabem.

Se celebrasse o termo contratual e de fato executasse a obra, descontados os valores despendidos com a ação judicial, o jurisdicionado poderia ainda amargar prejuízos com toda a operação, pois os lucros que obteria com a execução da obra pública poderiam ter se esvaído na lide judiciária.

Com um cenário desses, não é possível imaginar que o acesso à Justiça esteja franqueado e factível como deseja a Constituição Federal.

Bem sopesados os valores econômico-financeiros em questão, o Direito vindicado permaneceria violado e, pior, perpetuando-se no seio da sociedade brasileira como praga a perpetuar tantos desmandos que, no dia a dia, procuramos evitar e corrigir.

Com a palavra, enquanto ainda há tempo, o Poder Judiciário paulista.


[1] Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

(...)

XXXV - a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito;

[2] Disponível em http://www.oabsp.org.br/servicos/tabelas/tabela-de-custas/justica-estadual. Acesso em 05 fev. 2018. Tabela atualizada em 22 jan. 2018.

[3] Taxa de Mandato Judicial, Diligências de Oficiais de Justiça, entre outras.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso