O Tribunal Regional Federal da 4ª Região desobrigou uma beneficiária do INSS, ao ressarcimento dos valores que recebera indevidamente por 11 anos em razão da pensão por morte do pai, tendo a 3ª Turma do TRF4 entendido que não houve má-fé da beneficiária e que por ter natureza alimentar a verba é irrestituível.

No caso concreto a beneficiária ajuizou ação na Justiça Federal de Florianópolis/SC, após receber notificação do INSS comunicando a irregularidade e cobrando os valores, que chegavam a R$ 56.765,00 (cinquenta e seis mil, setecentos e sessenta e cinco reais), sob o fundamento de que recebia a pensão desde os seis anos de idade e desconhecia as regras de manutenção do benefício, acreditando que teria direito ao mesmo enquanto permanecesse solteira.

Analisando os autos, se pode constatar que o erro ocorreu em razão do equívoco do Instituto Nacional do Seguro Social, que mesmo tendo cancelado a pensão quando a autora completou 21 anos, seguiu fazendo o depósito mensal.

De acordo com a desembargadora federal, relatora do caso, “o erro que ocasionou o recebimento indevido do benefício previdenciário se deu por parte do Instituto Nacional do Seguro Social, autarquia especializada, que detém conhecimento em matéria previdenciária, e a quem cumpriria cancelar o benefício (...) e que não é possível exigir da requerida conhecimentos técnicos acerca de matéria previdenciária”.

Entendo ser acertada a decisão do Tribunal sob os três fundamentos, vejamos:

1.O Supremo Tribunal Federal (STF), ao julgar o Mandado de Segurança n. 256.641/DF, entendeu ser insuscetível de devolução a percepção de vantagem indevidamente paga pela Administração ao servidor quando houver: “presença de boa-fé do servidor; ausência, por parte do servidor, de influência ou interferência para a concessão da vantagem impugnada; existência de dúvida plausível sobre a interpretação, validade ou incidência, no momento da edição do ato que autorizou o pagamento da vantagem impugnada; interpretação razoável, embora errônea, da lei pela Administração”.

2.O Superior Tribunal de Justiça consignou no Recurso Especial nº 1.244.182/PB, julgado sob o rito de recurso repetitivo, nos termos do artigo. 543-C do CPC, que a interpretação errônea da Administração que resulte em um pagamento indevido ao servidor acaba por criar-lhe uma falsa expectativa de que os valores por ele recebidos são legais e definitivos, daí não ser devido qualquer ressarcimento. Entretanto quando houve a percepção for de má-fé, pode-se estar, em verdade, diante de uma fraude e a restauração da normalidade não se dará apenas com a mera devolução do que se recebeu indevidamente, mas com providência de ordem disciplinar, e até penal.

3.O Tribunal de Contas da União, bem como a Advocacia-Geral da União, tem entendimento sumulado que: “O julgamento, pela ilegalidade, das concessões de reforma, aposentadoria e pensão, não implica por si só a obrigatoriedade da reposição das importâncias já recebidas de boa-fé, até a data do conhecimento da decisão pelo órgão competente. (Súmula n. 106 do TCU); Não estão sujeitos à repetição os valores recebidos de boa-fé pelo servidor público, em decorrência de errônea ou inadequada interpretação da lei por parte da Administração Pública. (Súmula n. 34 da AGU)”.

Assim, podemos concluir ser acertada a decisão da 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, haja vista que se o pagamento decorreu de interpretação pela própria Administração das normas de regência, o eventual pagamento indevido, não está sujeito à respectiva reposição, por não ter a beneficiária atuado de qualquer modo para o recebimento do que não lhe era devido.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

1

  • 0

    Na Freitas

    Bom dia. Preciso de uma orientaçao. Dei entrada na pensao por morte do pai da minha filha. Por algum motivo a esposa q tb tem um filho com ele deu entrada e acredito que tenha tido um erro por parte do inss. O beneficio teve rateio. Porem eu recebi alguns atrasados mas que na minha situação estava correto até pq nao tenho contato com a familia do pai da minha filha. Agora o Inss fez um consignado e esta descontanto no valor da pensao da minha filha. Esses atrasados são devidos a eles tambem? Tenho que autorizar esse consignado uma vez que nao fui notificada e parece que tem um prazo para receber a mulher e o filho tem direitos?