Breve análise desta nova modalidade de contrato de trabalho formal.

A mais recente alteração da Consolidação das Leis Trabalhistas trouxe inúmeras dúvidas e inovações aos contratos de trabalho. E neste post, destaca-se uma nova modalidade do contrato de trabalho: o contrato de trabalho intermitente.

Em termos simples, este é um novo contrato de trabalho que permitirá uma flexibilidade maior para a empresa administrar sua força laboral e para o funcionário ter mais oportunidades de trabalho em diversos postos de trabalho para diferentes empresas.

Contudo, há algumas características deste contrato de trabalho que precisam de ter maior cuidado e atenção para que seja válido o contrato de trabalho intermitente. 

O primeiro deles é que este contrato deverá ser escrito, onde deverá estar descrito todas as condições do trabalho. Nele deverá contar o valor da hora – salário que será pago ao contratado, devendo este valor ser no mínimo igual ao valor da hora – salário com base no salário mínimo ou com base no salário pago pela empresa para a função que o contratado trabalhará. 

Exemplo: atualmente, em 2018, o salário mínimo mensal é de R$ 954,00. Assim o valor da hora de trabalho será de R$ 4,34, considerando a quantidade máxima de 220 horas de trabalho mensal. E em uma segunda hipótese, sendo R$ 1.000,00 o salário pago pela empresa para aquela função que o contratado trabalhará, a sua hora – salário será de R$ 4,54, também considerando a duração máxima mensal.

Algumas características típicas e comuns deste contrato serão o da existência do vínculo de emprego e a relação de subordinação entre o funcionário e a empresa, mas com menor intensidade. Mas como em menos intensidade? Se o funcionário não for convocado para trabalhar, ele poderá prestar serviços em outras empresas .

E como se faz essa convocação ao trabalho? A empresa terá que chamá-lo em até, no máximo, três antes da data prevista para o início do trabalho, devendo ser feita a convocação de forma clara e eficaz, de modo que não reste dúvidas que o funcionário foi realmente convocado.

E se convocado, o que o funcionário deve fazer? Terá ele um dia útil para dizer se aceita ou não. E neste caso, o famoso “quem cala consente” não funciona, se o convocado nada disser, a lei traduz o silêncio como se a convocação houvesse sido recusada pelo obreiro. 

E se houver algum descumprimento a alguma clausula este contrato? Se a proposta for aceita, se houver descumprimento ao contrato celebrado, tanto por parte do funcionário, quanto do empregador, que não for fiel ao contrato, deverá pagar multa de 50% do valor total da remuneração que será objeto desta relação de emprego. Ou seja, é aplicação para ambos os celebrantes deste contrato.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria