Estelionatários se aproveitam do momento de fragilidade da economia para aplicar golpes em pessoas que necessitam de empréstimo. Aprenda a se defender e a se prevenir.

Momentos extremos como o que estamos vivendo acabam levando pessoas aos extremos das necessidades, levando alguns de nós, em algum momento, a não ter condições de arcar com algum compromisso financeiro e se sentir obrigado a buscar empréstimo pessoal. Infelizmente, assim como existem diversas instituições financeiras que são excelentes, também há golpistas tentando tirar os poucos valores que estão em nossos bolsos.

Os golpes muitas vezes são feitos de forma grosseira, com sites mal elaborados e, em outras, com um grande esquema fraudador certificado. O caso mais frequente é a solicitação de valores antecipados para que a pessoa tenha acesso ao dinheiro.

As justificativas costumam ser:

- Pagar o IOF antecipado;

- Pagar honorário para elaboração do contrato;

- Pagar taxas de certificação.

- Solicitação de pagamento de uma porcentagem antecipada para conseguir o empréstimo ou para o cliente que está negativado ou tem baixo score de crédito;

- Pagamento antecipado para garantir a liberação do empréstimo;

- Pagamento para conseguir um “fiador” ou avalista para o empréstimo.

FIQUE ATENTO: empréstimos só podem ser concedidos por instituições financeiras autorizadas pelo Banco Central (BC). Pesquise-as no link a seguir, se desejar: https://www.bcb.gov.br/estabilidadefinanceira/encontreinstituicao

MAS COMO RECONHECER UM GOLPE?

• Nunca faça pagamentos antecipados.

Os bancos, as financeiras e seus representantes oficiais (correspondentes bancários) nunca pedem pagamento adiantado para liberar empréstimo em nenhuma modalidade, nem obrigam que se contrate qualquer serviço de forma antecipada.

• Google it! Faça buscas pelo nome da empresa, nome do site ou nome da empresa de empréstimos.

Busque detalhadamente sobre o site que está oferecendo o empréstimo, procure em notícias, redes sociais e Reclame Aqui. Se você não achar nada sobre o site, é um indício de fraude, caso encontre, procure verificar a realidade da situação, por exemplo, no Reclame Aqui, veja quais são as reclamações das pessoas e se há respostas aos seus questionamentos, bem como solução dos problemas, pois pode haver reclamações sobre o procedimento, mas no geral, os golpes tem reclamações de não recebimento de valores ou de cobrança de taxas antecipadas.

• Se for fazer pela internet, navegue bastante no site.

Verifique se existem as seções “Quem somos”, “Política de Privacidade” e “Termos de uso”. Em páginas falsas, quase sempre esses conteúdos são inexistentes ou básicos e mal escritos, muitas vezes com erros de português e imagens de baixa qualidade.

• Procure o certificado de segurança.

Os sites fraudadores geralmente não têm certificado de segurança (aquele cadeado verde fechado que aparece no endereço do site quando acessado), pois para se ter este certificado, o site passa por processo de auditoria e certificação que garante sua legitimidade e legalidade, mesmo assim, sempre tenha cuidado com um site certificado que se apresenta muito resumido.

• A empresa que você procurou pode mesmo oferecer empréstimos?

O Banco Central precisa autorizar uma instituição financeira. Não confie em empréstimos oferecidos por empresas que não sejam bancos, financeiras ou seus representantes oficiais. Você pode consultar sobre instituições financeiras no link http://www4.bcb.gov.br/fis/cosif/rest/buscar-instituicoes.asp preenchendo no campo de busca um ou mais dos seguintes dados: seguimento; nome da instituição; CNPJ; país; UF; município, porém a página pode demorar a carregar ou estar instável devido ao grande fluxo de utilização dos dados do Banco Central.

• Verifique a fundo sobre a empresa de empréstimos.

Para atrair pessoas, os sites fraudadores costumam se passar por instituições sérias, utilizando seus dados cadastrais, como CNPJ, Razão Social, etc. Essa prática já representa crime de falsidade ideológica contra as empresas reais e idôneas, proprietárias destes dados cadastrais.

CAÍ EM UM GOLPE, O QUE FAZER?

Primeiramente, procurar a polícia o mais breve possível e com o máximo de evidências possíveis. Em um segundo momento pode reclamar para o Banco Central, caso seja uma instituição cadastrada através de reclamação no https://www.bcb.gov.br/acessoinformacao/registrar_reclamacao

GOLPES ENVOLVENDO O BANCO CENTRAL

Você também pode sofrer uma tentativa de golpe com o nome do Banco Central do Brasil, caso você receba uma comunicação do Banco Central e tenha dúvidas sobre a sua veracidade, é possível confirma-la em dos nossos canais de atendimento: telefone 145 ou Fale Conosco (https://www.bcb.gov.br/acessoinformacao/faleconosco)

Os golpistas ainda podem enviar mensagens, cartas e e-mails fraudulentos que exibem a marca do Banco Central ou vêm acompanhados de nomes de pessoas que supostamente trabalham na autarquia. Porém, é preciso ficar ciente de que o Banco Central não solicita senhas, dados bancários, informações pessoais, cadastramento ou recadastramento em sistemas, não solicita informações pessoais ou bancárias, tampouco envia mensagens SMS ou whatsapp aos cidadãos.

Se você receber alguma mensagem desse tipo, não abra os arquivos anexos, não acione os links indicados, não siga nenhuma instrução, não preencha formulários e nem envie qualquer tipo de informação.

DICAS GERAIS E RESUMO DE INFORMAÇÕES PARA SE PREVENIR DE GOLPES FINANCEIROS

- Desconfiar sempre de ofertas muito atraentes, pois quanto mais atraentes, mais indício de golpe é; seja pela taxa de juros abaixo da praticada no mercado, seja pelo grande parcelamento ou a concessão, mesmo a quem estiver negativado.

- Verifique os cálculos, instituições financeiras não costumam errar cálculos de valor liberado x parcelas x juros x parcela.

- Consulte se a instituição opera em um endereço fixo válido.

- Faça pesquisas na internet e não confie em instituições que não tenham nenhuma avaliação no site Reclame Aqui ou no Procon.

- Nunca forneça seus dados pessoais nem envie documentos para alguém que você não conhece. Criminosos poderão usar estas informações para aplicar outros golpes.

- Identifique nos e-mails e mensagens que receber se há erros de português, o que é indício de golpe.

- Se estiver em contato por WhatsApp, certifique-se de que o número é o mesmo que a instituição disponibiliza em seu site ou em materiais institucionais. Há quadrilhas que criam centrais de atendimento idênticas às de grandes corporações para enganar suas vítimas.

- Acesse o site das empresas e ligue para o telefone divulgado para certificar-se da veracidade da proposta.

- Bancos ou quaisquer outras instituições financeiras confiáveis NUNCA irão pedir depósito antecipado para liberar um empréstimo. Não faça depósitos ou transferências antes de receber qualquer valor.

- Procure empresas com boa reputação no mercado e que seguem normas do Banco Central para conceder crédito.

- Não aceite pagar as parcelas do empréstimo em contas de pessoas físicas;

- Busque na internet avaliações da instituição e em site como Reclame Aqui e Procon. Assim, você vai quais são as reclamações de outros clientes sobre essa empresa. Desconfie de empresas que não têm avaliações nenhuma.


Autor


Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2018 ABNT)

IBAIRRO, Peterson. Golpe do empréstimo pessoal. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 25, n. 6183, 5 jun. 2020. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/82753. Acesso em: 29 nov. 2020.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso