Jurisprudência acerca do direito extinção da dívida e reembolso de valores para os veículos financiados pelo Leasing que foram roubados ou furtados.

FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA
- 7ª VARA CÍVEL - Autos nº - p. 1
João Luiz Manassés de Albuquerque Filho - Juiz de Direito
Dr. Davi Chedlovski Pinheiro - Advogado

Vistos e Examinados, Autos n°
Ação de Resolução de Contrato
I – RELATÓRIO
ajuizou a presente ação de
cobrança em face de BFB LEASING S.A. ARRENDAMENTO MERCANTIL, objetivando
cobrança de valores devidos a título de restituição de valor residual garantido pago
antecipadamente.
Alegou, em síntese, que firmou contrato de leasing com o réu em 17 de
setembro de 2008, e que já pagou vinte parcelas, nas quais fora incluído o importe de R$
565,00 a título de VRG antecipado diluído. Aduz que o veículo foi furtado em 08/07/2010,
conforme boletim de ocorrência acostado aos autos. Defende que, ante a ocorrência de caso
fortuito, o contrato deverá ser rescindido e os valores antecipados a título de VRG deverão
ser restituídos, no montante de R$ 11.300,00 (onze mil e trezentos reais).
Em caráter inibitório, postula o mandamento ao réu para que se abstenha
de promover o registro do seu nome junto aos cadastros restritivos de crédito.
Pleiteou lhe fossem concedidos os benefícios da assistência judiciária
gratuita.
Para fins probatórios, invoca a regra de inversão do ônus da prova trazida
pela legislação consumerista, traz aos autos provas documentais e requer a produção de
outras, pelos demais meios processualmente admitidos.
A liminar e a gratuidade pleiteadas foram indeferidas1.
Diante da decisão proferida por este Juízo, a autora interpôs Agravo de
Instrumento2, ao qual foi dado provimento para o fim de conceder o benefício da justiça
1 Dec sões de f s. 47/48 e de f . 51.
2 Cóp a do Agravo de Instrumento de f s. 54/63.
FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA
- 7ª VARA CÍVEL - Autos nº - p. 2
João Luiz Manassés de Albuquerque Filho
Juiz de Direito
gratuita a parte autora3.
Citado, o réu apresentou sua contestação4, alegando, em suma, que, embora
fosse obrigada contratualmente, a autora optou por não segurar o veículo arrendado, de
modo que o VRG antecipado deverá ser utilizado para compensar os valores gastos pela
instituição financeira com a implementação do negócio, inexistindo qualquer obrigatoriedade
de devolução do importe pleiteado. Pleiteou a improcedência da pretensão autoral.
Intimada a impugnar a contestação e os documentos trazidos pelo réu, a
autora manteve-se inerte5.
Oportunizada a produção de provas, não houve efetiva apresentação de
proposta, pugnando pelo julgamento antecipado.
É o relatório.
II - FUNDAMENTAÇÃO
Cinge-se a controvérsia em apurar se, em decorrência do furto do veículo
arrendado para autora, o contrato de leasing firmado entre as partes deve ser rescindido
e, consequentemente, se os valores pagos a título de VRG deverão ser restituídos.
Ante a ausência de necessidade na produção de outras provas, bem como se
tratando de matéria de fato e de direito que prescinde de solução de prova em audiência,
procedo ao julgamento da causa, com fulcro no artigo 330, I, do Código de Processo Civil.
Ressalte-se que, inexistindo reconvenção, a prova pericial requerida pelo
réu mostra-se impertinente ao caso em tela, uma vez que pretende “verificar se o valor
pago pela arrendatária a título de VRG cobre os valores gastos pela empresa arrendante
com a implementação do negócio” 6, desviando, portanto, do objeto discutido nos autos.
3 Dec são de f s. 69/72.
4 Contestação de fs. 89/113.
5 Cert dão de f . 186.
6 Pet ção de f . 189.
FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA
- 7ª VARA CÍVEL - Autos nº - p. 3
João Luiz Manassés de Albuquerque Filho
Juiz de Direito
Da resolução do contrato
Pela análise dos autos verifica-se que em 8 de julho de 2010 o veículo, objeto
do contrato de arrendamento mercantil firmado entre as partes, foi furtado7.
A ocorrência de caso fortuito é causa de resolução do contrato, conforme
prelecionam Maria Helena Diniz e Orlando Gomes:
“Resolução por inexecução contratual involuntária, advinda de fatos alheios à
vontade dos contratantes, que impossibilitam o cumprimento da obrigação que
incumbe a um deles, operando-se de pleno direito, então, a resolução do contrato
[...]”.8
“Efeito da resolução por inexecução involuntária [...] A resolução opera-se, nesse
passo, de pleno direito, como na hipótese da cláusula resolutiva expressa [...]”.9
Quando ocorrido o aludido caso fortuito, a relação negocial ainda perdurava
entre as partes. Com o furto do objeto do contrato, a finalidade do compromisso não pôde
mais ser alcançada, eis que não há mais a opção de compra do bem pelo autor nem a
possibilidade de venda do veículo pelo réu ao final do contrato, devendo operar-se a resolução
do contrato, com efeitos desde a perda do bem, conforme a doutrina já transcrita.
Ressalte-se que, resolvido o contrato, as parcelas e encargos mensais não
poderão mais ser cobrados pelo réu, cabendo-lhe pleitear seus direitos decorrentes da
ocorrência do caso fortuito.
Todavia, não havendo reconvenção, a discussão acerca da responsabilidade
da autora pelo bem, ante a não contratação do seguro previsto contratualmente, foge dos
pedidos formulados na presente ação, devendo ser debatida em ação própria. Nesse sentido:
APELAÇÃO CÍVEL. CONTRATO DE ARRENDAMENTO MERCANTIL. FURTO
DO VEÍCULO. CAUSA DE RESOLUÇÃO DO CONTRATO. VRG. NECESSIDADE
DE DEVOLUÇÃO. PERDAS E DANOS. COBERTURA PELO SEGURO. TEMA NÃO
DISCUTIDO NOS AUTOS. PRETENSÃO A SER DEDUZIDA EM AÇÃO
7 Bo et m de Ocorrênc a de f . 43.
8 DINIZ, Mar a He ena. Tratado teór co e prát co dos contratos. Sara va, 2004, v. I, p. 222.
9 GOMES, Or ando. Contratos. 7ª Ed ção. Ed tora Forense. p.213 e 214.
FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA
- 7ª VARA CÍVEL - Autos nº - p. 4
João Luiz Manassés de Albuquerque Filho
Juiz de Direito
PRÓPRIA. SUCUMBÊNCIA MANTIDA. RECURSO NÃO PROVIDO. (TJPR - 17ª
C.Cível - AC 712320-2 - Foro Central da Comarca da Região Metropolitana de
Curitiba - Rel.: Vicente Del Prete Misurelli - Unânime - J. 20.10.2010).(grifei)
A sentença, é sabido, deve ater-se ao que foi pedido na inicial, sob pena de afronta
ao disposto no art. 460, do Código de Processo Civil, de forma que a
responsabilização do apelado pela não realização do seguro, a que se comprometeu,
há de ser formulada em ação própria (...)." (TJPR ApCiv
266266--4 4
ª CCiv. Rel.
Dulce Maria Cecconi DJPR
20.08.2004).
Pelo exposto, o pacto firmado entre as partes deve ser resolvido, gerando
efeitos desde a ocorrência do furto do veículo, em 08/07/2010.
Da devolução do VRG antecipado
Com a alteração10 da Súmula 263 do Superior Tribunal de Justiça, o
entendimento majoritário da jurisprudência relativamente ao Valor Residual Garantido é no
sentido de o mesmo pode ser pago a qualquer momento durante a vigência do contrato, sem
caracterizar exercício de compra e venda antecipada.
Portanto, o pagamento antecipado da parcela correspondente ao chamado
valor residual garantido não se confunde com a opção de compra sendo uma obrigação
assumida pela arrendante para que o arrendador receba valor mínimo em relação ao bem no
caso de não haver opção pela compra ao final.
Ou seja serve como preço para o exercício da opção de compra pelo
arrendatário (art. 5º, "d", da Lei 6.099/74) ou como valor mínimo a ser recebido pelo
arrendador em caso de venda do bem a terceiros (RSTJ 158/225), configurando a causa da
retenção.
No caso dos autos, entretanto essa causa desapareceu com a resolução do
contrato e a perda do bem, tornando-se inexeqüíveis as obrigações decorrentes da operação
10 Ju gamento dos Embargos de D vergênc a em Recurso Espec a nº 213828/RS, durante a sessão da Corte Espec a do STJ
rea zada no d a 07/05/03.
FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA
- 7ª VARA CÍVEL - Autos nº - p. 5
João Luiz Manassés de Albuquerque Filho
Juiz de Direito
de leasing firmada entre as partes, uma vez que não há a opção de compra do bem pelo autor
nem a possibilidade de retomada e venda do bem pelo réu.
Nesse sentido:
"COMERCIAL. ARRENDAMENTO MERCANTIL. AÇÃO DE RESCISÃO
CONTRATUAL. FURTO. FORÇA MAIOR INVIABILIZANDO A RETOMADA.
RESOLUÇÃO.RESTITUIÇÃO DO VRG PAGO ANTECIPADAMENTE.
POSSIBILIDADE. (...)." (TJPR ApCiv
236456-9 4
ª CCiv. Rel.
Mendes Silva DJPR
06.02.2004). (grifei)
"APELAÇÃO CÍVEL. CONTRATO DE ARRENDAMENTO MERCANTIL. LEASING
DE AUTOMÓVEL. PAGAMENTO DE VALOR RESIDUAL GARANTIDO (VGR)
ATECIPADAMENTE.VALOR ESTE QUE SOMENTE É DEVIDO QUANDO HÁ A
OPÇÃO DE COMPRA AO FINAL DO CONTRATO. (...).ROUBO A MÃO ARMADA
DO VEÍCULO. RESCISÃO CONTRATUAL. (...). OPÇÃO DE COMPRA OBSTADA
PELO ROUBO. NECESSIDADE DE DEVOLUÇÃO DO VRG.DESPROVIMENTO."
(TJPR ApCiv
0611212-9 8
ª CCiv. Rel.
João Domingos Küster Puppi DJE
18.02.2010). (grifei).
Assim, comprovado o adimplemento do contrato até a data do furto11, deve
ser restituído à autora o valor integral do VRG pago antecipadamente.
O valor a ser restituído deve ser objeto de liquidação de sentença e ser
acrescido de juros de mora de 1% ao mês desde a citação, bem como deve ser atualizado
monetariamente pela média do INPC e IGP-DI (Decreto 1544/95), desde a data do furto do
veículo.
III – DISPOSITIVO
Diante do exposto, julgo procedentes os pedidos iniciais desta ação de
cobrança ajuizada por em face de BFB LEASING
S/A. ARRENDAMENTO MERCANTIL, para o fim de declarar resolvido o contrato de
arrendamento mercantil firmado entre as partes e condenar o réu ao pagamento do VRG
pago antecipadamente pela autora, nos termos da fundamentação desta decisão.
11 Comprovantes de f s. 20/41.
FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA
- 7ª VARA CÍVEL - Autos nº - p. 6
João Luiz Manassés de Albuquerque Filho
Juiz de Direito
O valor a ser restituído deve ser objeto de liquidação de sentença e ser
acrescido de juros de mora de 1% ao mês desde a citação, bem como deve ser atualizado
monetariamente pela média do INPC e IGP-DI (Decreto 1544/95), desde a data do furto do
veículo.
Fixo os honorários advocatícios em R$ 1.400,00, considerando o artigo 20, §
4º, do Código de Processo Civil.
Ante a sucumbência recíproca, condeno a autora ao pagamento de 20% do
valor das custas processuais e 20% dos honorários advocatícios e o réu ao pagamento de
80% das custas processuais e 80% dos honorários advocatícios acima fixados, nos termos do
art. 20, § 3º, c/c art. 21, ambos do Código de Processo Civil.
Publique-se.
Registre-se.
Intimem-se.
Curitiba, 29 de maio de 2012.
João Luiz Manassés de Albuquerque Filho
Juiz de Direito
FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE
CURITIBA 7ª VARA CÍVEL - Autos n. - p.1
Vistos e Examinados, Autos n.°
Embargos de Declaração
Trata-se de apreciar embargos declaratórios opostos por
em face da sentença que julgou parcialmente
procedente a ação de resolução de contrato ajuizada em face BFB LEASING S/A.
ARRENDAMENTO MERCANTIL.
Em suas razões, o embargante suscita que a decisão foi
contraditória, na medida em que julgou procedente a ação e condenou a autora ao
pagamento de 20% das custas e honorários advocatícios.
É em síntese a irresignação. Decido.
Os embargos são tempestivos porque interpostos no prazo de cinco
dias previsto no art. 536, do Código de Processo Civil.
O artigo 535 do Código de Processo Civil delimita as hipóteses de
cabimento dos embargos de declaração, quais sejam, obscuridade, contradição ou
omissão na decisão. Ainda, o artigo 536, estabelece que na petição de embargos, o
embargante deve indicar os pontos que entende obscuro, contraditório ou omisso a
fim de possibilitar o seu reparo.
In casu, assiste razão ao embargante.
Em que pese a sentença embargada ter julgado procedente o pedido
da autora, condenou-a, contraditoriamente, ao pagamento de 20% das custas e
honorários advocatícios.
Diante do exposto, RECEBO os presentes embargos de declaração
opostos e, no mérito, ACOLHO-OS para alterar a redação final do dispositivo da
sentença embargada (fl.197), nos seguintes termos:
“Fixo os honorários advocatícios em R$1.400,00, considerando
o artigo 20, §4º, do Código de Processo Civil.”
FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE
CURITIBA 7ª VARA CÍVEL - Autos n. - p.2
Ante o princípio da sucumbência, condeno o réu ao pagamento
integral das custas processuais e dos honorários advocatícios
devidos ao patrono da autora.
Publique-se. Registre-se. Intime-se.
Curitiba, 12 de setembro de 2012.
João Luiz Manassés de Albuquerque Filho
Juiz de Direito



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria