As empresas de todo o Brasil poderão afastar a cobrança da multa de 10% do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) nos casos de demissões sem justa causa.

As empresas de todo o Brasil poderão afastar a cobrança da multa de 10% do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) nos casos de demissões sem justa causa.

Criado em 1966, o FGTS é composto do recolhimento de uma porcentagem mínima de 8% da remuneração dos trabalhadores formais, em contas específicas da Caixa Econômica Federal, vinculadas aos contratos de trabalho.

“Em demissões sem justa causa, a empresa deposita uma indenização de 40%, calculada sobre o montante total acumulado no Fundo de Garantia do empregado durante o período trabalhado”, explica o advogado André Salim. 

Segundo o advogado, a Lei Complementar nº 110/2001 instituiu a contribuição adicional de 10% sobre o valor do FGTS, para casos de demissão sem justa causa, sem prazo de vigência. “Isso significa que o valor a ser desembolsado pelo empregador é, na verdade, de 50% do montante do FGTS”, diz.

Salim enfatiza que esses 10% são remetidos diretamente aos cofres do governo que, de acordo com a Lei serviria para a manutenção do equilíbrio financeiro do FGTS, porque o Judiciário havia obrigado o fundo a indenizar aqueles que tiveram uma perda com os expurgos inflacionários causados pelo Plano Verão e Plano Collor I. “Uma conta do Poder Publico que acabou sendo repassada para o setor privado”.

Pela justificativa também ficou claro que a finalidade da contribuição era arrecadar uma quantia específica destinada a recompor o FGTS, cuja previsão ocorreria em cinco anos de vigência da contribuição.

Cálculos efetuados por diversas instituições apontam que os valores arrecadados nos últimos anos já cobriram o déficit a que a contribuição se propunha, e que os pagamentos efetuados são direcionados a outros objetivos que não aos originalmente propostos.

“As contas do FGTS foram integralmente recompostas devido aos mais de 10 anos de pagamento deste tributo”, ressalta André Salim.

Diante disso, o advogado esclarece que muitos contribuintes estão buscando respaldo judicial para afastar a cobrança e para serem restituídos dos valores recolhidos desde quando o tributo cumpriu a sua finalidade.

“O assunto está em discussão no Supremo Tribunal Federal, e já existem decisões judiciais em liminar que garantem esse direito aos empregadores”, finaliza o advogado.   



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria