A guarda compartilhada, modalidade em que ambos os pais, mesmo que separados, atuam conjuntamente na decisão das questões relativas a vida dos filhos, sofreu algumas alterações com a Lei 13.058/14, as quais serão brevemente explicadas no presente artigo.

A guarda compartilhada, modalidade em que ambos os pais, mesmo que separados, atuam conjuntamente na decisão das questões relativas a vida dos filhos, em uma espécie de cogestão da autoridade parental, sofreu algumas alterações com o advento da Lei nº13.058/14.

A principal novidade é a obrigatoriedade da fixação da guarda compartilhada, a qual deixou de ser hipótese para se tornar regra. Antes da vigência da nova lei, a guarda compartilhada deveria ser aplicada "sempre que possível". Porém, no novo texto, tal expressão foi suprimida, restando a guarda compartilhada como regra.

Apesar disso, a análise do contexto familiar continua sendo fundamental para a fixação de qualquer dos regimes de guarda, razão pela qual, apesar de regra, a guarda compartilhada não é absoluta.

Ainda no que toca à análise fática a ser realizada caso a caso, cumpre destacar que a lei também prevê que o tempo de convívio deve ser dividido de forma equilibrada entre ambos os pais. Importante frisar, neste ponto, que a divisão de forma equilibrada do tempo não quer dizer divisão aritmética, mas sim adaptada à realidade de cada caso concreto.

E não para por aí. A Lei nº13.058/14, além de privilegiar uma maior igualdade entre homens e mulheres, traz outras novidades no que toca ao exercício do poder familiar, com o escopo de efetivar os direitos dos filhos e as garantias determinadas pela Constituição Federal.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria