O jurista Emerson Odilon Sandim apenas coordenou a peça jurídica.

Excelentíssimo (A) Doutor (A) Desembargador(A) __________________da ___ª Câmara Cível do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado de _______________________.

           

            Nome, brasileira, viúva, portadora do CPF nº _________ e da Cédula de Identidade⁄RG nº ______________ SSP⁄____, filha de ___________________ e __________________, residente e domiciliado à Rua ____________, _____ – Bairro ____________, CEP _________, e sua mãe ___________________, filha de _________________________, brasileira, separada judicialmente, portadora do CPF ______________ e da Cédula de Identidade⁄RG nº _________ SSP/___,  domiciliada na Rua ________________, ____ bloco ___ , apto ___- Bairro _______, CEP ______________, na cidade de ______________- ____, por intermédio dos seus causídicos (doc. 01), não se conformando com a decisão que recebeu o recurso de apelação também no efeito suspensivo (doc. 02), publicada no DJE/TJ___, nº _____  de __/__/_____ (doc. 03) vêm, perante Vossa Excelência, com fulcro nos arts. 522, parte final e ss do Código de Processo Civil, interpor

AGRAVO DE INSTRUMENTO C/ PEDIDO DE TUTELA ANTECIPADA RECURSAL

           

tendo como recorrida _______________________________, pessoa jurídica de direito privado inscrita sob o CNPJ nº________________________, com sede na Rua ____________, nº ____ - Bairro _______________ – Cidade ________________, Estado ________________________ - CEP  _____________, patrocinada pelo advogado _______________________________, com escritório profissional na Rua___________, nº __________, Bairro _______________, Cidade _______________ – Estado _____ CEP ___________ (doc. 04) , sem a quitação do preparo, visto que as recorrentes são beneficiárias da gratuidade da justiça, tal como reconhecido na sentença (doc. 05).

De ___________________ para _________________, ____ de ____________ de ______.

________________________________________            _______________________________

OAB/__________                                                   OAB/___________

Razões recursais

Agravantes: Nomes

Agravada:    Pessoa Jurídica

I – Da tábua fática:

            As agravantes, diante da negativa da cobertura de exames e lentes intraoculares pela recorrida, ajuizaram ação de obrigação de fazer c/c danos materiais e morais com pedido de tutela antecipada, que, aliás, fora deferida (docs. 06 e 07).

            A sentença, no tanto que julgou procedente a lide, a bem da verdade, ratificou a tutela antecipada já deferida, posto que em excerto de sua parte dispositiva reza:

“ (...) bem como para que se abstenha de negar autorização em favor das autoras de todos os exames que não se encontrem expressamente excluídos no contrato celebrado, notadamente o ecocardiograma, ultrassom simples e com dopler, tomografia computadorizada com ou sem contraste, ressonância magnética com ou sem contraste, além de exames laboratoriais, sob pena de multa diária que fixo em R$ 100,00 (cem reais), até o limite de R$ 10.000,00. (...)” doc. 05, ausentes reticências na fonte.

Tanto assim o é que as recorrentes apelaram da sentença quanto ao pleito de dano moral e honorários advocatícios (doc. 08). Todavia, a decisão que recebera o recurso – materializada na parte final do decisório que rejeito os embargos de declaração da agravada - está assim vazada:

“Recebo o Recurso de Apelação no efeito devolutivo e suspensivo, nos termos do art.520 do CPC” (doc. 02)

Por conta disso, é que se exporá a necessidade de sua reforma por esta Augusta Corte.

II – Da prevenção da Desa. __________________ – Causa anterior que versa sobre o mesmo contrato desta lide – art. 79 do RI TJ/MG:

            O contrato de prestação de serviços com a operadora de saúde (doc. 09), que embasara a ação de onde promanou o recurso de apelação e o respectivo agravo quanto à decisão aqui atacada, é o mesmo que engendrara o litígio que, também, desaguou na apelação autuada sobre a numeração única: ___________________de relatoria da Desa. ______________ (lotada na ___ª Câmara Cível), que já a decidira (doc. 10).

            Tanto é verdadeira a assertiva supra que, no dito pacto a primeira recorrente é a titular do plano de saúde e, no campo dos beneficiários estão seus pais e sua filha[1]. Em sendo o contrato único, nas duas diversas demandas, o órgão julgador haverá de ser o mesmo, como deflui do RI TJ/MG, verbis:

“Art. 79. O órgão julgador que primeiro conhecer de habeas corpus, mandado de segurança e de qualquer outra causa, ainda que não apreciado o mérito, ou de qualquer incidente, terá competência preventa para os feitos originários conexos e para todos os recursos, na causa principal, cautelar ou acessória, incidente, oriunda de outro, conexa ou continente, derivada do mesmo ato, fato, contrato, ou relação jurídica, e nos processos de execução dos respectivos julgados.” (Grifou-se).

            Sendo assim, a ilustre Desa. _______________, componente da _____ª Câmara Cível deste Sodalício, resta preventa para a análise do vertente agravo de instrumento.

III – Das razões de reforma do decisum objurgado:

            A decisão agravada vaticina:

“Recebo o Recurso de Apelação no efeito devolutivo e suspensivo, nos termos do art.520 do CPC” (doc. 02)

            Acontece que a sentença (doc. 05), ineludivelmente, ratificou os termos da tutela antecipada concedida (doc. 07). Sendo assim, neste particular, o recurso de apelação aviado pelas agravantes haveria de ter sido recebido no efeito devolutivo (cf. art. 520, VII, do Código de Processo Civil)[2].

            Confira-se:

“1. Nos termos do inciso VII do art. 520 do CPC, a apelação deve ser recebida apenas no efeito devolutivo quando a tutela antecipada for confirmada na sentença.”  (TJMG -  Agravo de Instrumento-Cv  1.0527.10.000844-2/002, Relator(a): Des.(a) Wagner Wilson, 16ª CÂMARA CÍVEL, julgamento em 26/06/2014, publicação da súmula em 07/07/2014)

           

Dessarte, a decisão agravada, com todo respeito, há de ser reformada porque emprestou, indevidamente efeito suspensivo ao admitir o recurso de apelação, menosprezando a devolutividade que é corolário lógico quando se tem concessão de tutela antecipada, como fora – e é – o caso ora examinado.

           

IV – Do empréstimo do efeito ativo ao agravo – risco de lesões irreparáveis:

            A própria sentença referendando a tutela antecipada demonstra, em sua parte dispositiva que:

“ (...) bem como para que se abstenha de negar autorização em favor das autoras de todos os exames que não se encontrem expressamente excluídos no contrato celebrado, notadamente o ecocardiograma, ultrassom simples e com dopler, tomografia computadorizada com ou sem contraste, ressonância magnética com ou sem contraste, além de exames laboratoriais, sob pena de multa diária que fixo em R$ 100,00 (cem reais), até o limite de R$ 10.000,00. (...)”, grifou-se.

            Sucede, porém, que a agravada, mesmo após a concessão da tutela antecipada, dá mostras de que anela não autorizar exames, como, à guisa de exemplo, houve a negativa de tratamento psicológico em detrimento da segunda agravante (doc. 11).

            A cuidadosa sentença, tem ocasião de asseverar que:

“Lado outro, o exame de ecocardiograma e a colocação das lentes foram indicadas por cardiologista e por oftalmologista para o caso da segunda autora, para averiguar a real situação cardíaca da autora, que é grave, bem como para possibilitá-la enxergar, uma vez que estava praticamente cega de ambos os olhos, não cabendo à operadora de plano de saúde, indicar o melhor tratamento para o usuário do plano, utilizando meramente o conceito custo, sendo que, no caso, há prova de que o exame é indicado à verificação do alcance do problema cardíaco e para a amenização do problema oftalmológico e para tanto precisam ser realizados tanto o exame de ecocardiograma quanto a colocação das lentes intraoculares.”, doc.05.

            Então, máxime a segunda agravante – que é idosa, cardíaca, depressiva – detém fundado receio de que, até que haja julgamento deste agravo de instrumento pela Câmara venha amargar outras negativas para a realização de exames e/ou terapêuticas. Fato este que justifica – já que o bem maior do ser humano é a saúde (art. 196 da Constituição Federal) – o deferimento de tutela antecipada recursal neste agravo, para, desde logo, ser extirpado, no que tange a ordem mandamental contida na tutela antecipada, o vocábulo “efeito suspensivo” da interlocutória combatida. Com isso, além de se prestigiar o princípio da dignidade da pessoa humana, por demais encarecido no estatuto do idoso (art. 2º), está-se cumprindo à risca o disposto no art. 527, III, segunda parte do Código de Processo Civil.

V – Dos pedidos:

Ante o exposto, requer:

  1. Quanto à Nobre Relatora:

a.1) Reconhecer sua prevenção, já que, tanto esta lide quanto a de nº_____________________, versam sobre o mesmo contrato de plano coletivo de saúde, tornando-se aplicável o art. 79 do RI TJ/MG;

a.2) Manter a gratuidade da justiça às agravantes, reconhecida que fora no próprio ato sentencial, de jeito que não houve preparo deste recurso em face dessa hipossuficiência;

a.3) Deferir, como tutela antecipada recursal, o pronto alijamento do efeito suspensivo exarado na decisão hostilizada. Isto é, para que a tutela antecipada concedida possa ser executada em caso de negativa da agravada em cobrir exames e procedimentos médicos da segunda agravante, mantendo-se o efeito suspensivo quanto aos outros comandos sentenciais;

a.4) Ordenar a intimação da agravada para a contraminuta e requisitar informações do juízo a quo, se entende-las necessárias;

  1. Quanto à Câmara: prover este recurso, ratificando-se a tutela antecipada recursal no tanto que deferida, para, reformando-se a decisão increpada, impor que a admissão do recurso de apelação seja só no efeito devolutivo quanto ao comando mandamental (tutela antecipada deferida no curso do processo mediante decisão interlocutória), mantendo-se o efeito suspensivo nos demais pontos objeto do recurso de apelação.

De _____________________ para ____________________, ___ de ____________ de ______.

____________________________________               _______________________________

OAB/__________                                                   OAB/__________

Rol de documentos:

01 – Mandato conferido pelas agravantes aos advogados subscritores do agravo;

02 – Decisão agravada;

03 – Intimação da decisão agravada;

04 – Procuração do causídico da recorrida;

05 – Sentença que reconheceu a gratuidade da justiça;

06 – Petição inicial da ação de obrigação de fazer c/c danos materiais e morais c/ pedido de tutela antecipada;

07 – Decisão monocrática que concedeu a tutela antecipada vindicada;

08 – Recurso de apelação aviado pelas ora agravantes;

09 – Contrato entabulado pela primeira agravante (onde a segunda é sua beneficiária) com a agravada;

10 – acórdão prolatado Desa. ______________, cujo contrato é o mesmo deste contrato;

11 – Negativa de exame pela agravad


[1] Brilhantemente, a sentença em comento vaticina: “Os documentos de fls. 35/40 demonstram que em 21/05/1996 a autora celebrou contrato individual de plano de saúde com a ré, tendo a segunda requerente como sua dependente.” (Destacou-se).

[2] “Art. 520. A apelação será recebida em seu efeito devolutivo e suspensivo. Será, no entanto, recebida só no efeito devolutivo, quando interposta de sentença que: (...) VII - confirmar a antecipação dos efeitos da tutela” (sem reticências e grifo na fonte).

Segue a decisão do Tribunal de Justiça:

Nº0000/0000

AGRAVO DE INSTRUMENTO CÍVEL                                                 X CÂMARA CÍVEL

Nº0000/0000                                                                                               CIDADE

AGRAVANTES                                                                                          NOMES

AGRAVADA                                                                                              PESSOA JURÍDICA

DECISÃO

1.         Trata-se de recurso de agravo de instrumento interposto por NOME, em face decisão interlocutória prolatada pelo juízo a quo (fl.12), que recebeu a apelação interposta pelas recorrentes no seu efeito suspensivo e devolutivo.

2.         Irresignadas com a decisão, aduzem as agravantes que: a) diante da negativa da cobertura de exames e lentes intraoculares pela recorrida. Ajuizaram ação de obrigação de fazer c/c danos materiais e morais com pedido de tutela antecipada que, aliás, fora deferida; b) apelaram da sentença quanto ao pleito de dano moral e honorários advocatícios. Todavia, o recurso foi recebido em seu duplo efeito; c) acontece que a sentença ratificou os termos da tutela antecipada concedida. Sendo assim, neste particular, o recurso de apelação aviado pelas agravantes haveria de ter sido recebido no efeito devolutivo apenas.

3.         Requereram a concessão de efeito suspensivo ativo ao recurso e, ao final, a reforma da decisão agravada.

4.         Presentes os requisitos legais do art.522 do CPC, recebo o presente agravo na forma de instrumento.

5.         Preparo: partes isentas (art. 10, II da Lei Estadual 14.939/09).

É o relatório. Decido.

6.         Presentes os pressupostos intrínsecos e extrínsecos de admissibilidade. CONHEÇO do recurso.

7.         Como cediço, os requisitos que ensejam o efeito suspensivo do agravo, presentes no art.558 do CPC, são taxativos. Nessa linha, pode o relator, a requerimento do agravante, atribuir efeito suspensivo ao recurso se verificar que a decisão agravada pode trazer perigo de dano irreparável ou de difícil reparação e se for relevante o fundamento da tese recursal.

8.         Assim, para que seja concedido efeito suspensivo ao agravo de instrumento, mostra-se necessária apenas a presença do Fumus boni iuris e do periculum in mora.

9.         Do mesmo modo, pode o relator deferir em antecipação de tutela, total ou parcialmente, a pretensão recursal, conforme dispõe o art.527, III, do CPC:

“Art. 527. Recebido o agravo de instrumento no tribunal, e distribuído incontinenti, o relator:

(...)

III – poderá atribuir efeito suspensivo ao recurso (art. 558), ou deferir, em antecipação de tutela, total ou parcialmente, a pretensão recursal, comunicando ao juiz sua decisão.

10.      Dessa forma, para a concessão da tutela antecipada recursal, a exigência dos requisitos legais para a sua concessão são mais abrangentes dos necessários apenas para a concessão de efeito suspensivo ao recurso.

11.      Neste caso, deve a agravante comprovar a presença das exigências previstas no art.273 do CPC, quais sejam: a verossimilhança de suas alegações, prova inequívoca, fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação e a ausência de perigo de irreversibilidade do provimento antecipado.

12.      Na espécie, a título de cognição sumária, entendo estarem presentes os requisitos legais para a concessão de efeito suspensivo ativo ao recurso, uma vez que a sentença que ensejou a interposição do recurso apenas ratificou a antecipação de tutela deferida anteriormente pelo magistrado a quo, motivo pelo qual se faz necessário o recebimento do recurso de apelação apenas no seu efeito devolutivo, nos termos do art. 520, VII do CPC.

13.      Assim, nos termos do art. 527, III, do CPC, recebo o presente agravo em seu efeito suspensivo ativo para deferir o pedido de tutela antecipada recursal e determinar que a apelação interposta perante o juízo a quo seja recebida apenas no seu efeito devolutivo.

14.      Intime-se a agravada para, querendo, apresentar contraminuta ao agravo de instrumento.

15.      Oficie o juízo a quo informando sobre a concessão do efeito suspensivo ativo ao recurso, devendo esse promover as diligências necessárias para o seu cumprimento e, ainda: a) comunicar se houve juízo de retratação na decisão recorrida (art. 529 CPC); b) certificar cumprimento do art. 526 do CPC; c) prestar esclarecimentos sobre a matéria agravada.

B, data.

DESEMBARGADOR. (A) ............................................


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria