Considerações a respeito do Aviso Prévio e sua nova face sobre a égide da Lei 12.506/2011.

O Aviso Prévio é assegurado aos trabalhadores na Constituição Federal de 1988 – CF/88, nos artigos 487 a 491 da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT e na Lei 12.506 de 11 de outubro de 2011 – Lei 12.506/11.

Na CF/88, o Aviso Prévio está elencado no inciso XXI do Art. 7º:

                “Art. 7.º São direitos dos trabalhadores (...):

                XXI – aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, sendo no mínimo de trinta dias, nos                                 termos da lei;”. (grifos nossos)

A previsão constitucional determina que o Aviso Prévio seja proporcional ao tempo de serviço, sendo, no mínimo de 30 (trinta) dias.

Com a previsão do mínimo de 30 (trinta) dias trazida pela CF/88, restou clara a revogação do inciso I Art. 487 da CLT, onde estava previsto o Aviso Prévio de 08 (oito) dias para os empregados que recebem salário por dia ou por semana.

Os artigos 487 a 491 da CLT trazem as especificações do instituto do Aviso Prévio, como os prazos – Art. 487, o horário de trabalho em sua fruição – Art. 488, efetivação da rescisão ou a reconsideração do pedido – Art. 489, pagamento do aviso prévio no fato da empresa praticar ato que justifique a rescisão imediata do contrato – Art. 490 e falta grave por parte do empregado – Art. 491.

A Lei 12.506/11 estipula o prazo do Aviso Prévio em 30 (trinta) dias para os contratos de trabalho até 01 (um) ano, bem como o acréscimo de 03 (três) dias para cada ano de serviço prestado na mesma empresa, com limite máximo de 60 (sessenta) dias.

O Aviso Prévio, regulado pelos institutos legais elencados, tem como objetivo a segurança jurídica, pois previne o trabalhador e o empregador em casos de interrupções abruptas do contrato de trabalho. No caso do empregador, o mesmo tem o dever de indenizar o empregado para que não seja apanhado de surpresa e fique, de hora para outra, sem vencimentos; no caso do empregado, este deve cumprir o Aviso Prévio a fim de não deixar o empregador sem mão de obra repentinamente.

Sobre a concessão do Aviso prévio, observamos que não há formalidade prevista em lei, entretanto, tem-se como regra que o mesmo seja escrito, pois é necessário que seja comprovada a data.

O Aviso Prévio é um instituto típico de contrato de trabalho com prazo indeterminado, nada impedindo que o mesmo seja cabível nos contratos por prazo determinado, conforme entendimento do Tribunal Superior do Trabalho – TST:

                “Súmula 163, TST: Cabe aviso prévio nas rescisões antecipadas dos contratos de                                            experiência, na forma do Art. 481 da CLT”.

Feitas algumas considerações – obviamente sem esgotar o instituto – a questão principal a ser observada deve-se à proporcionalidade do Aviso Prévio, trazida pela Lei 12.506/11.

A Lei 12.506 foi publicada no dia 13 de outubro de 2011, sendo que o direito à proporcionalidade do Aviso Prévio será aplicado às rescisões de contrato de trabalho a partir dessa data. Sobre esse argumento, temos a Súmula 441 do TST:

                “Súmula 441, TST: O direito ao aviso prévio proporcional ao tempo de serviço somente                                      é assegurado nas rescisões de contrato de trabalho ocorridas a partir da publicação da Lei n.                           12.506, de 13 de outubro de 2011”.

Em seu texto, a Lei 12.506/11 determina que o período do Aviso Prévio seja de 30 (trinta) dias no mínimo, acrescido 03 (três) dias a cada ano até o máximo de 60 (sessenta) dias, totalizando 90 (noventa) dias. A seguir, o texto integral da referida lei:

                “Art. 1o  O aviso prévio, de que trata o Capítulo VI do Título IV da Consolidação das Leis                                    do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, será                                        concedido na proporção de 30 (trinta) dias aos empregados que contem até 1 (um)      ano de                            serviço na mesma empresa. 

                 Parágrafo único.  Ao aviso prévio previsto neste artigo serão acrescidos 3 (três) dias   por                                ano de serviço prestado na mesma empresa, até o máximo de 60 (sessenta) dias,                                            perfazendo um total de até 90 (noventa) dias. 

                 Art. 2o  Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação”.

Conforme está previsto na lei, o empregado que laborar pelo período de até 01 (um) ano, terá direito ao Aviso Prévio de 30 (trinta) dias.

A partir do segundo ano, o empregado terá direito ao previsto no parágrafo único do Art. 1.º da Lei 12.506/11, ou seja, serão acrescidos 03 (três) dias de Aviso Prévio para cada ano trabalhado, limitado a 60 (sessenta) dias, totalizando assim, 90 (noventa) dias de Aviso Prévio.

Se assim considerarmos, o empregado, após 21 (vinte e um) anos de labor, terá direito aos 90 (noventa) dias de aviso prévio, isso porque no primeiro ano tem direito aos 30 (trinta) dias e nos outros 20 (vinte) anos de trabalho, terá acrescido 03 (três) dias para cada ano trabalhado.

Cumpre ressaltar que a regra do acréscimo de 03 (três) dias para cada ano após 01 (um) ano de trabalho realizado é voltado para benefício dos empregados, não do empregador. Dessa forma, um empregado que tiver 10 anos de trabalho na mesma empresa e pedir demissão, deverá cumprir o Aviso Prévio de 30 (trinta) dias.

Se esse mesmo empregado for demitido sem justa causa ou em caso de rescisão indireta, terá direito ao Aviso Prévio de 57 (cinquenta e sete) dias – 30 (trinta) dias pelo primeiro ano e 03 (três) dias acrescidos para cada um dos 09 (nove) anos.

Essa regra do benefício apenas para o empregado deu-se pelo fato da intenção do legislador ser a de regular o disposto no Art. 7º, XXI da CF/88, um dispositivo voltado ao benefício dos trabalhadores.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria