A criminalidade assim como o número de presos aumentam cada vez mais. Se de um lado os direitos do cidadão devem ser respeitados e a prisão cautelar deve ser excepcional, do outro a sociedade também não pode ficar desprotegida.

As reportagens e estatísticas de que a criminalidade aumenta traz a dúvida de o Brasil realmente prender ou não os criminosos. O problema é que, mesmo com tais informações e dados, percebemos que a quantidade de presos também aumenta cada vez mais.

Notícias como “Número de presos aumentou 29% nos últimos cinco anos” (Revista Consultor Jurídico, 2014) afirmam que “O Brasil encerrou 2013 com um total de 548 mil presos, 36 mil a mais que no ano anterior (um aumento de 6,5%)”, o que confirmam os problemas e críticas sempre trazidos à tona por GOMES (2001) que explica “A explosão do número de presos provisórios conferiu ao Brasil o nada honroso posto de campeão mundial em crescimento de população carcerária.”. Tal doutrinador chegou a conclusão que “ (...) a quantidade de detentos não-condenados nas cadeias brasileiras subiu 1253%, de 1990 a 2010. Já o número de definitivos cresceu 278%. Tal disparidade fez com que, hoje, quase 44% dos detidos sejam provisórios. Em 1990, esse índice era de 18%.”

A prisão cautelar, como o próprio nome diz, é uma cautela, que é provisória e que ocorre antes que haja o trânsito em julgado que estipule uma pena. De um lado é uma prisão sem a certeza de uma condenação de um criminoso culpado e de outro é a excepcional restrição de um perigo ambulante trazendo riscos para a sociedade, a paz e a segurança jurídica que exclusivamente ocorrerá nos termos da lei com indícios suficientes da autoria e prova da materialidade delitiva.

Tourinho Filho (2012, p. 479) expõe o dilema existente quando se trata da prisão ou liberdade, pois não obstante a prisão cautelar a depender do caso concreto pode ser injusta ao acusado, “por outro lado, em determinadas hipóteses, a Justiça Penal correria um risco muito grande deixando o indigitado autor do crime em liberdade”.

Fábio Ramazzini Bechara (2005, p. 162) expõe, mui resumidamente, que o fundamento constitucional da prisão cautelar encontra-se na proteção do direito social à segurança, e, havendo suficiente culpabilidade haveria um pressuposto de legalidade necessária a autorizar a medida constritiva e não haveria antecipação dos efeitos de uma condenação. Continua dizendo que além do Poder Constituinte eternizar a presunção de inocência como direito fundamental de natureza individual também possibilitou a intervenção estatal na esfera pessoal do acusado. Concluiu que isto poderia ocorrer através do meio, e não exclusivamente com a pena final, e sim com os instrumentos legais necessários a tornar eficiente a persecução criminal, o que legitimaria as medidas constritivas de alguns direitos fundamentais.

Tudo isto já havia sido tratado há séculos pelos filósofos que falavam do contrato social e por pensadores que tem suas ideias até hoje refletidas na sociedade como Hobbes, Rousseau, Aristóteles, Foucalt, etc.

Atualmente este assunto é cada vez mais estudado e não só por penalistas, mas, principalmente, por constitucionalistas, tendo em vista a ampliação do controle de constitucionalidade e da multiplicação de importantes decisões do Supremo Tribunal Federal.

Basicamente é mais um conflito aparente de normas e como são normas constitucionais originárias deve haver uma compatibilização entre elas com foco no princípio da unidade da Constituição. Para trazer a harmonia nestes casos, o STF sempre cita o princípio da proporcionalidade para averiguar o que é razoável.

À vista disto, os bens jurídicos e motivos na balança de um lado são: evitar uma pena antecipada sem contraditório, ampla defesa e devido processo legal; concretizar o princípio da presunção da inocência e o princípio da não culpabilidade (para os atentos que entendem que não são sinônimos); garantir o direito à liberdade, vida, saúde (nos baseando na disseminação das doenças na prisão) e dignidade da pessoa humana; diminuir os gastos públicos decorrentes da prisão, que inclusive conta com uma falência do seu sistema atualmente; evitar a desigualdade social pela seleção dos crimes que prenderão (seletividade) de modo a auxiliarem na manutenção do sistema protegendo os ricos e deixando os pobres marginalizados; tentar visar e dar eficiência às finalidades da pena; entre outros.

O principal argumento seria fugir das consequências da prisão como a rotulação e estigmatização social; a segregação do mundo; a perda de laços com a família, os amigos e o emprego; o preconceito da sociedade; a destruição da identidade e personalidade; etc.

O contato com outros criminosos tornam as cadeias e presídios, segundo Luiz Flávio Gomes (2012), em uma “Universidade do crime” o que favorece a “reprodução da fábrica de delinquência” e a “aprendizagem intensiva do crime, do ódio e da violência” pelos “alunos-prisioneiros”, além de:

A Universidade do crime, ademais, cumpre outras funções sociais muito “relevantes”: (a) é pretexto para o discurso demagógico e ilusionista que elege ou reelege muitos políticos, (b) constitui a base de reprodução da fábrica de delinquência, (c) é o espaço privilegiado das discriminações, (d) a garantia da impunidade das outras ilegalidades praticadas pelas classes sociais superiores (dominantes), (e) o reforço do estereótipo midiático do criminoso perigoso, (f) o palco das humilhantes degradações demandadas pelo populismo penal midiático, (g) a alavanca da política criminal de extermínio, (h) o instrumento superlativo de controle social das classes marginalizadas e excluídas etc. (GOMES, 2012)

De outro lado, há uma sólida e constitucional fundamentação que rechaça tudo o que foi citado acima ao pensar no direito de toda uma coletividade e não no de uma única pessoa. Basta citar alguns firmamentos corroborando nesta linha, como a proteção da Administração da Justiça; do próprio direito penal e do processo penal que irá instrumentalizar o primeiro; da defesa social; do direito social à segurança; da ordem pública; da paz; da harmonia social; da segurança pública; do impedimento da impunidade; do alcance das finalidades previstas no artigo 282 do CPP como a aplicação da lei penal, a investigação, a instrução criminal e evitar a prática de novas infrações penais quando adequadas à gravidade do crime, às circunstâncias do fato e às condições pessoais do indiciado ou acusado e das finalidades do artigo 312 que visam à garantia da ordem pública, da ordem econômica, à conveniência da instrução criminal, ou à aplicação da lei penal; assim por diante.

Todo este raciocínio é o mesmo para todas as demais modalidades de prisão. Na verdade, em uma reflexão mais funda, toda a ordem na sociedade e toda a existência do Estado em si também são os alicerces, pois sem a imposição de um real respeito de um ordenamento jurídico válido e justo nada restaria.

Conclui-se que os direitos do cidadão devem ser respeitados, no entanto, a sociedade também não pode ficar sem defesa, sendo que tudo isso deve ter um equilíbrio, pautado pelo princípio da proporcionalidade e da dignidade da pessoa humana.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

TOURINHO FILHO, Fernando da Costa. Processo Penal. Vol. 3. 34ª ed. São Paulo: Saraiva, 2012, p. 479.

BECHARA, Fábio Ramazzini. Prisão cautelar. São Paulo: Malheiros Editores, 2005, p. 162.

GOMES, Luiz Flávio. Sistema prisional: maior Universidade do Brasil. Disponível em: <http://atualidadesdodireito.com.br/lfg/2012/07/06/sistema-prisional-maior-universidade-do-brasil/>. Acesso em: 03/06/2014.

GOMES, Luiz Flávio. Presos provisórios: aumento de 1253% em 20 anos. Disponível em: < http://institutoavantebrasil.com.br/presos-provisorios-aumento-de-1253-em-20-anos/>. Acesso em: 03/06/2014.

REVISTA CONSULTOR JURÍDICO. População carcerária: Número de presos aumentou 29% nos últimos cinco anos. Disponível em: <http://www.conjur.com.br/2014-jan-14/numero-presos-brasil-aumentou-29-ultimos-cinco-anos/>. Acesso em: 03/06/2014.


Autor

  • Felipe Akio de Souza Hirata

    Delegado de Polícia Civil do Paraná. Bacharel em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Pós-Graduação Lato Sensu (especialização) de Direito Penal e Processo Penal na Universidade Estácio de Sá. Pós-Graduação Lato Sensu (especialização) em Direito Público no Supremo Concursos em convênio com a Universidade Cândido Mendes. E-mail: [email protected]

    Textos publicados pelo autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso