Toda a história do país vem marcada pela preponderância do mal, seja o decorrente da violência, da expropriação, da espoliação, do extermínio e dos genocídios, seja o consequente das mais ignóbeis fraudes e vilanias germinadoras do enriquecimento sem causa, que aparecem em narrativas midiáticas tendencialmente infinitas.

Desde a origem do mundo (escrevia o maranhense João Francisco Lisboa - 1812-1863, no Jornal de Timon), "o bem e o mal, em luta incessante e permanente, pleiteiam o seu domínio. Sem dúvida, os dois princípios opostos, inerentes à natureza do homem [do humano], andam sempre com ele de companhia: mas segundo as resistências e obstáculos, o favor e indulgência que encontram, ora prepondera o mal, ora o bem". Nossa indulgência aos políticos e seus corruptores favorece a vitória do mal.

A edição Veja de 10/9/14: 13 e 59 e ss., pela milionésima vez na nossa vida social repugnante (da violência e da corrupção), vem comprovar que a história da política e dos políticos brasileiros (está cada vez mais difícil achar exceções) confirma a vitória do mal vil e abominável, desprezível em todos os seus aspectos; a corrupção promovida desde sempre na Petrobrás virou esgoto a céu aberto, pois ela estampa o lodo fermentado pelas contratações falsas, pelas licitações fraudulentas (envolvendo centenas de empresas construtoras, bancos etc.); é o mundo da baixeza, da mais deplorável vigarice estabelecida entre políticos e agentes econômicos e financeiros, produto de uma degradação moral sem peias, que faz da corrupção um meio de ilícito de vida, uma forma de enriquecimento inescrupuloso, dotado de toda imoralidade que se possa canalizar ao campo dos negócios; é na política e nos políticos brasileiros, assim como nos seus desqualificados corruptores, essa classe invisível para a esfera da punibilidade, que habita toda a casta dos vícios mais degradantes que possam ser imaginados no planeta das fraudes; são defeitos morais introjetados na consciência mais profunda dos humanos imperfeitos e gananciosos, que geram "tormento inevitável nos ânimos generosos que os cegos caprichos do acaso designaram para espectadores destas cenas de opróbio e de dor" (Lisboa,Jornal de Timon, p. 34).

A edição do semanário citado revela as informações bombásticas de um ex-diretor da Petrobras, que afirmou que esta gigante do ouro negro, que a natureza tão prodigamente beneficiou o Brasil, foi, pela enésima vez, usada como instrumento de corrupção "para canalizar recursos para as campanhas de três partidos e dar dinheiro a uma fileira de políticos [inescrupulosos e inimigos da nação] que inclui três governadores, seis senadores, um ministro e pelo menos 25 deputados federais. O ex-diretor disse ainda que a compra da refinaria de Pasadena foi usada para fazer caixa dois para campanhas eleitorais e premiar com propina alguns dos participantes do negócio".

O obscuro, atrasado, espoliador e parasitário canto do mundo que habitamos, mais visível pelas suas excrescências e vulgaridades que pela decência e o progresso da humanidade, não escapou até hoje da sorte daqueles que se julgam infelizes e impotentes. Toda a história do país, que já conta com mais de cinco doloridos séculos, incluindo especialmente a tenebrosa época que nos coube atravessar, vem marcada, na ambiência pública e privada (com destaque para aquela), pela preponderância do mal, seja o decorrente da violência, da expropriação, da espoliação, do extermínio e dos genocídios, seja o consequente das mais ignóbeis fraudes e vilanias germinadoras do enriquecimento sem causa, que aparecem em narrativas midiáticas tendencialmente infinitas.


Autor

  • Luiz Flávio Gomes

    Doutor em Direito Penal pela Universidade Complutense de Madri – UCM e Mestre em Direito Penal pela Universidade de São Paulo – USP. Diretor-presidente do Instituto Avante Brasil. Jurista e Professor de Direito Penal e de Processo Penal em vários cursos de pós-graduação no Brasil e no exterior. Autor de vários livros jurídicos e de artigos publicados em periódicos nacionais e estrangeiros. Foi Promotor de Justiça (1980 a 1983), Juiz de Direito (1983 a 1998) e Advogado (1999 a 2001). Estou no www.luizflaviogomes.com

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2002 ABNT)

GOMES, Luiz Flávio. Uso ilícito da Petrobras, política, políticos e corruptores: vitória do mal. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 19, n. 4095, 17 set. 2014. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/31852>. Acesso em: 20 maio 2018.

Comentários

2

  • 0

    Emengarda Felice

    E, daí, doutor? O senhor, que é formador de opinião, escreve, escreve, escreve, e fica só nisso! Lembro-me do affaire "Joaquim Barbosa", lutando sozinho contra tantos inescrupulosos no STF, às vezes grosseiramente, reconheço, porém desgastado e isolado de tantos que deveriam, por ofício e por formação, apoiá-lo em sua bandeira legítima em defesa dos melhores princípios, que deveriam nortear cada brasileiro. E ele permaneceu só, submisso a tantas iniciativas ignóbeis para desmoralizá-lo e ridicularizá-lo, até decidir-se pela aposentadoria e pelo afastamento do Judiciário brasileiro, até, quem sabe, para salvar a própria vida. Não tive o prazer de ouvi-lo, Professor, em defesa do cidadão Joaquim Barbosa ou, mesmo, dos interesses morais do povo brasileiro. Consternada li eminentes outros juristas escreverem contra o homem probo, quiçá sistemático e irritadiço, mas desfraldando a bandeira da correção e da honestidade. Leio todas as suas escritas que tenho tido a oportunidade de ler, e continuarei a fazê-lo sempre que puder. Mas, decepcionada, lamentavelmente.

  • 0

    patricio angelo costa

    Bem que podia ser diferente, não é mesmo? uma Empresa Gigantesca - a Petrobras, orgulho dos Brasileiros! mas o que dizer? gananciosos, pessoas sem escrúpulos, malfeitores, bandidos, se apossaram dessa Empresa, sob a proteção de políticos também sem escrúpulos, malfazejos, e aí nos deparamos - com bilhões desviados. e agora? quem pagará a conta?

Livraria