A aprovação do Novo Código de Processo Civil coloca em xeque a burocracia desnecessária, simplificando procedimentos, prazos, democratizando ainda mais o exercício do direito de acesso à Justiça com dignidade.

O Novo Código de Processo Civil diz a que veio desde o início das primeiras discussões acerca de sua possível reforma: seu lema é a celeridade, que, por sua vez, visa garantir o princípio do acesso à Justiça, e, ainda de acordo com suas novas normas, os princípios do devido processo legal e do contraditório. A exemplo, citamos a exclusão do velho modelo das “exceções”, que agora poderão integrar a própria contestação, diminuindo gastos e a perda de tempo com a criação de peças próprias, além da nova contagem de prazos, que se dará apenas em dias úteis, dentre outras¹.

O Novo CPC surge num momento em que o Judiciário como um todo é tema de destaque no país, inclusive na mídia, tanto devido aos debates referentes às necessidades de reforma- que há muito vinham sendo discutidas-, quanto por conta dos escândalos recentemente insurgidos em diferentes áreas essenciais dos serviços públicos, de modo a facilitar a atuação dos profissionais e a trazer boas perspectivas na tutela dos direitos dos cidadãos, descomplicando e se "desapegando" do excesso de formalidades, que entravam o acesso à justiça.

Num país democrático, insofismavelmente se faz necessário que todos os cidadãos tenham a oportunidade de exercerem seus direitos, e, primeiramente, de entenderem-nosA Lei não deve ser condutora de complicações que dificultam sua aplicação.

Em sua elaboração, deve-se pensar principalmente no cidadão mais leigo, obviamente, naqueles que não são operadores do Direito e, portanto, não compreendem tão facilmente suas regras. É claro que, para tanto, há a brilhante figura do advogado, dos defensores públicos, dentre outras funções essenciais à Justiça, como preconiza a Carta Magna, para auxiliarem neste exercício democrático de direitos. No entanto, também é um direito de todo cidadão entender as medidas que podem ou não determinar o seguimento de itens importantes de sua vida, inclusive durante a elaboração dos meios para tal, que são as próprias leis.

Sendo assim, não basta um profissional exercendo as medidas necessárias e explicando ao cliente quais são as regras, as necessidades, e os porquês disso ou daquilo, mas a dignidade de, previamenteentender quais são essas regras, tendo a oportunidade de avaliar, bem como, melhor exercer seu poder de escolha, tanto de quem o ajudará com suas demandas processuais, quanto daqueles que elaboram as regras a ditarem como tudo isso se sucederá durante o processo.

¹ http://consultor-jurídico.jusbrasil.com.br/noticias/158610618/novo-cpc-une-celeridadeeseguranca-ju...

http://www.conjur.com.br/2014-dez-17/cpc-une-celeridade-segurança-juridica-marcus-vinicius


Autor

  • Suzimar Mariano Tavares

    Suzimar Mariano Tavares

    Empresária/Startup Marketing & Comunicação/Assistente Correspondente jurídica Bacharel em Direito e adv pela Universidade São Judas Tadeu- USJT. Formada em Marketing,Gestão de Comunicação,produção de eventos empresariais pelo ICC- International Cultural Center.Colaboradora CRM Customer Relationship Management Worker. Colaboradora no relacionamento com o cliente, investidores, outros colaboradores.Endomarketing; Marketing multinível; EMarketing.Comunicação Corporativa: Captação de clientes; Planejamento de Marketing,Comunicação interna e público externo; Propaganda (Módulo de Marketing);Mídias e redes sociais(EMarketing/ Marketing online); Produção de eventos: Captação de recursos; Estrutura e Organização de eventos e palestras; Estratégias de vendas; Elaboração de planos de negócios; Planos de atendimento; Gerência. https://mkteventos5.wixsite.com/mkteventos

    Textos publicados pela autora


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria