Discute-se se é cabível a aposentadoria por invalidez nos casos de doença pré-existente. Demonstra ainda o entendimento jurisprudencial.

O presente estudo, visa abordar o tema da aposentadoria por invalidez no Direito Previdenciário, sendo mais específico, no que tange a aposentadoria por invalidez nos casos de doenças pré-existente ou não. Tal tema é discutido no artigo 42 e seguintes da lei nº 8.213/91 que dispõem sobre os planos de Benefícios da Previdência Social.  

Antes de adentrar na discussão sobre se é cabível ou não a aposentadoria por invalidez, é necessário entender o que é tal benefício. Este é um benefício de natureza previdenciária devido ao segurado que for considerado totalmente incapaz e insusceptível de recuperação para o exercício de atividade laborativa que lhe garanta a sua subsistência.

Nesse sentido, determina o artigo 42 da lei mencionada:

Art. 42. A aposentadoria por invalidez, uma vez cumprida, quando for o caso, a carência exigida, será devida ao segurado que, estando ou não em gozo de auxílio-doença, for considerado incapaz e insusceptível de reabilitação para o exercício de atividade que lhe garanta a subsistência, e ser-lhe-á paga enquanto permanecer nesta condição.

(...)

§ 2º A doença ou lesão de que o segurado já era portador ao filiar-se ao Regime Geral de Previdência Social não lhe conferirá direito à aposentadoria por invalidez, salvo quando a incapacidade sobrevier por motivo de progressão ou agravamento dessa doença ou lesão.

A concessão da aposentadoria por invalidez está ligada ao afastamento de todas as atividades. Trata-se, portanto, de um benefício condicionado e provisório, que será pago enquanto permanecer a incapacidade permanente do aposentado para o labor.

Como bem destaca Martins (2009, p. 330): “não há na lei previdenciária prazo de duração para a efetivação da aposentadoria por invalidez”.

Ainda Martins (2009, p. 330) assevera que:

“[...] a aposentadoria por invalidez, de modo geral, é provisória. Ela só será definitiva quando o médico assim entender, pois o segurado não é mais suscetível de recuperação. Passados cinco anos da concessão da aposentadoria por invalidez, não importa que ela venha a ser definitiva, pois o trabalhador pode se recuperar.”

Entende-se portanto, que o benefício por invalidez é condicionado a uma enfermidade, durante somente pelo tempo que essa existir junto a pessoa. Porém, há grandes discussões quando essas doenças são pré-existentes há época de quando este não era segurado, requerendo o benefício quando passou a ser.

A inscrição ao RGPS é algo meramente formal, no qual o segurado apenas informa os dados pessoais, não sendo necessário passar por junta médica para que se tenha alguma comprovação da existência de uma enfermidade. Porém a autarquia, ainda vem negando o benefício do auxílio doença, mesmo sem ter passado por tal procedimento.

Na parte final do parágrafo segundo do artigo 42, traz a exceção da regra geral, quando relata “salvo quando a incapacidade sobrevier por motivo de progressão ou agravamento dessa doença ou lesão”, essa exceção deixa margem a uma interpretação favorável ao segurado.

Neste caso, a doença ou lesão de que o segurado já era portador ao se filiar ao RGPS não será concedido o direito à aposentadoria por invalidez, salvo quando, utilizando a regra do parágrafo segundo do Artigo 42, a incapacidade resultar de progressão ou agravamento dessa doença ou lesão.

Conforme Bragança (2009, p. 87):

“O intuito do legislador é evidente: não permitir que a adesão ao RGPS ocorra tão-somente para a concessão de benefício do segurado já portador de um mal, seja doença ou lesão. Não obstante, se a incapacidade sobrevier por motivo de progressão ou agravamento dessa doença ou lesão, é possível o deferimento da aposentadoria por invalidez. É o caso do segurado vítima de diabetes e que depois de anos a fio de contribuição teve sua acuidade visual sensivelmente diminuída, em decorrência do agravamento da doença.”

É nesse sentido que o judiciário pátrio vem se posicionando, mesmo que exista uma doença pré-existente, o fato dela se agravar ou progredir, que acabe na impossibilidade de continuar trabalhando, é o motivo para que o auxílio seja pago ao segurado, vejamos:

PREVIDENCIÁRIO E PROCESSUAL CIVIL. APOSENTADORIA POR INVALIDEZ. Demonstrada a existência de incapacidade permanente para o exercício de atividade remunerada, o autor tem direito à concessão de aposentadoria por invalidez. Acórdão Classe: - Reexame Necessário Cível Processo: 5013266-38.2011.404.7112 UF: RS Data da Decisão: 25/09/2013    Orgão Julgador: SEXTA TURMA

Retira-se do voto, a importante passagem:

O autor, nascido em 05/03/72 e qualificado como serralheiro, pediu a condenação do INSS na obrigação de lhe pagar auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez, desde a cessação do último benefício. É portador de herpes zoster e doença pelo vírus da imunodeficiência humana, além de transtornos mentais, quadro que o impede de trabalhar.

A sentença analisou o pedido nos seguintes termos:

(...)

O art. 42, § 2º, da Lei 8.213/91, estabelece que 'a doença ou lesão de que o segurado já era portador ao filiar-se ao Regime Geral de Previdência Social não lhe conferirá direito à aposentadoria por invalidez, salvo quando a incapacidade sobrevier por motivo de progressão ou agravamento dessa doença ou lesão'. Desse modo, a doença ou lesão preexistente à filiação do segurado não lhe dá direito ao benefício. No entanto, embora a doença seja anterior à filiação, quando a incapacidade sobrevier posteriormente, em virtude de agravamento da doença, a aposentadoria por invalidez será devida ao segurado. Essa regra visa coibir a prática de fraude contra o sistema, praticada mediante a filiação de pessoas já incapacitadas com o intuito de receber benefício indevido. Importante, para a configuração desses casos, avaliar se o procedimento do segurado caracteriza a má-fé. (grifei)

Verifica-se portanto, que o entendimento pátrio é praticamente em aceitar a concessão do auxílio de invalidez no caso de doenças preexistente, desde que, sejam observadas a parte final do artigo 2 do artigo 42. Deve portanto, a parte autora ao requerer tal benefice, comprovar que a doença se agravou durante o período que estava segurado. Questão essa fundamental para as decisões dos juízes, conforme observado nas jurisprudências analisadas.

Ademais, tal entendimento é praticamente solucionado na segunda esfera judicial, onde os recursos especiais no STJ são dificilmente acolhidos, tendo portanto o entendimento do TRF da região.

BRAGANÇA, Kerlly Huback. Direito Previdenciário. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009.

MARTINS, Sérgio Pinto. Direito da Seguridade Social. São Paulo: Atlas, 2009.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0