Diante do conceitos trazidos pela Constituição de 1988 de prisão civil por dívida alimentícia e da imunidade formal dos parlamentares, poderão deputados e senadores serem presos caso se enquadrem nesta situação?

 


 

 

RESUMO

Este trabalho apresenta uma análise de dois conceitos trazidos pela Constituição da República de 1988: as imunidades concedidas aos parlamentares e uma breve explicação sobre a previsão constitucional de prisão civil por dívida alimentícia. Diante de tais conceitos, faz-se um paralelo entre a imunidade formal concedida aos congressistas e a possibilidade ou não de prisão civil para aqueles deputados e senadores que se enquadrarem nesta situação. 

Palavras chave: imunidades; imunidade formal; prisão civil; dívida alimentícia.

 

1.INTRODUÇÃO

A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 prevê, em seu art. 53, § 2º, a imunidade formal. Esta imunidade significa a prerrogativa dos congressistas não serem presos, salvo em flagrante de crime inafiançável, durante o exercício de seus mandatos. A Carta Magna traz ainda, em seu art. 5º, LXVII, a possibilidade de prisão civil nos casos de inadimplemento nas obrigações alimentícias. Diante da impossibilidade de prisão dos parlamentares e a determinação constitucional de prisão civil por dívida alimentícia, poderão os deputados e senadores ser presos, caso não paguem esta dívida?

2. IMUNIDADE PARLAMENTAR

A imunidade parlamentar é trazida pela CR/88 no Estatuto dos Congressistas. Este Estatuto é, nas palavras do Professor Bernardo Gonçalves: “Um conjunto de normas jurídicas que estatui o regime jurídico de deputados e senadores e, que diz respeito, sobretudo, aos direitos e imunidades ou aos deveres e impedimentos dos membros do Poder Legislativo” (FERNANDES, Bernardo; 2011, p. 664).

Ensina Gilmar Mendes que

Algumas dessas prerrogativas ganham o nome de imunidade, por tornarem o congressista excluído da incidência de certas normas gerais. [...] A imunidade não é concebida para gerar um privilégio ao indivíduo que por acaso esteja no desempenho de mandato popular; tem por escopo, sim, assegurar o livre desempenho do mandato e prevenir ameaças ao funcionamento normal do Legislativo. (MENDES, 2012, p. 1237)

Imunidade parlamentar é, então, a prerrogativa da qual gozam os parlamentares devido ao exercício da função legislativa. Essa imunidade é subdividida no ordenamento jurídico pátrio em imunidade material (CR/88, art.53, caput) e imunidade formal (CR/88, art. 53, § 2º) como observado no texto constitucional:

Art. 53. Os Deputados e Senadores são invioláveis, civil e penalmente, por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos. 
[...]
§ 2º Desde a expedição do diploma, os membros do Congresso Nacional não poderão ser presos, salvo em flagrante de crime inafiançável. Nesse caso, os autos serão remetidos dentro de vinte e quatro horas à Casa respectiva, para que, pelo voto da maioria de seus membros, resolva sobre a prisão.

A imunidade material, nas palavras de Divani Alves dos Santos: “Objetiva assegurar a liberdade de expressão dos parlamentares, significando que eles não responderão, nem penal nem civilmente, por suas opiniões, palavras e votos, no exercício de suas funções no Parlamento ou fora dele” (SANTOS, 2009, p.34)

Vale ressaltar que a imunidade material será aplicada “no exercício de suas funções”, ou seja, deve haver nexo causal entre o que foi proferido pelo congressista e o exercício de sua função.

A imunidade formal, por sua vez, nos dizeres de Alexandre de Moraes “É o instituto que garante ao parlamentar a impossibilidade de ser ou permanecer preso ou, ainda, a possibilidade de sustação do andamento da ação penal por crimes praticados após a diplomação” (MORAES, 2006, p.410)

Enquanto a imunidade material tem eficácia temporal absoluta, ou seja, mesmo com o fim do mandato, os parlamentares não poderão responder por opiniões, palavras e votos proferidos enquanto estavam exercendo suas funções, a imunidade formal é limitada no tempo, isto é, existe enquanto existir o mandato.

 

3.PRISÃO CIVIL POR DÍVIDA ALIMENTÍCIA

O ordenamento jurídico brasileiro prevê quatro tipos de prisão: a penal, a administrativa, a disciplinar e a civil.

Ensina Oscar Valente Cardoso que “a prisão civil, como todas as formas de prisão extrapenal, constitui uma medida excepcional e é utilizada como um meio de coerção para o devedor cumprir a obrigação” (CARDOSO, 2009)

No nosso país, as hipóteses de prisão civil são limitadas pela Carta Magna, que traz como uma garantia fundamental a não existência de prisão civil por dívida, admitindo apenas a prisão civil do inadimplente no pagamento de dívidas alimentícias e a do depositário infiel.

            Ao ratificar a Convenção Americana de Direitos Humanos, que proíbe qualquer espécie de prisão civil por dívida, permitindo apenas a do inadimplente do pagamento de obrigação alimentícia, a prisão civil do depositário infiel gerou controvérsias. Como recepcionar esta norma em nosso ordenamento, já que há o conflito entre a permissão pela Lei Maior e a não permissão pelo Tratado? No Recurso Extraordinário nº  466343/SP, o Pleno do Supremo Tribunal Federal (STF), de forma unânime, decidiu não ser possível, no Brasil, a prisão do depositário infiel, diante da interpretação da Constituição em relação ao Artigo 7.7 da Convenção Americana de Direitos Humanos.

Resolvida tal questão, resta assente que a única forma de prisão civil por dívida admitida no Brasil é “a do responsável pelo inadimplemento voluntário inescusável de obrigação alimentícia” (Art. 5º, LXVII). Diante disso, nos dizeres de Oscar Valente Cardoso: “presume-se que a necessidade de sobrevivência do alimentando (direito à vida) prevalece sobre o direito à liberdade do devedor-alimentante” (CARDOSO, 2009)

            A execução desta prestação alimentar está regulamentada nos arts. 732-735 do CPC, sendo admissível a prisão quando o devedor não efetuar o pagamento ou não justificar a inadimplência. 

4. IMUNIDADE FORMAL E A PRISÃO CIVIL

A imunidade formal garante ao congressista não ser ou permanecer preso e também a prerrogativa de ter sustado o processo em que seja réu.

Sobre a sustação do processo, traz Marianna Carreira Teixeira Fernandes:

A sustação do processo, pela Câmara ou Senado, se dará tão somente nos casos em que o crime, pelo qual é acusado o parlamentar, deve ter sido praticado após a oficialização do mandato. Já nos casos em que o ilícito se deu antes da diplomação correrá, normalmente, o processo perante o juízo competente, não havendo a possibilidade de interromper temporariamente a ação pelo Parlamento. [...] Portanto, a imunidade parlamentar processual, tal como foi concebida pela EC nº 35, não abrange os crimes praticados antes do mandato. (FERNADES, Marianna; 2009, p.20) 

A imunidade prisional, por outro lado, se refere à impossibilidade do membro do Congresso Nacional ser preso, exceto em flagrante de crime inafiançável.

            A mesma autora afirma, sobre a imunidade prisional:

O referido artigo (art. 53, §2º) deve ser lido e entendido como tratando somente de prisão penal. Isto porque um parlamentar não tem poderes para manipular a prisão civil por dívida de alimentos, já que esta possui um único critério para ser decretada que é a dívida de alimentos. (FERNANDES,Marianna; 2009, p.21)

            Consoante Marianna, uma norma não pode violar direitos tão importantes, como o direito à vida do alimentado, que, na inadimplência do provedor de alimentos pode correr risco de morte. Vale lembrar, também, que na prisão por esse tipo de dívida, o débito diz respeito à pessoa pessoal do parlamentar, não tendo nenhuma relação com o seu mandato.

            Ainda nas palavras de Marianna Fernandes “tal situação leva à violação do princípio da isonomia, não se podendo falar em tratar os desiguais de forma desigual. Isto porque a pessoa do parlamentar não é desigual em relação a todos os outros devedores de alimentos” (FERNANDES, Marianna; 2009, p.24)

5.CONCLUSÃO

A Constituição de 1988 traz em seu texto dois preceitos: no art. 5º, LXVII, a impossibilidade de prisão civil, salvo nos casos de dívida alimentícia; e, no contexto dos direitos, deveres e competências do Poder Legislativo, as imunidades parlamentares (art. 53).

Quando de um conflito entre a imunidade formal e a prisão civil por dívida alimentícia, entende-se que prevalece o direito fundamental à vida do alimentado, em detrimento do direito à liberdade do parlamentar inadimplente. Além disso, acredita-se que a interpretação da imunidade formal deve ser feita em relação à prisão penal.

Diante disso, para não abrir brechas ao desrespeito do direito à vida do alimentado e por não haver relação entre a dívida de alimentos e o mandato parlamentar, defende-se a permissão da prisão civil de parlamentares por dívidas alimentícias.  

 

REFERÊNCAS BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Entenda as diferenças entre os diversos tipos de prisão no Brasil. Disponível em <http://stf.jusbrasil.com.br/noticias/789062/entenda-as-diferencas-entre-os-diversos-tipos-de-prisao-no-brasil>. Acesso em: 03/12/2015

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988. 

CARDOSO, Oscar Valente. Prisão pelo não-pagamento de pensão alimentícia. Disponível em <http://revistavisaojuridica.uol.com.br/advogados-leis-jurisprudencia/40/prisao-civil-pelo-nao-pagamento-de-pensao-alimenticia-151222-1.asp>. Acesso em: 03/12/2015

DUTRA, Carlos Eduardo. Imunidade Parlamentar na Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Itajaí, 2009. Disponível em
<http://siaibib01.univali.br/pdf/Carlos%20Eduardo%20Dutra.pdf>. Acesso em: 02/12/2015

FERNANDES, Bernardo Gonçalves. Curso de Direito Constitucional. 3.ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011

FERNANDES, Marianna Carreira Fernandes. Prisão civil por dívida de alimentos e a imunidade formal dos parlamentares. Rio de Janeiro, 2009. Disponível em <http://www.emerj.tjrj.jus.br/paginas/trabalhos_conclusao/1semestre2009/trabalhos_12009/mariannafernandes.pdf>. Acesso em: 29/11/2015

MENDES, Gilmar Ferreira; BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de Direito Constitucional. 7. Ed. São Paulo: Saraiva, 2012

MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional. 19.ed. São Paulo: Atlas, 2006.

SANTOS, Divani Alves dos. Imunidade Parlamentar à luz da Constituição Federal de 1988. Brasília, 2009. Disponível em< http://bd.camara.gov.br/bd/handle/bdcamara/3604>. Acesso em: 02/12/2015

 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0