Aos que conspiram para chegar ao poder sem ganhar eleições sugiro que olhem para o que está ocorrendo na Ucrania e na Síria.

Ontem o Advogado Geral da União fez a defesa de Dilma Rousseff, no processo de Impedimento, perante a Câmara dos Deputados. Eduardo Cardozo foi extremamente técnico. Ele apontou quais são os requisitos do Impedimento prescritos na CF/88 e demonstrou de maneira racional porque o processo em andamento não se ajusta aos preceitos constitucionais. Sem dúvida alguma, ele procurou resgatar a autoridade da Carta Magna que tem sido pisoteada por deputados e por jornalistas.

E já que estamos falando de autoridade, nunca é demais lembrar as palavras de Ulysses Guimarães quando promulgou a CF/88, que ele mesmo chamou de “constituição cidadã”. Disse o então presidente da constituinte:

“Declaro promulgado o documento da liberdade, da democracia e da justiça social do Brasil”.

Nós vivemos numa sociedade laica, em que o Estado está desligado da religião e em que não existe vinculação entre o jurídico e o sagrado. Mesmo assim, nós atribuímos ampla autoridade às leis escritas e atribuímos suprema autoridade à Constituição Federal, documento fundamental que orienta o funcionamento do Estado e vincula a ação dos agentes estatais.

Nos primórdios da civilização ocidental, a religião emprestava autoridade às leis escritas. Há documentos que comprovam esta ligação entre o jurídico e o sagrado: 

“O que é particularmente impressionante é como muitas leis tem sanções religiosas, um juramento ou uma maldição no caso de Téos, e diversas leis são de fato dedicadas a um deus que deva assegurar que ninguém as transgrida: ‘Sobrevenha destruição sobre aquele que as transgrida, mas possa o deus (Apolo Pítio) ser bom com aquele que as observe’. Essas inscrições arcaicas são geralmente postas perto ou ao lado dos templos.” (Letramento e Oralidade na Grégia Antiga, Rosalind Thomas, editora Odysseus, 2005, p. 99)

“Declaro promulgado o documento da liberdade, da democracia e da justiça social do Brasil”. A julgar pela ampla resistência popular ao golpe de estado disfarçado de Impedimento, estas palavras ditas por Ulysses Guimarães ao promulgar a CF/88 funcionam como uma maldição.

Todos aqueles que querem rasgar o documento da liberdade estão rapidamente se tornando tiranos aos olhos do povo brasileiro. Nas ruas, nas praças e na internet milhões de pessoas defendem com paixão o documento da democracia. O mesmo documento que alguns larápios autoritários pretendem subverter para levar ao poder um vice-presidente maldito em razão de pisotear a letra da constituição promulgada por um ex-presidente do seu próprio partido. Ai daqueles que conspiram contra o documento da justiça social. Sem respeito a CF/88 não haverá nem paz, nem segurança para os beneficiários da nova tirania.

Eduardo Cardozo fez bem em ser técnico. Ele reforçou na tribuna da Câmara a maldição lançada por Ulysses Guimarães a todos os parlamentares encarregados de cumprir e fazer cumprir a constituição em vigor. Malditos sejam todos que ousarem depor Dilma Rousseff porque não aceitam o resultado de uma eleição e porque não querem disputar a próxima eleição marcada para 2018.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

1

  • 0

    MARCO ANTONIO BORELLI

    Num cargo comissionado a interpretação da lei jamais seria diferente. Por outro lado, a eleição federal foi custeada pelo dinheiro oriundo de empreiteiras em forma de propinas. Aí ficou fácil, muito fácil.

Livraria