Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

O imbróglio Cracolândia em São Paulo: questão de saúde ou segurança pública?

Análise da propagação do tráfico de drogas na popular região central da capital paulistana, bem como do agonizante e deprimente estado dos dependentes do crack.

Há ao menos duas décadas os moradores da capital paulista assistem ao avanço da denominada “cracolândia”, termo pejorativo que denomina o centro velho da cidade, sitiado pelo tráfico e usuários de drogas. Os viciados perambulam pelas imediações cometendo crimes na ânsia de satisfazer o seu vício.

Em meados dos anos 2000 a prefeitura paulista iniciou um plano de revitalização nos arredores do centro em busca de retomar o prestígio de outras décadas, com a isenção de impostos prediais para novos moradores, benesses tributárias em busca de fomentar o comércio local e o fechamento de locais utilizados direta ou indiretamente no comércio e uso de entorpecentes, tais como pequenos hotéis, meretrícios e bares. Ainda com esses investimentos, o desencadeamento de ações policiais, ainda que voláteis, mas com o objetivo de inibir a aglomeração dos usuários e o comércio de entorpecentes pelas ruas bem como o livre direito de ir vir dos moradores e transeuntes, vítimas colaterais desse imbróglio.

O termo cracolândia remonta à mistura de cocaína, água e toda sorte de química, tais como bicarbonato, cal ou sal, o que dá origem, assim, ao famigerado crack. Por se tratar de uma combinação química que causa alta dependência e de pouca qualidade, torna-se mais acessível, sendo que o seu consumo se propagou de forma endêmica principalmente pelos menos afortunados e população de rua. Em pouco tempo o indivíduo está totalmente dependente e, a partir daí, passa a perder brio e assemelha-se a um fantasma ambulante, doente, desprovido de qualquer vaidade e objetivos, cujo desejo é apenas consumir mais droga.

Inicialmente, cuidar dessa problemática como questão policial pareceu desastrosa, o que foi duramente rechaçado por alguns especialistas, pois é notória a situação calamitosa a que o dependente químico é exposto, alguns buscando ajuda para se livrar do vício e muitos outros encabeçando as estatísticas de mortos em decorrência do uso dessa substância nefasta.

No entanto, a mídia revelou que, por trás do flagelo dos viciados que se amontoam pelas ruas em busca da droga, uma facção criminosa lucra muito com a situação, desenvolvendo uma espécie de feira livre da droga e sem ser incomodada. Diante das irrefutáveis constatações, parece mais uma questão interdisciplinar e que requer o envolvimento dos poderes municipal e estadual, abandonando disputas político-partidárias e o velho discurso de remeter o problema somente para os profissionais de saúde e assistência social. Estima-se que, por mês, a organização criminosa lucre oito milhões de reais, em detrimento de vidas e sonhos que se perdem diuturnamente no cachimbo da droga. Logo, é caso também de interferência do aparato de segurança pública, pois é dever do Estado manter a paz social.

Cortar o mal pela raiz parece, num primeiro momento, uma medida drástica e pouco popular, mas que se faz necessária para restabelecer a ordem e o direito das pessoas voltarem a transitar nessas ruas, incentivar o comércio local a emergir novamente, a revitalização das residências que possuem grande valor para o patrimônio histórico e arquitetônico, bem como os moradores da região a terem orgulho de residir nas imediações novamente. Apenas dissipar a concentração dos viciados do centro velho não será o suficiente, pois isso propicia a criação de outras pequenas zonas de usuários pela cidade, não resolvendo o problema por completo.  

Combater o tráfico de forma enérgica é a saída árdua, na área em questão e em todo território nacional, visto que as fronteiras brasileiras são verdadeiros queijos suíços, pelos quais adentram facilmente armas e drogas. Ademais, deve-se destacar a falta de políticas públicas de saúde para esse enfrentamento, a ineficácia dos centros de acolhimento de tratamento para usuários e parcos recursos humanos empregados num problema tão espinhoso. Conclui-se, portanto, que esforços coordenados, como a criação e expansão de consultórios itinerantes, aumento dos centros de atenção psicossociais, equipes interdisciplinares, envolvendo psiquiatras, enfermeiros, psicólogos e assistentes sociais, além de outros profissionais afetos, auxiliarão de forma ímpar nesse processo de transformação urbana e social, contando com o envolvimento de toda a sociedade civil, atuando nas bases do controle formal na repressão e combate ao tráfico, junto aos profissionais da saúde, famílias dos doentes, ex-viciados e instituições religiosas.

Assuntos relacionados
Sobre o autor
Imagem do autor Rafaelle Jhonathas de Sousa Guimarães
Rafaelle Jhonathas de Sousa Guimarães

Pós-Graduado em Direito Penal. Bacharel em Direito pela Universidade Paulista com aprovação no XIX Exame de Ordem Unificado. Servidor Público desde 2005, atualmente é Policial Civil do Estado de São Paulo desenvolvendo suas atividades junto ao Centro de Operações Integradas. Realizou diversos cursos de especialização pela Academia de Polícia Civil de São Paulo- ACADEPOL, Ministério da Aeronáutica, Ministério da Justiça-SENASP, Escola Paulista da Magistratura de São Paulo e outras instituições coirmãs. Postulante ao cargo de Delegado de Polícia.

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!