Após a separação do casal, qual é a guarda que vem sendo praticado na Justiça para os menores e quais as opções legais?

Infelizmente casais se separam, e com a existência de filhos menores, a situação da guarda dessas crianças acaba sendo definida judicialmente.

É um momento muito delicado e alguns esclarecimentos podem ajudar.

Primeiramente, é importante saber que existem 4 espécies de guarda. Duas delas previstas expressamente no Código Civil e outras duas definidas pelos juristas, mas que também existem, na prática.

Quais são elas?

  1. Guarda unilateral (exclusiva): nesse caso, o pai, a mãe ou outra pessoa ( exemplo, os avós) fica com a guarda exclusiva da criança e a outra pessoa terá o direito apenas de visitação. De qualquer sorte, terá também o dever de supervisionar os interesses da criança. Entretanto, as decisões referentes ao filho serão tomadas de forma unilateral, por quem tem a guarda. Nos dias atuais, apesar de não ser a regra, ainda é bastante utilizada.
  2. Guarda compartilhada (conjunta): já aqui, ambos os pais são responsáveis pela guarda e decisões referentes á criança.  Nesse caso, apesar da responsabilização conjunta, ele vive apenas com um dos pais, tendo a base da moradia naquela que melhor atenda aos anseios e interesses da criança. O tempo de convivência deve ser dividido de forma equilibrada entre os pais e o juiz estabelecerá as atribuições que caberá a cada um dos responsáveis. É a regra prevista no Código Civil.
  3. Alternada: ocorre quando o pai e  mãe se revezam em períodos exclusivos de guarda, cabendo ao outro direitos de visita. Nesse tipo de guarda, a criança fica morando, por exemplo, 1 semana na casa do pai e 1 semana na casa da mãe, sendo que enquanto estiver na companhia de um, o outro não pode intervir nas suas decisões. Não é recomendável, visto que pode trazer confusões psicológicas e falta de referência da criança.
  4. Aninhamento (nidação): nesse tipo de guarda, a criança permanece na mesma casa onde morava, diante da separação dos pais e esses, de forma alternada, se revezam em sua companhia. Apesar de considerada benéfica para a criança, é pouco prática para a efetiva implementação.

Como é definida a guarda?

O ideal é que a guarda seja definida de forma consensual pelos pais. Após,esse acordo é levado juízo, e em audiência, o juiz o homologa. A lei determina, inclusive, que o juiz deve incentivar a guarda compartilhada.

Se, entretanto, esse consenso não for alcançado, o juiz fixará a guarda, de forma compulsória e os pais deverão seguir as regras estabelecidas.

A guarda poderá ser estabelecida em ação específica, ou ainda na própria ação de divórcio ou dissolução de união estável do casal, na Vara de Família.

Qual a regra para a guarda?

Conforme acima mencionado, não havendo acordo entre as partes, o juiz é quem fixará a guarda. E nesse caso, a regra é que seja a guarda compartilhada.

Entretanto, há exceções na lei:

  1. Quando um dos genitores declara ao juiz eu não deseja a guarda do menor;
  2. Quando um dos genitores não está apto a exercer o poder familiar

E o que seria não estar apto a exercer o poder familiar?

Bem, a situação não é tão simples. O entendimento dos Tribunais é de que somente pode ser considerado inapto para exercer a guarda, se houver uma decisão judicial determinando a suspensão ou a perda do poder familiar.

Há outras possibilidades para não se estabelecer a guarda compartilhada?

Sim. Algumas decisões judiciais, num caso concreto, podem aumentar as 2 exceções acima. Isso pode ocorrer, por exemplo, quando o pai mora em uma cidade e a mãe em outra, distante. Tudo dependerá de se demonstrar, naquela situação específica, que o melhor interesse do menor está sendo respeitado.

E se os pais não se dão bem? A guarda compartilhada pode ser afastada?

O entendimento do Judiciário é que mera animosidade e diferença de pontos de vista sobre a criação dos filhos não são impeditivos para a fixação da guarda compartilhada.

Tal posicionamento é bastante criticado, do ponto de vista prático, visto que se os pais da criança não gozam de uma relação harmoniosa, é muito pouco provável que consigam dialogar e decidir pontos controvertidos sobre os filhos ( Ex: onde estudar, qual esporte fazer, o tempo a ser distribuído entre os pais, etc).

E se, ao final do processo, chegar-se a conclusão de que é inviável a guarda compartilhada?

Nesse caso, a atribuição ou alteração da guarda será preferencialmente para o genitor que viabiliza a convivência do menor com o outro genitor.

De qualquer forma, em qualquer situação, o melhor interesse do menor deve guiar qualquer tipo de decisão. E caso se verifique que nenhum dos genitores tem condições de ter a guarda dos filhos, ela poderá ser deferida para outra pessoa, como os avós, por exemplo.

A situação familiar é bastante delicada e deve ser acompanhada de perto por um advogado especializado no assunto.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria