Existem duas correntes hermenêuticas que discutem os limites da atuação do Poder Judiciário: os substancialistas e os procedimentalistas. Parte 2 - Substancialistas.

 

Dia 16.

 

Principais Teóricos filosófico e sociológicos do Pós-Constitucionalismo Moderno (Dias Atuais).

 

O substancialistas têm como expoentes os filósofos do direito entre o Direito na visão analítica (Robert Alexy) e o Direito como integridade (Ronald Dworkin).

 

Robert Alexy, em síntese, defende no devido processo legal formal (rito de processo legal propriamente dito) e o devido processo legal substantivo (no que tange ao critério, pressuposto e/ou princípio ou sobreprincípio da razoabilidade que se subdivide em três fases: 1) Adequação; 2) Necessidade e 3) Ponderação (ou proporcionalidade em sentido estrito).

 

Quanto a ofensa do princípio da proporcionalidade deve-se ter em mente três critérios: 1) Adequação; 2) Necessidade; 3) Ponderação (ou proporcionalidade em sentido estrito. 

 

Da adequação deve-se se perguntar, se aquela decisão tomada é ou não, a mais adequada a ser tomada dentro de do contexto de amplitude de decisões possíveis.

 

Da necessidade se extrai o princípio de que se há uma resposta correta para determinada questão sub judice, é necessário reconhecer a necessidade de se ter uma resposta correta e responder os motivos de fato e de direito que levaram a essa conclusão, ou se está incorreta e novamente pelos motivos de fato e de direito que levaram a essa conclusão.

 

 

Por fim, quanto a ponderação (ou proporcionalidade em sentido estrito), tem-se que haver a ponderação dos valores que estão em jogo nesse processo judicial de mandado de segurança: A questão a indagar é esta: entre princípios em jogo, qual será a melhor a ser utilizada para a conclusão e tomada de decisão final (são a verdadeiras antinomias, que não podem ser solucionadas por antinomias aparentes que são resolvidas pelas regras da hierarquia, especialidade e de cronologia).

 

 

Quanto ao Direito como Integridade proposta por Ronald Dworkin diz as simples questões entre a: a) A relação entre Direito e Moral; b) A distinção entre regras e princípios; c) A questão da discricionariedade do juiz. 

 

 

1) A Relação existente entre Moral e Direito:

 

Para Dworkin diz que não existe juiz neutro. Os juristas são treinados para analisar lei escritas e decisões judiciais de modo que que extraem uma doutrina jurídica dessas fontes oficiais. Eles são treinados para analisar situações factuais complexa com o objetivo de resumir, de forma precisa, os fatos essenciais. E são treinados para pensar em termos táticos, para conceber leis e instituições jurídicas que produzirão mudanças sociais específicas, anteriormente decididas.

 

A abordagem profissional da teoria do direito tentou reformular a questões relativas à doutrina legal de tal maneira que uma ou mais dessas qualificações pudesse ser empregada. Essa abordagem produziu apenas a ilusão de progresso e deixou intocadas as questões de princípio, genuinamente importantemente, que existem no direito.

 

Para Dworkin, a identificação do Direito ocorre por uma “interpretação da prática jurídica”.

 

A Teoria Jurídica de Ronald Dworkin é baseada em convicções morais. Para ele, na reflexão sobre a reflexão sobre os métodos utilizados pelos juristas para fundamentar suas decisões, busca-se desenvolver uma teoria geral do direito, desenvolvida ao longo de vários estágios, quais sejam o estágio semântico, no qual é definido o conceito que servirá de pressuposto à teoria; o estágio teórico, no qual são elaboradas a descrições das condições de veracidade das proposições de direito levando em consideração o valores identificados na fase anterior; e o estágio da decisão judicial, em que é analisado como e porque a autoridades devem decidir em casos específicos.

 

A questão da decisão judicial é uma questão não só jurídica, mas política e moral, buscando esclarecer quando, e se, a moral autoriza o juiz a julgar de forma independente da lei e até mesmo contra ela:

 

A questão da justificação tem ramificações importantes, pois afeta não somente a extensão da autoridade judicial, mas remete também à extensão da obrigação moral e política do indivíduo de obedecer à lei criada pelo juiz. Afeta igualmente o fundamento com base nos quais e pode contestar uma decisão controversa.

 

2) A Famosa Distinção entre Regras e Princípios:

 

Para Dworkin, há uma ressignificação do conceito de norma, apontando que ela pode ser princípio, política e regra. As políticas seriam as normas que garantem políticas públicas; os princípios, por sua vez traduzem valores.

 

A posição de Dworkin é a de que os princípios e as políticas distinguem-se das regras com conteúdo axiológico maior.

 

A posição de Dworkin é a de que os princípios e a políticas distinguem-se da regra em virtude de sua dimensão de análise dessa espécie de norma é distinta daquela relacionada à mera validade. As regras, por sua vez, obedeceriam ao modelo de “tudo ou nada”, isto é, e aplicável ao caso concreto é conclusiva e deve necessariamente ser aplicada:

 

3) O Sistema monofásico da discricionariedade do juiz segundo Dworkin a depender da existência ou não de um momento de discricionariedade em sentido forte do juiz, o que envolve a superação da regra para e valer da moral.

 

Para Ronald Dworkin, esse exaurimento representa uma falha na teoria da regra social e, por isso, é necessária uma análise holística a identificação e justificação da lei, ou seja, não há dois momentos, o juiz tem discricionariedade e utiliza a moral já para a análise e justificação da própria lei e não depois; não há dois momentos.

 

Nesse sentido, o “sistema interpretativo monofásico” de Dworkin diz que ao permitir a escolha, pelo juiz, entre critérios “que um homem razoável poderia interpretar de diferentes maneiras”, propondo, ao mesmo tempo, a existência de um dever legal do juiz de analisar de modo mais abrangentes a fontes da lei, inclusive no que toca a princípios não convencionais; torna a lei capaz de alcançar mesmo casos difíceis, fornecendo a esses casos critérios mais objetivos do que o mero recurso à discricionariedade em sentido forte. Torna, ainda, a lei capaz de alcançar casos difíceis, sem retirar do juiz a discricionariedade em sentido fraco.

 

Bem, esses (Dworkin e Alexy) são os expoentes substancialistas do final do século XX e início do século XXI, e (Luhmann e Habermas) são os expoentes substancialistas do final do século XX e início do século XXI.

 

Bem, em alguns casos, aplica-se a maioria substancialistas e em outros casos os procedimentalitas. Não há uma reposta universal para todos os casos, e as vezes deve-se utilizar-se o meio-termo entre essas duas correntes doutrinárias: Dos Procedimentalistas e Dos Substancialistas.

 

Direitos Autorais e:

 

Att., Caio César Soares Ribeiro Borges Patriota/Caio César Soares Ribeiro Patriota.

 

São Paulo, São Paulo, às 08:44.

 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0