Análise de um caso de desconsideração da personalidade jurídica do Código Civil com base no entendimento mais recente do STJ-28 de Janeiro de 2015. Tem que ser demonstrado o abuso da personalidade jurídica, não sendo suficiente a dissolução irregular.

STJ: DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA NO CÓDIGO CIVIL

EREsp 1306553

SITUAÇÃO FÁTICA

Frigorífico R. S/A, credor, executou Comércio de Carnes V. V. LTDA, em virtude de ter recebido cheques que retornaram por insuficiência de fundos em 1998 no valor aproximado de 30 mil reais. Durante a execução, o credor não encontrou bens suficientes para resolver a dívida. De modo em que atravessou uma petição de desconsideração da personalidade jurídica com base no artigo 50 do Código Civil. Alegou substancialmente que a Executada encerrou as atividades de modo irregular, pois não seguiu os tramites legais. Porém, o Credor deixou de demonstrar, detalhadamente, o abuso da personalidade jurídica: confusão patrimonial ou/e desvio de finalidade, requisitos do artigo 50 do Código Civil.

A dinâmica processual

O Juiz deferiu o pedido de desconsideração da personalidade jurídica. O Tribunal de Justiça de Santa Catarina reverteu a decisão. A Credora recorreu ao STJ,  no qual, tanto o Ministro Relator, quanto a Terceira Turma, deferiram novamente o pedido, sob o argumento de que a dissolução irregular é sim motivo suficiente para a desconsideração da personalidade jurídica. Contudo, a Devedora interpôs embargos de divergência ao demonstrar que a 4º Turma do STJ tinha entendimento oposto. O caso foi levado a Segunda Seção do STJ, a qual reúne as Turmas de julgamentos especializadas em direito privado.


SITUAÇÃO JURÍDICA

A desconsideração da personalidade jurídica significa, essencialmente, o descumprimento episódico (eventual), pelo Poder Judiciário, da personalidade autônoma de uma pessoa jurídica, com o propósito de permitir que seus sócios respondam com seu patrimônio pessoal pelos atos abusivos ou fraudulentos praticados sob o véu societário. (FARIAS. Cristiano Chaves de. Curso de Direito Civil. Volume 1. Editora JusPodivm: Salvador.10º Ed. P. 452. )

O ponto neural do caso em foco e sob o qual o STJ se debruçou reside justamente aqui: para a desconsideração da personalidade jurídica com base no artigo 50 do Código Civil quais são os requisitos que precisam ser cumpridos? Basta a demonstração do encerramento irregular ou é necessário também o abuso da personalidade jurídica?

Primeiramente cumpre destacar como bem lembrou a Ministra Isabel Galotti que a presente figura processual da desconsideração está presente em diversos diplomas legislativos, tais como: Código de Defesa do Consumidor (artigo 28); Lei 9.605/98 (artigo 4º) e Código Tributário Nacional (art. 137,VII). E cada um desses diplomas aborda a desconsideração da personalidade jurídica de forma específica. Enquanto alguns preveem requisitos mais estreitos, outros podem ser mais amplos. De maneira em que a análise desse instituto deve ser vista de acordo com o Microssistema, no qual está inserido.

No caso em foco, é o Código Civil que rege o tema. E em seu artigo 50 estão expressos os requisitos: o abuso da personalidade jurídica mediante o desvio de finalidade e a confusão patrimonial.

Em outro giro é importante destacar acercas das principais teorias doutrinárias que regem o tema:

Teoria menor     x   Teoria Maior

A doutrina civilista é unânime na consideração de que o Código Civil adotou a teoria maior; porém em outros diplomas legislativos como no Código de Defesa do Consumidor é patente que em alguns casos se aplica a teoria menor. Mas qual a grande diferença entre elas:

A teoria maior da desconsideração, regra geral no sistema jurídico brasileiro, não pode ser aplicada com a mera demonstração de estar a pessoa jurídica insolvente para o cumprimento de suas obrigações. Exige-se, aqui, para além da prova de insolvência, ou a demonstração de desvio de finalidade (teoria subjetiva da desconsideração) ou a demonstração de confusão patrimonial (teoria objetiva da desconsideração). A teoria menor da desconsideração, acolhida em nosso ordenamento jurídico excepcionalmente no Direito do Consumidor e no Direito Ambiental, incide com a mera prova de insolvência da existência de desvio de finalidade ou de confusão patrimonial. Para a teoria menor, o risco empresarial normal às atividades econômicas não pode ser suportado pelo terceiro que contratou com a pessoa jurídica, mas pelos sócios e/ou administradores desta, ainda que estes demonstrem conduta administrativa proba, isso té, mesmo que não exista qualquer prova capaz de identificar conduta culposa ou dolosa por parte dos sócios e/ou administradores da pessoa jurídica. A aplicação da teoria menor da desconsideração às relações de consumo está calcada na exegese autônoma do §5º do art. 28 do CDC, porquanto a incidência desse dispositivo não se subordina à demonstração dos requisitos previstos no caput do artigo indicado, mas apenas à prova de causar, a mera existência da pessoa jurídica, obstáculo ao ressarcimento de prejuízos causados aos consumidores”. (STJ, Ac 3ª t., REsp. 279.273/SP, Rel. Min. Fátima Nancy Andrighi, j. 4.12.03)

O QUE DECIDIU O STJ

O STJ optou pela adoção da teoria maior e consolidou o entendimento que pode ser resumido nas seguintes palavras:

A excepcional penetração no âmago da pessoa jurídica, com o levantamento do manto que protege essa independência patrimonial, exige a presença do pressuposto específico do abuso da personalidade jurídica, com a finalidade de lesão a direito de terceiro, infração da lei ou descumprimento de contrato. O simples fato da recorrida ter encerrado suas atividades operacionais e ainda estar inscrita na Junta Comercial não é, por si só, indicativo de que tenha  havido fraude ou má-fé na condução dos seus negócios [...]" (REsp. n. 876974/SP, rela. Mina. Nancy Andrighi, j. 27-8-2007).

Por fim, a Relatora concluiu:

“Não se quer dizer com isso que o encerramento da sociedade jamais será causa de desconsideração de sua personalidade, mas que somente o será quando sua dissolução ou inatividade irregulares tenham o fim de fraudar a lei, com o desvirtuamento da finalidade institucional ou confusão patrimonial”.

Desse modo, o pedido do Credor foi indeferido, pois o Credor apenas demonstrou a dissolução da sociedade de maneira irregular sem especificar qualquer abuso por parte dos sócios.


Autor

  • Ivan Morais

    Advogado formado em Direito pela Universidade de Brasília.<br>Sócio Fundador do Morais Ribeiro e Advogados Associados<br>Fundador e colunista do site capitaljuridica.com.br

    Textos publicados pelo autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria