Neste artigo, o advogado Rodrigo Ludwig explana sobre os resultados da pesquisa realizada pelo Ipea acerca da tolerância social à violência contra as mulheres.

Na última quinta-feira o Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea) divulgou através do Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) os resultados acerca da tolerância social à violência contra as mulheres, onde foram entrevistadas 3.810 pessoas em 212 cidades, abrangendo todas as unidades da federação.

Em conformidade com a pesquisa realizada pelo Ipea/SIPS, 65,1% dos entrevistados concordam totalmente ou parcialmente que as mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas. No mesmo sentido, 58,5% das pessoas que foram submetidas à entrevista concordam totalmente ou parcialmente que se as mulheres soubessem como se comportar, haveria menos estupros.

Baseando-se em tais afirmativas, a conclusão do Ipea/SIPS é que a culpabilização da mulher pela violência sexual está ligada à noção de incapacidade do homem de controlar seus apetites sexuais. De acordo com o levantamento, a responsabilidade pelo estupro seria da mulher ao não se comportar adequadamente, eximindo o estuprador de culpa ao estabelecer um propósito corretivo na prática do crime.

O resultado da pesquisa revelou que a cultura machista e o preconceito de gênero permanecem arraigados no comportamento da sociedade brasileira. Não obstante a mulher ter vivenciado a brutalidade do crime de estupro, seria justo, ético e moral ser responsabilizada pela violência sofrida em razão de suas roupas?

Não é crível que uma mulher seja responsabilizada pela violência com o fundamento de que não se coaduna aos padrões preconizados pela sociedade. A adoção do uso de estereótipos sociais e comportamentais banaliza a violência sexual que milhares de mulheres sofreram, sofrem e, infelizmente, ainda sofrerão no Brasil.

Limitar-se a analisar o comportamento e a conduta social das mulheres, separando-as de acordo com a sua maneira de se vestir, não alterará o crime, tampouco atenuará a violência, apenas denotará uma atitude de natureza essencialmente discriminatória.

Nesse contexto, impõe-se crer que quando uma mulher for obrigada a praticar o ato sexual sob violência ou grave ameaça, independentemente dos estereótipos sociais e comportamentais apresentados, este ato será severamente punido, especialmente com o intento de dissuadir a reincidência por parte do estuprador. Não há conduta apta a justificar e, muito menos, amenizar o crime de estupro.

Para que esta lastimável constatação não venha a fincar raízes nefastas, faz-se necessária uma urgente mobilização com a finalidade de coibir tal abuso, fazendo-se uso de manifestações públicas aptas a demonstrar o desprezo à violência contra as mulheres e, desse modo, contribuir para uma sociedade isonômica que se opõe ao machismo e ao preconceito de gênero que lamentavelmente ainda permeiam a sociedade brasileira.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria