Análise do best seller para uma melhor compreensão, e ajuda aos acâdemicos de Direito. Procurando alargar o campo de visão sobre o assunto, tendo em vista que o mesmo é grande amplitude.

EMENTA: O Caso dos Exploradores de Cavernas - Suprema Corte de Newgarth - Ano de 4300. Trata-se nos presentes autos do processo a condenação dos quatro membros da Sociedade Espeleológica pela morte do Sr. Roger Whetmore.

O expediente em questão versa sobre quatro membros da Sociedade Espeleológica - uma organização amadorística de exploração de cavernas.

No ano de 4299 os referidos membros adentraram sob a companhia do Sr. Roger Whetmore a uma caverna, durante a penetração da aludida caverna ocorreu um desmoronamento de pedras o que obstruiu completamente a entrada da mesma, tendo em vista a demora dos mesmos em retornar a sociedade, foi enviada uma equipe de socorro até o local.

Soube-se então, que os exploradores tinham levado consigo para a caverna um rádio transistorizado capaz de receber e enviar mensagens.  Somente no vigésimo dia, os referidos espeleólogos conseguiram manter contato com a equipe de socorro, deste modo, os mesmos procuravam saber quanto tempo seria necessário para liberá-los e foram informados pelos engenheiros responsáveis pelo resgate que duraria pelo menos dez dias, levando em conta a falta de alimentos, os mesmos interrogaram sobre a possibilidade de subsistirem por esse período, o qual foram informados pelo presidente da comissão que havia escassa possibilidade de sobrevivência, então perdeu-se a comunicação via rádio durante oito horas.

Após o restabelecimento de comunicação com a equipe de socorro, o Sr. Whetmore indagou-os sobre a probabilidade de sobreviverem por mais dez dias se alimentando de carne humana, neste caso, referindo-se a ele próprio e os demais, a contra gosto o presidente da comissão respondeu em sentido afirmativo.

Quando os espeleólogos foram libertados soube-se que no vigésimo terceiro dia após adentrarem a caverna o Sr. Whetmore tinha sido morto e sua carne serviu de alimento para seus companheiros. Segundo relato dos companheiros de Whetmore o mesmo propôs tirar a sorte, mediante um par de dados que trazia consigo, para saber qual deles serviriam de mantimento, inicialmente os acusados hesitaram, mas adiante concordaram com o feito. Entretanto, antes que estes fossem lançados o Sr. Whetmore declarou desistência e foi acusado de violação do acordo. Então, quando chegou a sua vez um dos acusados atirou-os em seu lugar, o que foi adversa a sorte, e então foi morto.

Depois de libertos foram acusados e sentenciados pelo assassinato do Sr. Whetmore e o juiz de primeira instância decidiu que os réus eram culpados e consequentemente sentenciados à forca, não lhe permitindo a lei nenhuma discrição com respeito à pena a ser imposta.

É o relatório. Passo a opinar.

Levando em consideração o júri e o juiz de primeira instância tomando como base o dispositivo legal de que:

“Quem quer que intencionalmente prive a outrem da vida será punido com a morte” N.C.S.A (n.s) § 12-A

E que tal ordenamento não permite tolerâncias, sabendo-se do sobejo desdobramento que o caso pode tomar, os ministros divergem suas opiniões sobre o pleito, conforme elencado abaixo:

Foster, J. - Com sua visão jusnaturalista, alega que o caso tomou dimensões dificultosas, e se o Tribunal declarar os acusados culpados a lei de Commonwealth torna-se vergonhosa, e que não se pode conduzir de forma obrigatória uma monstruosa conclusão sobre o fato ora pleiteado, e que em sua percepção os réus são inocentes. Afirma ainda, que o direito positivo, incluindo todas as suas disposições legisladas e todos os seus precedentes, é inaplicável ao caso, e que deveria ser a lei natural adotada para julgar os fatos, tendo em vista que o mesmo ocorreu de modo proveniente a tais fatores. Ressalta ainda, que os fatos ocorreram fora da sociedade e que o direito positivo pressupõe a possibilidade de coexistência dos homens em sociedade, tal situação torna-se subjacente a todos os procedentes e disposições legisladas, desaparecendo a coercibilidade do direito positivo com ela. Quando a suposição de que os homens podem viver em comum deixa de ser verdadeira, como obviamente sucedeu nesta extraordinária situação em que a conservação da vida apenas tornou-se possível pela privação da vida, as premissas básicas subjacentes a toda a nossa ordem jurídica perderam seu significado e sua coercibilidade. Entendendo assim, que matar em legitima defesa é escusável. Deste modo, o réus são inocentes do crime de homicídio contra Roger Whetmore e que a sentença de condenação deve ser reformada.

Tatting, J. - Afirma que no cumprimento dos seus deveres como juiz tem sido normalmente capaz de sociar os aspectos emocionais e intelectuais de suas reações e decidir o caso sub judice, e ao analisar o voto do seu colega Foster,J., informa que o mesmo está minado por contradições e falácias, e que ambos foram designados do Tribunal de Newgarth para aplicar as leis do país. Salienta algumas perguntas como: Com que autoridade nos transformamos em um tribunal da natureza? Se esses homens na verdade se encontram sob a lei natural, de onde vem nossa autoridade para estabelecer e aplicar aquela lei? E conclui, Certamente nós não estamos em um estado de natureza. Para Tatting é fútil a aplicação do jusnaturalismo, e que se os homens tivessem ciência que seu ato era considerado homicídio pela lei, teriam esperado mais alguns dias antes de executar o seu plano. O mesmo conclui que mediante as adversidades dos fatos, os fatores envolvidos, e sem um dispositivo legal que fundamenta como crime o fato em questão, e sentindo infeliz por estar envolvido no presente litigio, revela-se completamente incapaz de afastar as dúvidas que lhe assediam, recusa-se a participar da decisão do caso.

Keen, J. - Relata duas questões: A primeira delas consiste em saber se a clemência executiva deveria ser cedida aos réus caso a condenação seja confirmada, a segunda se o que os homens fizeram foi “justo” ou “injusto”, “mau” ou “bom”. E a única questão presente é decidir dentro do ordenamento jurídico onde o importante é o que consta a clareza da redação N.C.S.A (n.s.) §12-A,:

“Quem quer que intencionalmente prive a outrem da vida será punido com a morte”.

 É múnus do Poder Judiciário aplicar fielmente a lei escrita e de interpretá-la de acordo com seu significado evidente, sem referência a nossos desejos pessoais ou a nossas concepções individuais da justiça. Em conclusão dos fatos, deve-se firmar a sentença condenatória.

Handy, J. - Entende que a lei não deve ser tomada como pressuposto fundamental e que os juízes cumpririam melhor o seu ofício se considerassem as formalidades e os conceitos abstratos como instrumentos e que é mister a opinião popular. Reforça que o caso despertou grande interesse público ao ponto de uma das grandes cadeias de jornais levantar uma enquete sobre o fato supracitado, o qual se obteve cerca de noventa por cento a ressalva de que os réus deveriam ser perdoados ou deixados em liberdade, como uma espécie de pena simbólica. Para Handy sua convicção que seus colegas se horrorizarão por ter sugerido a opinião pública, e por fim, entende que os acusados já sofreram mais tormento e humilhação do que é suportável, declara-os inocentes e que a sentença deve ser reformada.

Mediante aos fatos expostos, à primeira vista os réus aparentam ser inocentes dentro do ordenamento jurídico brasileiro onde a primeira resposta é de que tal atitude foi uma excludente de ilicitude conforme o Código Penal Arts. 23 e 24, in verbis:

"Art. 23 - Não há crime quando o agente pratica o fato:

I - em estado de necessidade;

Art. 24 - Considera-se em estado de necessidade quem pratica o fato para salvar de perigo atual, que não provocou por sua vontade, nem podia de outro modo evitar, direito próprio ou alheio, cujo sacrifício, nas circunstâncias, não era razoável exigir-se."

É Mister evidenciar que o Sr. Roger Whetmore mesmo colocando o acordo em pauta declinou do mesmo antes de ser pactuado, e que seu companheiro lançou os dados em seu lugar. É incabível dizer que tais exploradores não tinham ciência de que tal atitude configurava o crime de homicídio e erro de ilicitude:

Art. 21 - O desconhecimento da lei é inescusável. O erro sobre a ilicitude do fato, se inevitável, isenta de pena; se evitável, poderá diminuí-la de um sexto a um terço.

Ademais que, mediante a Carta Magna, todos são iguais perante a lei:

Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade

III - ninguém será submetido a tortura nem a tratamento desumano ou degradante;

Assim sendo, visando o bem geral, os acusados poderiam mutilar os próprios corpos para saciar a fome, considerando que tais mutilações poderiam infeccionar e levar a fatores supervenientes, o que não justifica o ato de canibalismo. Considerando que o delírio que possa tê-los afetados. Considerando que estavam fora da cidade, nenhum dos fatores supra é relevante para o delito cometido.

É necessário sim um pensamento filosófico sobre o caso para uma visão mais profunda e extensa do pleito, porém, não se pode deixar de lado todo um ordenamento para enfatizar questões emocionais e pessoais. Destarte, deverá ser deixado de lado o litigio jusnaturalista e positivista para chegar-se a um veredicto, pois tão sentença requer profunda atenção e cuidado.

Por fim, o mesmo só poderá ser chancelado pela JUSTIÇA!

É o parecer.

Salvo melhor juízo.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0