Esse trabalho foi feito a partir de um pedido do cliente e do meu desejo de iniciar um trabalho jurídico voltado para o parecer, além da advocacia convencional.

PARECER

TEMA: APOSENTADORIA POR INVALIDEZ DO EMPREGADO x MANUTENÇÃO DO VÍNCULO LABORAL

A dúvida é se no caso de o empregado se afastar por invalidez pode o patrão rescindir o contrato de trabalho e admitir outro empregado para ocupar seu lugar. 

A CLT, em seu Art. 475, prevê que: “O empregado que for aposentado por invalidez terá suspenso o seu contrato de trabalho durante prazo fixado pelas leis de previdência social para a efetivação do benefício.”

E no parágrafo primeiro acrescenta que: “Recuperando o empregado a capacidade de trabalho e sendo a aposentadoria cancelada, ser-lhe-á assegurado o direito à função que ocupava ao tempo da aposentadoria, facultado, porém, ao empregador, o direito de indenizá-lo por rescisão do contrato de trabalho, nos termos dos arts. 477 e 478, salvo na hipótese de ser ele portador de estabilidade, quando a indenização deverá ser paga na forma do art. 497.”

E arremata o parágrafo segundo que: “Se o empregador houver admitido substituto para o aposentado, poderá rescindir, com este, o respectivo contrato de trabalho sem indenização, desde que tenha havido ciência inequívoca da interinidade ao ser celebrado o contrato.”

Ressalto que a aposentadoria por invalidez não expressa a condição de ser rompido o pacto laboral. O gozo do benefício previdenciário é um direito do segurado, o que não significa dizer que para o empregador a aposentadoria corresponde ao direito de fazer cessar o contrato ipso jure.

Importante frisar que o convênio médico, caso a empresa disponibilize ao empregado, deve ser mantido, por que pela suspensão do contrato de trabalho não se pode mudar nada unilateralmente.

O art. 47, da Lei de Benefícios – 8.213/91, fala expressamente do assunto. Diz que: “Verificada a recuperação da capacidade de trabalho do aposentado por invalidez, será observado o seguinte procedimento:

         I – quando a recuperação ocorrer dentro de 5 (cinco) anos, contados da data do início da aposentadoria por invalidez ou do auxílio-doença que antecedeu sem interrupção, o benefício cessará:

         a) De imediato, para o segurado empregado que tiver direito a retornar à função que desempenhava na empresa quando se aposentou, na forma da legislação trabalhista, valendo como documento, para tal fim, o certificado de capacidade fornecido pela Previdência Social;”...

Deve-se também restar claro aqui que, se em 5 anos o empregado não retornou para o trabalho, à empresa seria importante entrar em contato com o empregado e com o INSS para ver qual é a situação dele frente ao benefício da aposentadoria, pois, após esse prazo, ou a aposentadoria se converte em definitiva, ou o INSS cessa o benefício, aí o empregado tem que voltar a trabalhar imediatamente. 

A Súmula do C. TST, n. 160, também afirma a respeito do prescrito na norma acima: “Cancelada a aposentadoria por invalidez, mesmo após cinco anos, o trabalhador terá direito de retornar ao emprego, facultado, porém, ao empregador, indenizá-lo na forma da lei,”

Portanto, conforme os ditames da lei, o empregado mantém seu vínculo empregatício com o patrão. Mister se faz importante dizer que não há nenhuma proibição em contratar um outro empregado para ocupar o lugar daquele que se aposentou, com o entendimento de que, se o empregado afastado se reabilite, a empresa terá de aceitá-lo de volta ao trabalho, e, aí, ou mantém este e o novo empregado contratado, ou demite o que substituiu o que estava afastado.

Outro dado importante é que apenas o contrato de trabalho é mantido, não obrigando o patrão a contribuir com a Previdência, nem depositar o FGTS, pois o contrato está suspenso.

JURISPRUDÊNCIA:

RECURSO DE REVISTA. APOSENTADORIA POR INVALIDEZ. SUSPENSÃO DO CONTRATO DE TRABALHO. FGTS. DEPÓSITOS. A aposentadoria por invalidez não garante ao empregado o direito aos depósitos do FGTS, mesmo porque a legislação específica mantém a obrigação patronal apenas nas situações em que o empregado se afasta para prestar serviço militar obrigatório e em razão de licença concedida em face de acidente do trabalho (art. 15, § 5º, da Lei 8.036/90). Recurso de revista conhecido e desprovido. Processo: RR - 106900-48.2009.5.05.0027 Data de Julgamento: 28/03/2012, Relator Ministro: Aloysio Corrêa da Veiga, 6ª Turma, Data de Publicação: DEJT 13/04/2012.  

RECURSO DE REVISTA. APOSENTADORIA POR INVALIDEZ. DEPÓSITO PARA O FGTS. A aposentadoria por invalidez não se insere entre as hipóteses de necessário depósito para o FGTS, até porque a Lei nº 8.036/90 (art. 20, inciso III) e o Regulamento (art. 35, inciso III, do Decreto nº 99.684/90) autorizam a movimentação da conta vinculada em tal caso. Recurso de revista conhecido e desprovido. Processo: RR - 99600-59.2009.5.05.0019 Data de Julgamento: 26/03/2012, Relator Ministro: Alberto Luiz Bresciani de Fontan Pereira, 3ª Turma, Data de Publicação: DEJT 03/04/2012.  

CONCLUSÃO: Fica mantido o contrato de trabalho, não podendo o empregador demitir o empregado aposentado por invalidez.

PARECERISTA: DRA. NEUSA LEONORA DO CARMO DELLÚ


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria