TATUAGEM. ELIMINAÇÃO DE CONCURSO PÚBLICO. CRITÉRIO SUBJETIVO PARA ESCOLHA DO CANDIDATO. OFENSA AOS PRINCÍPIOS DA ISONOMIA E PROPORCIONALIDADE. AUSÊNCIA DE PREVISÃO LEGAL.

Influência de tatuagem na livre concorrência a concursos públicos, respeitando o respaldo legal e constitucional. Infringência aos princípios da isonomia, proporcionalidade, impessoalidade e o direito a livre manifestação artística e cultural resguardados pela Constituição Federal de 1988.

1.    Trata-se de discussão sobre a questão de que se tatuagens podem barrar uma candidata ao ingresso em concurso público da Polícia Militar.

2.    Têm-se como principal fundamentação a previsão no edital do referido concurso e há quem defenda ser contra este tipo de expressão cultural, que podem não ser compatível com cargos públicos.

3.    Será que tatuagem, espécie de arte muito utilizada atualmente, é suficiente para a eliminação do concurso público?

4.    Há argumentações que se não houver obediência ao previsto no edital do concurso, a relação do candidato, se aprovado, seria mal ao seu ingresso no referido cargo.

5.    É o necessário a relatar. Em seguida, exara-se o opinativo.

6.    O STF já decidiu sobre o assunto no dia 17 de agosto de 2016, o Plenário, no julgamento do Recurso Extraordinário nº 898450, cuja repercussão geral fora reconhecida em 28/08/2015, por maioria dos votos declarou inconstitucional a proibição de tatuagens em concursos públicos, desde que não viole valores constitucionais.

7.    Para o relator ministro Luiz Fux, “qualquer restrição para o acesso a cargo público constante em editais de concurso dependeria da sua específica menção em lei formal.” [1] O caso era sobre um candidato ao cargo de Polícia Militar de São Paulo, que foi eliminado por ter uma tatuagem na perna.

8.    Por outro lado, o relator continuou os argumentos salientando a jurisprudência do STF que aceita a exigência de altura mínima para determinado concurso, porém aqui utilizando os princípios constitucionais, sendo viável e proporcional:

“(...) o entendimento de que a exigência de altura mínima para o cargo de policial militar é válida, desde que prevista em lei em sentido formal e material, bem como no edital que regulamente o concurso (...) somente ser legítima a cláusula de edital que prevê altura mínima para habilitação para concurso público quando mencionada exigência tiver lastro em lei, em sentido formal e material (...) ALTURA MÍNIMA – EXIGÊNCIA PREVISTA APENAS NO EDITAL – AUSÊNCIA DE PREVISÃO EM LEI FORMAL – OFENSA AOS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA LEGALIDADE E DA RAZOABILIDADE (...)” [2]

9.    Observa-se que se a exigência em questão fosse sobre a altura seria constitucional, por tratar de critério objetivo na influência da prática do cargo público em questão.

10. No que tange à tatuagem, declarou que a liberdade de manifestação artística e de expressão, estão estabelecidas no art. 5°, incisos IV e IX, da Constituição Federal. Contudo, está o candidato exercendo seu direito constitucional, não podendo ser punido por isto. Porém em poucos casos é possível se discutir até onde prevalecerá este direito, como no caso de ofender a própria Constituição.

“(...) o fato de uma pessoa possuir tatuagens, visíveis ou não, não pode ser tratado pelo Estado como parâmetro discriminatório quando do deferimento de participação em concursos de provas e títulos para ingresso em uma carreira pública (...). Dito de outro modo, inexiste qualquer relação de pertinência entre a proibição de possuir tatuagem e as características e peculiaridades inerentes à função pública a ser desempenhada pelo candidato. Um policial não é melhor ou pior nos seus afazeres públicos por ser tatuado.” [3]

11. É evidente a violação dos princípios constitucionais da proporcionalidade e igualdade neste caso em questão, o edital não poderia trazer em seu corpo esse critério que não tem respaldo legal, afirmando o que estabelece o art. 37, I da Constituição da República, que, expressamente, impõe que “os cargos, empregos e funções públicas são acessíveis aos brasileiros que preencham os requisitos estabelecidos em lei”.

12. Celso Antônio Bandeira de Mello (2001, p.38) apud relator Luiz Fux, em sua obra, assevera que:

“(...) no que atina ao ponto central da matéria abordada procede afirmar: é agredida a igualdade quando o fator diferencial adotado para qualificar os atingidos pela regra não guarda relação de pertinência lógica com a inclusão ou exclusão no benefício deferido ou com a inserção ou arredamento do gravame imposto.” [4]

13. Entendo que somente a lei pode estabelecer critérios de eliminações que devem se basear em critérios objetivos e técnicos, a depender ao cargo pretendido. Não se pode punir o que está garantido na Constituição, a livre manifestação artística e cultural, salvo quando afrontar a Carta Magna. A simples pigmentação da pele atualmente, deixou de ter resquícios de criminalidade e passou a ser amparada na Constituição, respeitando as diversas culturas e manifestações artísticas.

14. Diante do caso, não é cabível o fato de simples tatuagem ser motivo de eliminação no concurso público, já que o legislador não pode dificultar a concorrência do candidato por critérios subjetivos. Isso afetaria a ampla concorrência e diminuiria consideravelmente o número de interessados, todavia acarretaria a violação do princípio da impessoalidade por parte da Administração Pública.

15. Além disso há descumprimento com os princípios da proporcionalidade e da isonomia, não sendo proporcional o fato de ter ou não tatuagem no cargo em questão, já que não influencia no seu exercício. Há ainda o encargo de se escolher pessoa menos qualificada para o exercício do cargo.

16. Somente através de lei poderá ser estabelecido critérios de distinções, e mesmo contendo a previsão, está sujeita ao controle de constitucionalidade se este critério for exclusivamente subjetivo e não sendo necessário ao exercício do cargo público.

17. Considero inconstitucional o referido edital e dou provimento a candidata para continuar no concurso de admissão da Polícia Militar e impetrar Mandado de Segurança resguardando seu direito líquido e certo.

18. É o que me parece, s.m.j.


[1] BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Recurso Extraordinário nº 898450. Proibição de tatuagem a candidato de concurso público é inconstitucional, decide STF, Ministro Luiz Fux, Brasília, p. 03, ag. 2016

[2] Idem. (2016, p. 04/05)

[3] Idem. (2016, p. 15/16)

[4] MELLO, Celso Bandeira de. Conteúdo jurídico do princípio da igualdade, 3ª. ed., São Paulo: Malheiros Editores, 2001, p. 38.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria