Estatuto Geral das Guardas Municipais. Lei 13.022/2014. INCONSTITUCIONALIDADE do estatuto geral das guardas municipais.

                Buscar-se-á nesse artigo evidenciar alguns argumentos jurídicos respaldados em fragmentos constitucionais acerca do Estatuto Geral das Guardas Municipais, recentemente aprovado pelo Congresso Nacional e sancionado pelo Chefe do Executivo. Nesse diapasão, necessário mergulhar, ainda que superficialmente, na Carta da República Federativa do Brasil – CRFB.

                Em linhas introdutórias, mister infirmar alguns conceitos para adentrarmos no assunto. Será breve. Soberania versus autonomia. Esses dois institutos são citados pela CRFB, respectivamente, arts. 1º, I e 18, caput. Assim, pela dicção dos preceitos constitucional, soberano é a República Federativa do Brasil, já a União, Estados, Distrito Federal e Municípios são autônomos.

                Desta forma, a definição de soberania remete a dois planos, interno e externo. O primeiro indica que no plano nacional não estar subordinado a nenhum Poder. O segundo infere que o Estado brasileiro é independente e que não se submete a nenhum outro no plano internacional. Já a autonomia liga-se ao plano interno. Isto é, os entes políticos que são: União, Estados, Distrito Federal e Municípios são independentes entre si, não se subordinado uns aos outros, inexistindo poder de ingerência de um sobre outro.

                Ao nadar nas águas do saber, notadamente no texto constitucional, pescar-se-á excerto que os levará a uma possível reflexão da probabilidade de ser o texto, ora objeto de análise, constitucional ou não. Naufrague nessas águas, mas sem se afogar.

 

Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:

I - a soberania;

 

Art. 18. A organização político-administrativa da República Federativa do Brasil compreende a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, todos autônomos, nos termos desta Constituição.

                Dos dois preceitos da CRFB acima citado, pode-se concluir que a União não pode interferir nos Estados, Distrito Federal e Municípios. É que, como dito, soberano é a República Federativa do Brasil – RFB e não a União. Este tão somente dotado de autonomia, assim como os demais entes são.

                Esse entendimento é logicamente corroborado pelos fragmentos a seguir. Veja e tire sua conclusão.

 

Art. 34. A União não intervirá nos Estados nem no Distrito Federal, exceto para:

 

I - manter a integridade nacional;

II - repelir invasão estrangeira ou de uma unidade da Federação em outra;

III - pôr termo a grave comprometimento da ordem pública;

IV - garantir o livre exercício de qualquer dos Poderes nas unidades da Federação;

V - reorganizar as finanças da unidade da Federação que:

a) suspender o pagamento da dívida fundada por mais de dois anos consecutivos, salvo motivo de força maior;

b) deixar de entregar aos Municípios receitas tributárias fixadas nesta Constituição, dentro dos prazos estabelecidos em lei;

VI - prover a execução de lei federal, ordem ou decisão judicial;

VII - assegurar a observância dos seguintes princípios constitucionais:

a) forma republicana, sistema representativo e regime democrático;

b) direitos da pessoa humana;

c) autonomia municipal;

d) prestação de contas da administração pública, direta e indireta.

e) aplicação do mínimo exigido da receita resultante de impostos estaduais, compreendida a proveniente de transferências, na manutenção e desenvolvimento do ensino e nas ações e serviços públicos de saúde. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 29, de 2000)

 

Art. 35. O Estado não intervirá em seus Municípios, nem a União nos Municípios localizados em Território Federal, exceto quando:

 

I - deixar de ser paga, sem motivo de força maior, por dois anos consecutivos, a dívida fundada;

II - não forem prestadas contas devidas, na forma da lei;

III – não tiver sido aplicado o mínimo exigido da receita municipal na manutenção e desenvolvimento do ensino e nas ações e serviços públicos de saúde; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 29, de 2000)

IV - o Tribunal de Justiça der provimento a representação para assegurar a observância de princípios indicados na Constituição Estadual, ou para prover a execução de lei, de ordem ou de decisão judicial.

                Dos preceitos acima arrolados constata-se nenhum dispositivo a legitimar a interferência da União nos municípios por meio do texto sancionado. São ínfimos os argumentos até aqui concatenados? Vejam mais.

DA ILEGITIMIDADE LEGIFERANTE

                A CRFB distribui a competência legiferante aos seus entes políticos nos termos a seguir aduzidos:

Art. 22. Compete privativamente à União legislar sobre:

Omissis{C}[2]{C}

XXI - normas gerais de organização, efetivos, material bélico, garantias, convocação e mobilização das polícias militares e corpos de bombeiros militares;

XXII - competência da polícia federal e das polícias rodoviária e ferroviária federais;

               

Pois bem, do enunciado supracitado não foi mencionado a Guarda Municipal. Haveria, então, legitimidade da União para criar o texto epigrafado? Tire sua conclusão. É pouco. Tem mais.

 

Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios:

Omissis

 

   Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre:

Omissis

XVI - organização, garantias, direitos e deveres das polícias civis.

§ 1º - No âmbito da legislação concorrente, a competência da União limitar-se-á a estabelecer normas gerais.

§ 2º - A competência da União para legislar sobre normas gerais não exclui a competência suplementar dos Estados.

§ 3º - Inexistindo lei federal sobre normas gerais, os Estados exercerão a competência legislativa plena, para atender a suas peculiaridades.

§ 4º - A superveniência de lei federal sobre normas gerais suspende a eficácia da lei estadual, no que lhe for contrário.

               

Dos dispositivos mencionados pode-se concluir o que se segue:

{C}1-      O art. 22 em seus incisos não menciona a Guarda Municipal, como sendo matéria competente a ser legislado pela União (Congresso Nacional). Vejam apenas a policia militar, os bombeiros militares, a polícia federal e as polícias rodoviárias e ferroviária federais é que são mencionados.

Neste particular, o constituinte não quisera elencar a Guarda Municipal, como matéria a ser legislada pela união, ainda que de forma genérica, do contrário teria expressamente mencionado.

{C}2-      O art. 23 ratifica o entendimento do item 1, acima descrito;

{C}3-      O art. 24 elenca uma hipótese de que, caso o constituinte desse esse direito, teria o feito com relação a Guarda Municipal. Pois, o texto elenca a possibilidade de a União legislar genericamente sobre a polícia civil.

Nítida, verifica-se nas linhas acima transcritas, a intenção do legislador constituinte não atribuir competência legiferante a União no tocante às guardas municipais. A ausência de preceito expresso leva á probabilidade do Estatuto ser objeto de Ação Direta de Inconstitucionalidade – ADIN por comissão legislativa do ente ativo.

Em face de tudo o que foi exposto, acredita-se que haverá futuramente alguma ADIN neste sentido, pois, como visto, razões há para a decretação da inconstitucionalidade do texto normativo a que se dispôs analisar tão somente sob a ótica constitucional, por conseguinte inexistem justificativas idôneas, plausíveis a sustentar tal desiderato, senão por meio de uma Emenda à CRFB. De mais a mais, parece ter ocorrido um propósito eleitoreiro consistente em abarcar os votos dos membros das Guardas Municipais, bem ainda das famílias destes e de simpatizantes para os partidos dos políticos votaram a favor da Lei.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

REFERÊNCIAS

 BRASIL. Constituição da república federativa do brasil. 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/ConstituicaoCompilado.htm>. Acesso em: 22 set. 2014.

_______. Lei 13022 de 8 de agosto de 2014. 2014. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2014/lei-13022-8-agosto-2014-779152-publicacaooriginal-144726-pl.html>. Acesso em: 22 set. 2014.

               


[2] Incisos que não menciona órgãos de segurança pública, em especial a Guarda Municipal.


Autor

  • Ronaldo Gonçalves da Silva

    Bacharel em direito pelo Centro Universitário Maurício de Nassau, aprovado no exame OAB-PE/2014, Pós-graduado em Docência no ensino superior – latu sensu, Senac – EAD, Guarda Municipal da Cidade do Recife, tendo pertencido ao quadro de servidores da polícia civil – PE/2008 e nomeado a escrivão de polícia civil de Pernambuco/2013.

    Textos publicados pelo autor


Informações sobre o texto

O presente artigo tem entre outras finalidades evidenciar aos guardas municipais ilegitimidade de a União ter legislado sobre a matéria, pois esta é típica de legislativo local.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

2

  • 0

    Mauricio Gustavo

    E policia não é policia blablabla..... Me da Raiva de ver gente que passou anos estudando e eu só fis o antigo segundo grau sou comerciante casado pai de dois filhos
    Eu estava baixando o portão automático da minha casa entraram 4 bandidos me roubaram tudo de valor e o meu carro que ainda estava pagando sem seguro ; dois pegavam tudo da casa outro batia em mim e na minha esposa um dos bandidos estuprou minha filha de 12 anos eu reagi e levei um tiro no peito.e uso remédios ate hoje.
    Um vizinho viu avisou uma viatura da GCM da divisão ROMU eles perseguiram recuperaram meu carro prenderam dois bandidos e mataram na troca de tiros justo o que atirou em mim e oque estuprou minha filha.
    Era uma viatura com Profissionais o Estado democrático de direito deu fardas armas e a viatura que me atendeu , Era uma viatura independente de qual corporação .
    sobre os politicos vocês que estudaram se candidatem sejam eleitos e fação algo .
    Isso parece criança da quarta série que vai chorar pra professora.

  • 1

    Milton Moura da Silva Junior

    Parabenizo-o pelo artigo que há quase um ano atrás já vislumbrava o desfecho com a edição dessa lei.
    Concordo com seu ponto de vista, embora recentemente o STF tenha declarado ser constitucional a atuação da Guarda Municipal de Belo Horizonte (RE 658570) no trânsito, mais ainda fica a minha dúvida, se pode uma lei complementar, em que deveria apenas discorrer sobre à que se DESTINA a Guarda, trazendo os pormenores e não exacerbando os limites e principalmente a sua finalidade. É certo que a União é a legitimada para tratar da matéria de trânsito, porém, acredito que o meio utilizado está viciado.
    Essa é a minha opinião, apenas, não querendo impringir à ninguém!

Livraria