Este artigo visa abordar a possibilidade de incidência da absolvição sumária no procedimento comum ordinário e sumário, bem como no procedimento especial do júri.

1. Introdução

Este artigo visa abordar a possibilidade de incidência da absolvição sumária nos procedimentos, ocasião em que as Leis nº 11.719/2008 e 11.689/2008 modificaram os artigos 397 e 415 do Código de Processo Penal, introduzindo as hipóteses em que o juiz poderá absolver sumariamente o acusado.

Contudo, a Lei 11.719/2008 definiu que os procedimentos poderão ser comum ou especial, aplicando-se o primeiro em todos os processos, salvo quando existir disposição em contrário no Código de Processo Penal ou lei especial.

2. Desenvolvimento

2.1. Absolvição Sumária no Procedimento comum Ordinário

O ajuizamento da ação penal ocorre com o recebimento da denúncia ou da queixa, concluindo-se a formação do processo e iniciando-se a instrução, portando, o juiz, na mesma decisão que receber a peça acusatória, deverá ordenar a citação do acusado para responder a acusação, por escrito, no prazo de 10 (dez) dias.

A Lei 11.719/2008 prevê a possibilidade do julgamento antecipado do processo, que poderá ocorrer nos termos do artigo 397 do Código de Processo Penal, quando o juiz está possibilitado, mesmo já tendo recebido a denúncia ou queixa, mas tomando conhecimento das alegações do réu, como o oferecimento de documentos ou outras provas, possa terminar a demanda, absolvendo sumariamente o acusado.

Portando, são hipóteses de absolvição sumária do artigo 397 do Código de Processo Penal: a) existência manifesta de causa excludente da ilicitude do fato; b) existência manifesta de causa excludente da culpabilidade do agente, salvo inimputabilidade; c) quando o fato narrado evidentemente não constituir crime; d) quando estiver extinta a punibilidade do agente.

Na hipótese de absolvição sumária, o recurso cabível é o de apelação, caso contrário, o juiz designará audiência de instrução e julgamento, providenciando a intimação do acusado, de seu defensor, do Ministério Público, se for o caso, do querelante e do assistente.

2.2. Absolvição Sumária no Procedimento Sumário

Sumário é qualidade do que é resumido, feito de maneira simplificada, sem formalidades. Todavia, o objetivo desse procedimento é simplificar a finalização do procedimento ordinário.

O procedimento sumário é aplicado aos crimes cuja sanção máxima cominada seja inferior a 04 (quatro) anos de pena privativa de liberdade, iniciando-se da mesma forma que o procedimento ordinário.

Entretanto, apresentada a defesa prévia, pode o juiz absolver sumariamente o réu, com base no artigo 397 do Código de Processo Penal.

Por outro lado, não sendo o caso de absolvição sumária, o juiz designará audiência de instrução e julgamento, que deverá ser única.

2.3. Absolvição Sumária no Procedimento especial do Júri

É a sentença que extingue o processo com julgamento de mérito, reconhecendo a inocência do réu, sem a necessidade de remetê-lo aos jurados.

A absolvição sumária também se aplica no procedimento do júri, ocasião em que a Lei 11.689/2008 ampliou o rol das hipóteses de absolvição, que anteriormente a esta lei, limitava-se às excludentes de ilicitude e culpabilidade.

Posto isso, o artigo 415 do Código de Processo Penal prevê as seguintes hipóteses de absolvição sumária: a) estar provada a inexistência do fato; b) estar provado não ter sido o réu o autor ou partícipe do fato; c) estar demonstrado que o fato não constitui infração penal; d) estar demonstrada causa de isenção de pena ou de exclusão do crime.

Insta salientar, que a absolvição sumária exige certeza, diante da prova colhida. Havendo dúvida razoável, torna-se mais indicada a pronúncia, tendo em vista que o júri é o juízo constitucionalmente competente para deliberar sobre o tema.

Guilherme de Souza Nucci tem o seguinte entendimento sobre a absolvição sumária:

“Estando o juiz convencido, com segurança, desde logo, da inexistência do fato, de não ter sido o réu o autor ou partícipe, de não ser o fato infração penal, de estar evidente a ilicitude da conduta do réu ou a falta de culpabilidade, não há razão para determinar que o julgamento seja realizado pelo Tribunal Popular. Não fosse assim, a instrução realizada em juízo seria totalmente despicienda. Se existe, é para ser aproveitada, cabendo, pois, ao magistrado togado aplicar o filtro que falta ao juiz leigo, remetendo ao júri apenas o que for, em função de dúvida intransponível, um crime doloso contra a vida” (NUCCI, 2010, p. 747).

Todavia, Pedro Henrique Demercian e Jorge Assaf Maluly entendem da seguinte forma:

“Entendendo o juiz do sumário da culpa que existe dúvida, ainda que de pequena proporção, a respeito da autoria do crime, objeto de apuração, deverá também em tal situação pronunciar o acusado. A subtração do julgamento popular deve sempre ser analisada como exceção, não regra, mormente em se tratando de inimputáveis” (DEMERCIAN; MALULY, 2009, p. 480 e 481).

 Contudo, parte da doutrina entende ser possível a absolvição sumária pelo juiz, desde que não reste dúvida sobre as razões que possibilitaram a sua persuasão, todavia, se ocorrer alguma dúvida, caberá ao magistrado pronunciar o réu, como consta no texto constitucional.

Em relação ao semi-imputável, não será concedido sua absolvição sumária, nem tampouco impronúncia. Se o réu é considerado mentalmente perturbado, deve ser pronunciado normalmente, havendo prova da materialidade e indícios suficientes de autoria.

No entanto, quanto à constatação de inimputabilidade, o juiz não deve absolver sumariamente o acusado, mas sim, impor medida de segurança, se a defesa levantou outras teses, conforme dispõe o artigo 415, parágrafo único, do Código de Processo Penal.

Por outro lado, se a tese defensiva lastrear, unicamente, na inimputabilidade do réu, o juiz pode absolvê-lo sumariamente, impondo a medida de segurança adequada.

Ademais, havendo dúvida sobre a capacidade psíquica do acusado de entender o caráter ilícito do fato, impõe-se sua pronúncia para ser julgado pelo Tribunal do Júri.

Entretanto, na hipótese de absolvição sumária no procedimento do júri, o recurso cabível é o de apelação, nos termos do artigo 416 do Código de Processo Penal.

3. Conclusão

Podemos concluir que a absolvição sumária é uma decisão terminativa de mérito, e que o juiz possui legitimidade para proferi-la.

Com efeito, mesmo que a decisão adentre ao mérito de maneira antecipada, não afronta o princípio constitucional que confere ao Tribunal do Júri a competência para julgamento dos crimes dolosos contra a vida.

Por fim, a decisão pela absolvição sumária deve ser enfrentada como hipótese excepcional, uma vez que a competência originária para julgamento dos crimes dolosos contra a vida é do Tribunal do Júri, conforme dispõe o artigo 5º, inciso XXXVIII, alínea “d”, da Constituição Federal de 1988.

Referências Bibliográficas:

BRASIL. Código de Processo Penal. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

BRASIL. Constituição Federal (1988). Emenda constitucional nº 45, de 08 de dezembro de 2004. Constituição Federal. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

DEMERCIAN, Pedro Henrique, MALULY, Jorge Assaf. Curso de Processo Penal. Rio de Janeiro: Forense, 2009.

NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de Processo Penal e Execução Penal. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010.

OLIVEIRA, Eugênio Pacelli. Curso de Processo Penal. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

1

  • 0

    Victor Genari

    Muuuuito legal o conteúdo, consegui entender de verdade agora, usei o material aí em baixo pra complementar e ajudou bem também

    entendeudireito.com.br/topico/291/21/1/art-397--absolvicao-sumaria

    Eles ensinam por esquemas mentais, isso faz você aprende em até metade do tempo em relação a resumos ou vídeo aulas, o maisfoda são os mapas mentais que fala com o seu cérebro de forma direita e objetiva, aí dá pra memorizar e aprender de um jeito muuuuito fácil, depois que eu comecei a usar o material daí, difícil ficou não aprender rsrs