Os abusos midiáticos cometidos no Brasil se tornaram evidentes e já comprometem a validade das sentenças proferidas por juízes suspeitos de colusão com a imprensa.

Publicado em 1957, As Misérias do Processo Penal, de Francesco Carnelutti, é leitura quase obrigatória nas Faculdades de Direito. Curto e denso, o livro discute quase todos os aspectos importantes do cotidiano forense. Dentre as questões debatidas por Carnelutti, uma se tornou crucial na atualidade: a exposição midiática do juiz.

Desde que o PT ganhou a primeira eleição, a imprensa ficou obsedada por todos os julgamentos que de uma maneira ou de outra poderiam afetar negativamente os governos petistas. Os telejornalitas e editores de jornais e revistas criaram o ambiente onde as estrelas judiciais do anti-petismo se destacaram.

O primeiro grande herói de toga da mídia a atacar ferozmente o PT em público foi Gilmar Mendes. Ele ganhou máxima exposição na mídia quando passou a criticar a Operação Satiagraha. Numa ocasião, o então presidente do STF chegou a chamar Lula às falas por causa de um suposto grampo cujo áudio nunca foi encontrado. Pouco tempo depois, o palanque midiático seria ocupado Joaquim Barbosa durante o julgamento do Mensalão do PT (o Mensalão do PSDB Joaquim Barbosa preferiu não julgar). Na atualidade o herói togado da imprensa é Sérgio Moro, juiz de primeira instância que usa e abusa da exposição na mídia como se a Lava Jato fosse uma telenovela em que ele é o roteirista, o diretor e o principal protagonista.

A Lei Orgânica da Magistratura prescreve que o Juiz deve levar uma vida recatada. É evidente que esta norma caiu em desuso, pois ninguém do CNJ sequer cogita punir a falta de recato do juiz que resolveu perseguir Lula de uma forma tão evidente que passou a ser criticado dentro e fora do país.

Moro não só usa e é usado pela mídia. Ele defende publicamente a utilização da imprensa para reforçar seu poder jurisdicional. É evidente, portanto, que ele não aprendeu ou rejeitou as lições de Carnelutti. Na obra citada no início diz o eminente jurista italiano:

“A toga, sem dúvida, convida ao recolhimento. Infelizmente hoje sempre mais, sob este aspecto, a função judiciária está ameaçada pelos opostos perigos da indiferença ou do clamor: indiferença pelos processos pequenos, clamor pelos processos célebres. Naqueles a toga parece um instrumento inútil; nestes se assemelha, lamentavelmente, a uma veste teatral. A publicidade do processo penal, a qual corresponde não somente à idéia do controle popular sobre o modo de administrar a justiça, mas ainda, e mais profundamente, o seu valor educativo, está, infelizmente, degenerada em um motivo de desordem. Não tanto o público que enche os tribunais ao inverossímil, mas a invasão da imprensa, que precede e persegue o processo com imprudente indiscrição e não de raro descaramento, aos quais ninguém ousa reagir, tem destruído qualquer possibilidade de juntar-se com aqueles aos quais incumbe o tremendo dever de acusar, de defender, de julgar. As togas dos magistrados e dos advogados, assim, se perdem na multidão. Sempre mais raros são os juízes que têm a severidade para reprimir esta desordem.” (As Misérias do Processo Penal, Francesco Carnelutti, Edijur, 3a. edição, Leme-SP, 2015, p. 16-17)

A exposição midiática de Sérgio Moro já se virou contra ele. Isto ocorreu quando um advogado demonstrou que ele havia cadastrado nos autos uma longa sentença minutos depois que a defesa completa do réu havia sido anexada aos autos. Irritado, o juiz paranaense criticou o advogado no Facebook dando azo à uma maior exposição de sua conduta duvidosa. Afinal, pode ser considerada nula a sentença produzida antes da defesa completa e sem que esta tenha sido ponderada pelo magistrado.

Lula desafiou abertamente Sérgio Moro e o CNJ ao denunciar formalmente na ONU perseguição que está sofrendo. O caso proposto pelo advogado de Lula não foi sumariamente rejeitado. Apesar disto, a mídia (sempre pronta a dar espaço para os ataques midiáticos de Sérgio Moro) não se interessou pelo desenrolar do processo de Lula na ONU, demonstrando assim uma evidente parcialidade.

A mídia já condenou Lula. Sérgio Moro só precisa encontrar o fundamento para colocá-lo na prisão. E mesmo o juiz paranaense condene Lula sem qualquer fundamentação plausível os jornalistas irão legitimar a sentença. Afinal, a sentença deles já foi dada e eles não ousariam desautorizar uma condenação que já proferiram.

Esta transferência do poder de julgar do Judiciário para a Imprensa é completamente irregular. No limite ela pode invalidar toda e qualquer decisão judicial produzida sob suspeita de colusão entre o juiz e a imprensa ou coação praticada por jornalistas. Causa estranhamento os juízes não ficarem preocupados com o fato de eles estarem se tornando revisores de texto das empresas de comunicação.

Há alguns dias um ex-presidente do STF disse que os juízes não devem ter vergonha de pedir aumento salarial. Não sei o que dizer sobre esta questão. Todavia, me parece escandaloso os juízes não terem vergonha de receber salários nababescos para reproduzir em sentenças oficiais condenações que são redigidas nos jornais e telejornais por leigos que usurparam o poder atribuído a eles pela Constituição Federal.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0