O presente artigo aborta a possibilidade do consumidor conntratar um plano de saúde (dentro da mesma operadora ou em uma operadora diferente), e ficar dispensado de cumprir novos períodos de carência ou de cobertura parcial temporária exigíveis.

Primeiramente, cumpre esclarecer que é perfeitamente possível a troca de plano de saúde sem o cumprimento de carência ou cobertura parcial temporária pelo novo plano.

 Mas o que significa portabilidade de carência? É exatamente a possibilidade de se contratar um plano de saúde (dentro da mesma operadora ou em uma operadora diferente), e ficar dispensado de cumprir novos períodos de carência ou de cobertura parcial temporária exigíveis e já cumpridos no plano de origem, cabendo destacar que essa possibilidade vigora para os planos individuais e familiares e para os planos coletivos por adesão, contratados a partir de 02/01/1999.

Nesta oportunidade, será abordado, especificamente, a Portabilidade Especial, que independentemente do tipo de plano de saúde e da data de assinatura do contrato, pode ser utilizada em três situações:

1ª) – Por dependente que perdeu seu vínculo com o plano, seja por falecimento do titular, ou em decorrência de perda da condição para continuar no plano como dependente. O prazo é de 60 dias a partir da data de falecimento do titular, ou da extinção do vínculo.

2ª) – Por beneficiário de operadora que tenha seu registro cancelado pela ANS ou que esteja  em processo de Liquidação Extrajudicial (falência). O prazo de 60 dias para exercício da portabilidade começa a contar a partir da data de publicação de Resolução Operacional da ANS no Diário Oficial da União.

3ª) - O ex-empregado demitido ou exonerado sem justa causa ou aposentado, ou seus dependentes vinculados ao plano, durante o período de manutenção da condição de beneficiário garantida pelos artigos 30 e 31 da Lei 9.656, de 1998, também possuem o direito de exercer a portabilidade especial de carências para plano de saúde individual ou familiar ou coletivo por adesão.

Nesta última hipótese, os requisitos para o exercício da portabilidade especial são parecidos com a portabilidade tradicional, com exceção da necessidade de um período mínimo de permanência no plano de origem. Os demais requisitos são:

- estar em dia com a mensalidade do plano da operadora de origem;

- o plano de destino estar em tipo compatível com o do plano de origem;

- a faixa de preço do plano de destino ser igual ou inferior à que se enquadra o seu plano de origem, considerada a data da assinatura da proposta de adesão; e

- o plano de destino não estar com registro em situação “ativo com comercialização suspensa”, ou “cancelado”.

Ademais, importa consignar que para requerer a portabilidade, o beneficiário deverá observar algumas opções de período, quais sejam:

a) no período compreendido entre o primeiro dia do mês de aniversário do contrato e o último dia útil do terceiro mês subseqüente; ou

b) no prazo de 60 (sessenta) dias antes do término do período de manutenção da condição de beneficiário garantida pelos artigos 30 e 31 da Lei nº 9.656, de 1998;

Outrossim, deverão ser observadas, ainda, as seguintes regras:

- o beneficiário que esteja cumprindo carência ou cobertura parcial temporária no plano de origem, pode exercer a portabilidade especial de carências, sujeitando-se ao cumprimento dos respectivos períodos restantes;

- o beneficiário que esteja pagando agravo e que tenha menos de 24 (vinte e quatro) meses de contrato no plano de origem pode exercer a portabilidade especial de carências, podendo optar pelo cumprimento de cobertura parcial temporária referente ao tempo restante para completar o referido período de 24 (vinte e quatro) meses, ou pelo pagamento de agravo a ser negociado com a operadora do plano de destino;

- o beneficiário que tenha 24 (vinte e quatro) meses ou mais de contrato no plano de origem pode exercer a portabilidade especial de carências sem o cumprimento de cobertura parcial temporária e sem o pagamento de agravo.

Em importância, sobreleva consignar que a ANS recomenda que, ao final do processo, o beneficiário entre em contato com a operadora do plano de origem para informar que exerceu a portabilidade especial de carência, apontando a data de início da vigência do contrato, que será a mesma do encerramento do contrato do plano de origem, sendo certo que a compatibilidade dos planos deve ser verificada por meio do Guia ANS de Planos de Saúde, disponível no site da ANS.

Portanto, a portabilidade de carências é uma importante ferramenta voltada para benefício do consumidor, devendo este atentar-se quanto aos prazos, requisitos e regras exigidos, para que possa utilizá-la de forma adequada, evitando assim o cumprimento de um novo prazo de carências.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0